Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

Uma questão bíblica fundamental para o presidente (e você)

Você está aqui

Uma questão bíblica fundamental para o presidente (e você)

Nos dias da antiga Israel, os reis tinham conselheiros diferentes em sua corte para aconselhá-los sobre como governar a nação — com base na Palavra de Deus. Samuel aconselhou a Saul. Natã aconselhou a Davi. O profeta Isaías revelou a vontade de Deus a Ezequias. Esses homens de Deus eram vozes independentes que representavam a Deus diante do rei.

O presidente dos Estados Unidos começa um novo mandato em 20 de janeiro de 2012. O que será que ele escutaria se um verdadeiro servo de Deus — Samuel, Natã ou Isaías — adentrasse o Salão Oval? Que tipo de perguntas bíblicas ele poderia fazer para o presidente dos Estados Unidos? Que perguntas eu deveria fazer se fosse enviado para o Salão Oval? O que você perguntaria?

Considere isso. Os Estados Unidos e outros grandes países estão enfrentando sérios problemas. Os dias de fazer as contas começaram logo após a eleição de novembro. Déficits elevados, programas de benefícios dispendiosos e uma moral decadente estão levando os Estados Unidos América para um dia de julgamento.

Nos Estados Unidos, as brilhantes perspectivas de esperança e de mudança se apagaram. O que o presidente prometeu não foi entregue. O medo faz parte do verdadeiro cenário norte-americano de hoje.

O resto do mundo está muitíssimo interessado nas decisões tomadas pelos líderes dos Estados Unidos. Apesar de existir um nível considerável de ressentimento antiamericano, a maioria das pessoas sabe que o que é decidido em Washington impacta o mundo.

É por isso que o presidente dos Estados Unidos e outros líderes mundiais poderiam se beneficiar de uma perspectiva bíblica, quando o assunto é governar.

A maior ameaça aos Estados Unidos

Vamos começar analisando uma grande questão feita aos dois principais candidatos à presidência durante a campanha eleitoral passada. A ambos os candidatos foi feita a seguinte pergunta: "Qual é a maior ameaça à segurança nacional dos Estados Unidos?" As respostas dadas já eram as que se esperava.

Vamos dar uma olhada no que eles identificaram como tal.

Ambos os candidatos mencionaram a tensão no Oriente Médio, desde a erupção da chamada "Primavera Árabe", em 2011. O Egito está passando por grandes mudanças,  com fundamentalistas islâmicos forçando a adoção da lei islâmica. A Líbia e a Síria estão em crise, e isso ameaça a estabilidade de outros Estados da região.

A empreitada do Irã por armas nucleares coloca-o como o próximo da lista. Nenhum líder sério acredita que um Irã com capacidade nuclear seja bom para a estabilidade da região ou do mundo. Israel, que os líderes iranianos já ameaçaram com o extermínio, certamente também não crê em suas intenções.

A ascensão da China como potência econômica e militar é a maior ameaça de todas as listadas. A China tem em suas mãos bilhões de dólares da dívida dos Estados Unidos e, há muito tempo, desafia a supremacia norte-americana na Ásia.

Por último, os candidatos mencionaram a dívida dos Estados Unidos, de dezesseis trilhões de dólares, como uma ameaça à segurança nacional. E, sem dúvida, é. Até mesmo a nação mais poderosa do mundo pode falir.

De todas as graves ameaças nenhuma é tão séria à segurança nacional como esta a seguir. Na verdade, ameaças como esta são realmente sintomas de uma profunda ameaça que ninguém na liderança do governo nunca identificou.

A ameaça mais séria à segurança dos Estados Unidos, e também a todas as outras nações, como ao Brasil e a Portugal, é algo que você não vai ler em nenhuma fonte de notícias.

Qual é esta ameaça? Nós podemos aprender sobre o que ela é de uma fonte que sempre esteve muito perto de todos os presidentes dos Estados Unidos — a Palavra Deus, a Bíblia Sagrada.

Você pode até dar gargalhadas e descartar a Bíblia como irrelevante para a segurança nacional. E você pode pensar que ela não tem nada a oferecer para nos tirar dessa confusão em que nos metemos. Será? Veremos. Você poderia me mostrar o que está providenciando a ajuda e a orientação de que necessitamos? Por que não se voltar para a Bíblia e perguntar ao presidente — e todos os líderes mundiais interessados — algumas questões desafiadoras? Tanto você quanto eles podem ficar chocados, mas essa abordagem seria o início de um caminho que levaria a algumas soluções.

Todos os presidentes dos Estados Unidos tomam posse com a mão sobre a Bíblia. O costume começou com George Washington e continua até hoje. Então por que não abrir este grande livro e lê-lo? Em suas páginas está a resposta para a questão da maior ameaça à segurança nacional, e não apenas para os Estados Unidos, mas para qualquer outra nação da atualidade.

