Ajuda para hoje, esperança para amanhã 

O Sexo e os Jovens Cristãos

Você está aqui

O Sexo e os Jovens Cristãos

Login or Create an Account

With a UCG.org account you will be able to save items to read and study later!

Sign In | Sign Up

×

Sexo. A própria palavra suscita fortes emoções. O mundo constantemente populariza e perverte o sexo em livros, revistas, filmes e no “entretenimento” geral.

Nossa cultura se orgulha da liberdade sexual. Os relacionamentos pré-maritais e extraconjugais de todas as variedades não são mais “vergonhosos”, pelo contrário, agora são comemorados.

Religiosos ou não, o fato é que 86 por cento dos jovens solteiros adultos (idades 18-29) nos Estados Unidos tiveram relações sexuais, 78 por cento tiveram relações sexuais no último ano e 55 por cento estão atualmente em um relacionamento sexual. Cerca de sete por cento das meninas adolescentes (idades 15-19) engravida a cada ano, acrescentando mais de quatrocentos mil nascimentos anuais apenas nos Estados Unidos. O estudo mais recente (2002) mostra que três quartos de todas as gravidezes indesejadas são de jovens mulheres de idade até 29 anos (Campanha Nacional de Prevenção à Gravidez Adolescente e Indesejada, “A Zona de Neblina”, 2009). E as estatísticas são similares em outras nações ocidentais.

No Brasil os números são parecidos

A segunda etapa da pesquisa realizada no Brasil pelo BEPEC – Bureau de Pesquisa e Estatística Cristã chamada de “O Crente e o Sexo” mostrou que entre os jovens brasileiros também não estão muito envolvidos nas campanhas que pregam sexo só depois do casamento.

O estudo recebeu 6.721 respostas de evangélicos solteiros de diversas denominações e concluiu que 66,13% deles já praticaram sexo. O número é menor quando separado por idade, entre os evangélicos com idade entre 16 e 24 apenas 40,25% já praticaram sexo.

Interessante notar que nesta pesquisa, 54,57% afirmam que a prática sexual ocorreu depois da conversão e 45,43% responderam que não eram mais virgens quando se tornaram evangélicos. De acordo com essa pesquisa, 64,58% continuaram a manter relações sexuais mesmo depois de se associar a uma denominação.

Sem dúvida, a gravidez indesejada é apenas uma das consequências da orientação sexual errada dos jovens na sociedade de hoje. Deveria ser óbvio que a atitude prevalecente sobre o sexo pré-marital e extraconjugal na cultura que nos cerca traz muitos problemas.

A triste notícia é que os cristãos têm fingido que mantêm uma moral elevada quanto ao sexo, mas até mesmo eles estão comprando a mensagem de que o sexo fora do casamento está certo. Muitos ainda veem o sexo fora do casamento como errado, mas isso é visto por muitos outros como arcaico e fora de moda.

A crença de que o sexo deve ser reservado ao casamento é assim tão rígida? Esta seria a pergunta certa a fazer: Qual é a opinião de Deus sobre o sexo e como deveríamos reagir a ela?

O sexo é pecado?

A Palavra de Deus, a Bíblia, é muito franca sobre o sexo. Deus inspirou o registro de alguns exemplos errados de comportamento sexual: O rei Davi cometeu adultério com Bate-Seba; Ló cometeu incesto com suas filhas; Sansão tinha uma atitude devassa e luxuriosa em relação às mulheres, e isso lhe custaram os olhos e sua própria vida. Esses relatos ilustram as graves consequências que podem vir com o sexo fora do casamento.

O sexo em si, planejado por Deus, não é pecado. Porém, o uso indevido do sexo é pecaminoso.

Aqui está o que Deus planejou para o casamento e o sexo — que devem ser nessa ordem:

No princípio, Ele criou a humanidade como homem e mulher — por uma razão (Gênesis 1:27).

Ele fez os dois primeiros seres humanos, Adão e Eva, marido e mulher — ou seja, “uma só carne” (Gênesis 2:24).

Ele os abençoou e disse-lhes para encher a terra com sua família — o que implicou e exigiu o sexo no casamento (Gênesis 1:28).

A união sexual no casamento é para ser “digno de honra” (Hebreus 13:4 Hebreus 13:4Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará.
Almeida Atualizada×
).

Sabemos que Deus estava falando de uma união sexual porque Ele inspirou o apóstolo Paulo a escrever que uma relação sexual fora do casamento é semelhante — mas imoral — a ser uma só carne (1 Coríntios 6:16).