O estado moral da União

A maior ameaça para a segurança nacional é identificada facilmente na Bíblia. São seus pecados, meus pecados, e os pecados de nossa nação. A maior ameaça é o estado moral da União.

Vejamos Deuteronômio 28. Neste capítulo, um dos grandes líderes nacionais do passado, Moisés, ensejou a aliança ou pacto mais importante já feito para um povo soberano.

Quarenta anos antes, os pais desta geração estavam no Monte Sinai e fizeram um acordo com Deus para viver por Suas leis, os Dez Mandamentos, como base de seu governo civil e religioso. Nenhum outro documento entre as nações se aproxima da simplicidade, beleza e justiça incorporada nesta Carta Magna. Os israelitas prometeram obedecer e adorar a Deus, e Ele, por sua vez prometeu abençoa-los e protegê-los como Seu povo escolhido. "Todas as palavras que o SENHOR tem falado faremos", assim eles prometeram (Êxodo 24:3).

Agora, em Deuteronômio 28, Moisés repete os termos do acordo. Vejamos algumas das coisas que ele disse para elaborar algumas perguntas que são vitais para o mundo de hoje.

"E será que, se ouvires a voz do SENHOR, teu Deus, tendo cuidado de guardar todos os seus mandamentos que eu te ordeno hoje, o SENHOR, teu Deus, te exaltará sobre todas as nações da terra" (versículo 1).

Aqui está a promessa da segurança nacional — e não apenas para Israel, mas para qualquer nação que obedeça e adora o Deus de Abraão. Deus queria que Israel fosse o único país no mundo em que todos os outros seguissem como um exemplo piedoso.

Nenhuma outra nação era governada por Suas leis. Como a nação de Israel estivesse prosperando, por causa das bênçãos de Deus, então, ela começaria a atrair a atenção de outras nações que gostariam de imitá-la e ser abençoadas como estavam sendo os israelitas (Deuteronômio 4:5-9). Eles viriam para Israel para aprender o seu "segredo". Eles aprenderiam a fazer o que Israel estaria a fazer.

Continuando em Deuteronômio 28, versículo 2, diz: "E todas estas bênçãos virão sobre ti e te alcançarão, quando ouvires a voz do SENHOR, teu Deus".

Que tipo de bênçãos viria da obediência a Deus? A lista segue em Deuteronômio. Mas note como e por que essas bênçãos viriam — pela obediência à voz de Deus, aos Seus mandamentos e ensinamentos.

Hoje, a ideia de obediência a Deus, como parte do caráter de uma nação, parece muito arcaica e desatualizada. No entanto, o Estados Unidos foi fundado sobre claros princípios bíblicos. Como John Adams, segundo presidente dos Estados Unidos, disse: "Nossa Constituição foi feita somente para um povo moralista e religioso. Ela é totalmente inadequada para o governo de qualquer outra nação".

Os fundadores dessa nação compreenderam que a anuência aos Dez Mandamentos era uma maneira de fazer com que a Constituição dos Estados Unidos funcionasse dentro da sociedade. É verdade que os mandamentos não foram escritos nesse documento, mas não há dúvida de que seus autores, homens que liam a Bíblia, sabia que tipo de caráter moral era necessário para a nação prosperar. O caráter do povo tinha de ser formado pela lei espiritual de Deus.

A grande lei de Deus

Vamos fazer uma pausa momentânea e pensar sobre os Dez Mandamentos. É importante observar que eles são os "Dez Mandamentos" e não as "dez sugestões". Nenhuma outra grande lei como esta jamais foi dada, pela qual as pessoas podem ser regidas coletivamente ou pessoalmente. Tomado como um todo, eles são a base para uma forma de vida que pode criar um mundo justo e moral. Se cada um de nós se comprometesse a viver de acordo com essas leis e procurasse a ajuda de Deus para fazer isso, o mundo seria poderosamente transformado.

Você precisa olhar para o que essas leis significam e torná-las parte positiva e produtiva de sua vida. A obediência a essas leis é o âmago da segurança de uma nação. E em Deuteronômio nos é dito sobre as bênçãos prometidas pela obediência aos mandamentos. Veja a semelhança com algumas das questões críticas que essa nação enfrenta hoje:

"Bendito serás tu na cidade e bendito serás no campo. Bendito o fruto do teu ventre [isto é, os filhos], e o fruto da tua terra, e o fruto dos teus animais, e a criação das tuas vacas, e os rebanhos das tuas ovelhas. Bendito o teu cesto e a tua amassadeira. Bendito serás ao entrares e bendito serás ao saíres" (versículo 3-6).

Esta seção descreve dois resultados gerais e específicos de uma estrutura social enraizada na lei espiritual de Deus. O versículo 3 está falando sobre uma vida boa e satisfatória para todos. E descreve um ambiente pacífico e tranquilo, onde as pessoas podem prosseguir com a vida, a liberdade e a felicidade. Pense sobre isso.

Na Declaração de Independência dos Estados Unidos está escrito: "Consideramos estas verdades como evidentes por si mesmas, que todos os homens são criados iguais, que são dotados pelo Criador de certos direitos inalienáveis​​, que dentre estes estão a vida, a liberdade e a busca da felicidade".

Isso é exatamente o que Deus prometeu aqui na Bíblia. Ele mostra o caminho para uma vida feliz, onde as pessoas possam trabalhar e proporcionar uma boa vida para sua família.

E isso começa com uma sólida base moral alicerçada na lei espiritual de Deus. Pergunte a si mesmo o que é que você quer da vida. Se você é como a maioria das pessoas, você quer uma boa saúde e uma vida feliz — uma vida de paz e longe de qualquer tipo de medo. Você quer viver livre do medo e da culpa — livre de todas as inseguranças pessoais e particulares que advêm da experiência humana. Você quer ser feliz!

Aprendi isso uma vez numa sessão de aconselhamento com uma pessoa que estava lutando contra os demônios de uma vida verdadeiramente infeliz. "Tudo que eu quero dessa vida é ser feliz", esta pessoa gritou na minha cara. "Eu só quero que Deus ou alguém afaste de mim a tristeza e me faça feliz!".

Em seguida, o que eu aprendi foi que nem eu nem ninguém podemos fazer uma pessoa feliz sem que ela ande primeiramente com Deus, ou seja, de acordo com o acordo este descrito aqui em Deuteronômio: "Se ouvires a voz do SENHOR, teu Deus".

O caráter moral afeta a segurança nacional

O versículo 7 passa a afirmar que uma das bênçãos por obedecer a Deus será a seguinte: "O SENHOR entregará os teus inimigos que se levantarem contra ti feridos diante de ti; por um caminho sairão contra ti, mas por sete caminhos fugirão diante de ti".

Esta promessa aborda diretamente a segurança de uma nação contra seus inimigos. No mundo violento e conturbado do século passado, os Estados Unidos foi um defensor e garantidor da liberdade para muitas nações. Por duas vezes no século XX, os soldados norte-americanos foram para a Europa para ajudar a libertar o continente. Durante a Guerra Fria, o exército norte-americano deteve a propagação do autoritarismo soviético. Hoje, a Marinha dos Estados Unidos protege os mares e permite a prosperidade do comércio mundial.

No entanto, o terrorismo continua corroendo a segurança mundial. As ameaças de armas nucleares no Médio Oriente são uma sombra de medo sobre o mundo.

O que está por trás do contínuo conflito no mundo e a maldade que leva à guerra e ao sofrimento? Existe uma causa mais profunda destes problemas que estaríamos dispostos a admitir?

Se uma nação obedece à lei de Deus, Ele garante que seus inimigos irão fugir dela por sete caminhos. Isso acontece hoje, quando vemos os terroristas atacando impunemente a diplomatas norte-americanos na Líbia? Obviamente que não.

O que Deus está dizendo aqui é que o caráter moral de um povo está diretamente ligado à sua segurança nacional. Ele está dizendo que você e eu temos algo a ver com a segurança da nossa nação. Isso mesmo — o seu caráter, o caráter de seu vizinho e de todos onde você mora afeta a paz e a segurança de seu país. É hora de conversar abertamente sobre isso e já é tempo de todos nós enfrentarmos nossa responsabilidade individual diante de nosso Criador.

O caráter conta muito

Há uma história a partir do sétimo capítulo do livro bíblico de Juízes que ilustra a responsabilidade pessoal que cada um de nós carrega. Você provavelmente está familiarizado com a história de Jericó, talvez se lembre da canção popular sobre o líder israelita Josué e sua famosa batalha que terminou em vitória para o povo israelita de Deus — quando "os muros vieram abaixo". Mas o que a maioria não sabe é sobre a próxima cena da história.

Josué enviou uma força reduzida de homens contra outra cidade menor, chamada Ai. Mas em vez de uma vitória fácil, esta força de ataque foi emboscada, trinta e seis soldados foram mortos e todos eles correram para o campo com medo, seus corações estavam derretendo como água. O que era esperado ser uma vitória fácil se transformou em um desastre humilhante.

Josué e seus conselheiros ficaram desanimados e com medo. "Como isso pôde acontecer?". Eles se perguntavam. "Nós estamos em maior número e somos mais fortes. Como poderíamos ser derrotados?". Eles certamente deveriam saber como lidar com esta grande ameaça à sua segurança.