Novamente, o sexo em si não é o problema. Deus, por Seu amor divino, deu à humanidade esse relacionamento poderoso e maravilhoso. O problema é quando algo planejado para o nosso bem é usado de forma egoísta e errada. Deus nos diz para esperar até o momento certo para ter relação sexual em nosso próprio casamento: “Não despertem nem provoquem o amor enquanto ele não o quiser” (Cantares de Salomão 2:7, NVI). Ou seja, enquanto não estiver pronto, pois, não é justo até que os votos sejam trocados no casamento!

Os hormônios sexuais e o divórcio

Muitos poderosos hormônios são liberados durante o ato sexual, conexão que Deus planejou para ser dentro do casamento. Se um indivíduo se envolve com sexo fora do casamento, esses hormônios ainda assim são liberados, mas o efeito dessa conexão divina, destinada a apenas um companheiro do sexo oposto, é tragicamente minimizado e enfraquecido.

Quanto mais tempo durar esse comportamento mais difícil será para a pessoa se comprometer com um parceiro em um casamento por toda a vida. Por isso, a imoralidade sexual contribui para a elevada taxa de divórcios, como é evidente nas nações ocidentais. Até mesmo aqueles que afirmam praticar o divórcio bíblico têm, mais ou menos, a mesma taxa (por volta de 32 por cento de casamentos primários) daqueles que não têm nenhuma afinidade cristã (“Divulgação de Novas Estatísticas Sobre o Casamento e Divórcio”, Grupo Barna [www.barna.org]).

O sexo e o aborto

Outra desvantagem para o abuso do sexo é que quase metade das mulheres nos Estados Unidos passará pelo menos por um aborto em algum momento de suas vidas. Aquelas que professam o cristianismo, nos Estados Unidos, também fazem parte da estatística, uma vez que 28 por cento das mulheres que abortam se dizem católicas e 37 por cento se dizem protestantes.

Isto significa que somente nos Estados Unidos as mulheres que se identificam como cristãos contribuem fortemente para a taxa aproximada de 1,2 milhões de abortos por ano (“Características dos Pacientes de Aborto nos Estados Unidos”, Instituto Guttmacher [www.guttmacher.org], maio de 2010).

Manter o sexo sagrado

A partir das estatísticas, podemos ver que muitos “cristãos” também se envolvem em comportamento sexual errado. O que podemos fazer para encontrar a pureza sexual em nossas vidas e famílias?

Deus deu o sexo à humanidade não apenas para procriar, mas para construir uma relação matrimonial forte como uma sagrada união — uma relação física especial e única para ilustrar o mistério da relação entre Cristo e as pessoas em Sua Igreja (Efésios 5:30-32 ). Por que algo tão belo e santo pode ser chamado de profano?

Chamar de pecado um comportamento errado pode parecer desconfortável, mas atinge o alvo da questão para si mesmo e para os outros. Pratique e demonstre um comportamento que segue os padrões de Deus. Desses adolescentes e jovens adultos que não têm relações sexuais antes do casamento, 41 por cento das moças e 31 por cento dos rapazes dão como razão para essa abstinência que o sexo fora do casamento era “contra a minha religião ou contra a moral” (Blog Pausa na Gravidez, The National Campaign [www.thenationalcampaign.org], outubro de 2011).

Se você estiver envolvido em algum comportamento sexual errado – PARE. Este é o primeiro passo para o arrependimento — significa pensar diferente, mudar de ideias e atitudes. Jesus disse a uma mulher que foi apanhada em adultério: “Vai-te e não peques mais” (João 8:2-11). Ele diz a mesma coisa para nós agora. Lembre-se que Deus vai nos perdoar quando nos arrependemos e desejamos sinceramente mudar.

Domine seus desejos sexuais e expresse esse desejo somente quando chegar o santo momento em seu próprio casamento — tal como Deus planejou. Embora o sexo traga fortes emoções e desejos, não há registro de que alguém tenha morrido por não ter sexo! Como acontece em qualquer pecado, devemos dominar nossos desejos para não sofrer as consequências deste comportamento pecaminoso. Deus disse isso a Caim, mas ele encheu-se de muita raiva e ignorou a Deus, então assassinou seu irmão Abel e sofreu graves consequências (Gênesis 4:3-12).

O mundo vende uma mensagem de sexo livre e que não é pecado. Não a compre! Rejeite filmes, shows, comédias ou outros entretenimentos que exaltem o sexo ilícito ou que ridicularizem o casamento e a família. Rejeite qualquer envolvimento em pornografia. Se você precisar, busque a ajuda de aconselhamento. Jesus Cristo ama você e o quer em Sua família no Reino de Deus.

BN