A resposta não estava em sua força militar. O problema estava no caráter moral do povo. Deus permitiu esta derrota para expor um pecado que, se continuasse escondido e não fosse revelado, contaminaria toda a nação por gerações. Deus tinha que expô-lo prontamente e ali, e, nesta história, encontramos uma lição preocupante para nós hoje. A segurança nacional de seu país está em jogo se essa lição não nos impressionar e se não a levarmos a sério.

Mas o que seria isso? Que pecado era este que ameaçava a Israel?

Era o pecado do roubo — a transgressão do sétimo mandamento, "Não furtarás" (Êxodo 20:15). Um homem chamado Acã tinha violado as regras de guerra de Deus e roubou ouro e outras coisas das ruínas de Jericó, indo contra a ordem expressa de Deus para queimar e destruir a cidade e tudo que estiver nela.

Acã tinha encontrado um tesouro e, quando ninguém estava olhando, tomou para si e escondeu dentro em sua barraca. Ninguém sabia que ele tinha aqueles objetos de valor. Mas Deus sabia. E Deus não ía deixar que o pecado da ganância e do roubo se enraizasse neste momento entre as pessoas.

Você poderia até dizer que isso não é justo, pois quase todo mundo já roubou alguma coisa e ninguém é perfeito. Bem, você estaria quase certo — realmente muitas pessoas já roubaram alguma coisa, mesmo que seja algo pequeno. E é por isso que esta história está na Bíblia. Há uma lição importante para aprendermos sobre nossa própria conduta.

O pecado — a violação da lei espiritual de Deus, os Dez Mandamentos — está entrelaçado na estrutura social de todas as nações do mundo. Devido a isso, vemos um mundo em conflito e sofrendo as consequências da transgressão da lei. Deus deseja um povo que possa reivindicar honrá-Lo e representá-Lo em um padrão baseado nesta lei.

A história do pecado oculto de Acã e a história de Deus retendo Sua bênção sobre o povo nos ensina exatamente o que lemos em Deuteronômio: Honra e obedeça a Deus, e os seus inimigos fugirão por sete caminhos. Desobedeça, desonre e ignore a Sua lei, pretendendo ser alguém importante que você não é, e o resultado será sofrimento, confusão e ameaças. Você e eu temos um papel a desempenhar na segurança nacional do nosso país.

O que tudo isso significa para você?

Deus tem uma pergunta para você. Você vai parar de pecar? Você vai começar a obedecer aos Dez Mandamentos e todos os caminhos de Deus a partir de hoje?

Estas perguntas atingem o âmago da questão perante cada um dos profetas da Bíblia, começando com o profeta Moisés, que escreveu Deuteronômio. Cada um de nós tem uma responsabilidade diante de Deus para viver por Suas leis. Elas são o âmago para todo o bem que gostaríamos de ter na vida e também para nossa nação.

Qual é a maior ameaça para a segurança dos Estados Unidos, do Brasil, de Portugal, e das outras nações do mundo? É o caráter moral das pessoas! É o tipo de pessoas que vamos decidir ser perante o Criador e Juiz do mundo.

Nosso caráter nacional e a fibra moral do povo determinam as bênçãos e proteção de Deus. O Estados Unidos têm o potencial para serem um grande e bondoso povo, mas precisam se examinar cuidadosamente à luz da lei de Deus. Mas, o Estados Unidos é realmente uma nação sob a guia de Deus? E o Brasil? E Portugal? E o Estado de Israel ou qualquer outra nação da Terra? Estas são as perguntas bíblicas para o [a] presidente, para todos os líderes de nações e para você.

Se um país coloca em sua moeda a declaração: "Em Deus Confiamos" [o que é o caso do dólar dos Estados Unidos], mas recusa-se a obedecer ou confiar em Deus, então como pode esperar que Ele oferecesse a Sua graciosa bênção e proteção? É outra pergunta bíblica para o [a] presidente e para você.

Os problemas listados pelos líderes dos Estados Unidos como ameaças à segurança nacional são apenas sintomas de um problema maior. O caráter moral da nação tem sido mutilado por não ter seguido a base do pacto com Deus, como descrito em Deuteronômio. A promessa de Deus para dar segurança nacional caso O seguissem é a única base válida para a relação entre Deus e qualquer nação, e em qualquer época da história. Transgrida seus termos e haverá consequências. Não é à toa que vemos tantas ameaças à segurança nacional e pessoal.

Mais uma vez, a maior ameaça para a segurança nacional dos Estados Unidos, ou do Brasil, ou de Portugal, é a sua condição moral e espiritual diante de Deus. Quando violamos os Seus mandamentos e os termos deste acordo, há consequências.

Estamos nos aproximando rapidamente de um tempo em que cada nação terá que enfrentar esse problema. Mas eu e você não temos que continuar neste caminho perigoso que o mundo está tomando. Nós podemos dar mudar o caminho de nossas vidas hoje mesmo, buscando e obedecendo a Deus para desfrutar das grandes bênçãos prometidas por Ele!