Ajuda para hoje, esperança para amanhã 

Martinho Lutero: A Reforma Inacabada

Você está aqui

Martinho Lutero: A Reforma Inacabada

Login or Create an Account

With a UCG.org account you will be able to save items to read and study later!

Sign In | Sign Up

×

Segundo a tradição popular, em 31 de outubro de 1517 um monge católico relativamente desconhecido chamado Martinho Lutero publicou suas noventa e cinco teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg, Alemanha.

A intenção de Lutero era que seu trabalho, escrito em latim, fosse lido por padres e monges. As noventa e cinco teses eram sobre mudanças que ele sentia ser necessárias na Igreja Católica. Pouco tempo depois, as teses de Lutero foram traduzidas para o alemão, e vários clérigos e leigos começaram a concordar com ele.

O que ele não sabia era que esse simples ato provocaria uma revolução que abalaria o poder da Igreja Católica sobre a vida espiritual da Europa. Dentro de alguns anos, o cristianismo ocidental se dividiria em ramos concorrentes. O mundo nunca mais seria o mesmo.

O medo medieval do inferno e do purgatório

No centro do pensamento teológico da Idade Média reinava o terror absoluto de ir ao inferno. A salvação foi introduzida à humanidade através de Jesus Cristo, mas pessoas piedosas viviam atormentadas pela ideia do que iria acontecer com elas se seus pecados não fossem totalmente purificados nesta vida?

Morrer enquanto ainda estivesse em “pecado mortal” era algo aterrador. Um moribundo poderia acabar sendo atormentado eternamente por demônios se um sacerdote não estivesse presente para realizar os últimos ritos para ele.

E ainda havia o problema dos pecados veniais — que não levavam à condenação eterna, mas que requeriam punição. Para lidar com esse problema, a igreja medieval ficou obcecada com o conceito de purgatório.

A igreja católica ensinava que o purgatório era aonde os cristãos iriam após a morte. Esse lugar não era o inferno, onde o eterno condenado não tinha esperança de escapar, mas era um lugar de angústia inimaginável, onde as almas dos cristãos enfrentavam punição e purificação. Você pode imaginar a ansiedade experimentada pelos fiéis católicos medievais obcecados com o pensamento de que seus entes queridos se encontravam num tortuoso plano de existência, esperando serem libertados para se juntar a Jesus e aos santos no céu.

A Igreja Católica ensinou que havia algo que os vivos poderiam fazer. Nos dias de Lutero, a igreja de Wittenberg tinha vários altares laterais, onde os sacerdotes realizavam uma missa privada. As pessoas pagavam por esses sacramentos com o intuito de diminuir o tempo de seus entes queridos no purgatório.

Outras práticas incluíam a venda de “indulgências”. Uma indulgência era uma promessa da igreja de que, quando uma pessoa pagava certa quantia de dinheiro à igreja, ela poderia reduzir a quantidade de tempo que um ente querido passava no purgatório. Uma pessoa poderia até comprar uma indulgência para si mesmo — uma espécie de cartão de débito espiritual.

A venda de missas e indulgências deixou a Igreja Católica Romana extremamente rica. Um dos temas que Lutero atacou em suas teses foi a venda de indulgências. E isso representou um golpe em toda a base econômica da Igreja Católica, ou seja, a maneira como o Vaticano financiava os projetos de construção e manutenção do poder militar.

Um monge desconhecido confronta o papa

A princípio, Lutero nunca teve a intenção de se juntar ao clero, mas um evento dramático mudou o curso de sua vida. Quando jovem, ele quase foi atingido por um raio. Na época, a maioria das pessoas acreditava que o relâmpago era causado por demônios. A ideia de morrer repentinamente sem receber os últimos ritos sacramentais era aterrorizante para ele. Na mente de Lutero, sua alma poderia se perder para sempre.

Lutero foi para um mosteiro, onde fez um voto de castidade e pobreza, recebeu um doutorado em teologia e foi ordenado sacerdote. Seus dias eram preenchidos com orações, cerimônias, abnegação e estudos religiosos. Mas ele lutava com o conceito de pecado e como uma pessoa poderia ser aceita por Deus. Ele estava atormentado pela culpa, pela depressão e por uma sensação de autorrepúdio. Ele concluiu que Deus perdoaria apenas um pecador que estava consumido pela autodepreciação.

Em 1511, Lutero viajou para Roma. Não demorou muito para que o monge idealista começasse a sentir uma grande decepção. Ele ficou chocado com a forma como os sacerdotes apressavam uma missa para receber logo o pagamento da próxima. Ele ficou desiludido com a opulência e a imoralidade que testemunhou no sacerdócio.

Havia uma escada em Roma que representava os passos de Jesus subindo para aparecer diante de Pôncio Pilatos. Lutero queria ajudar seu avô a ficar menos tempo no purgatório, então ele pagou uma indulgência e subiu os degraus, detendo-se em cada degrau para beijá-lo e fazer uma oração. Mais tarde, quando alcançou o topo dos degraus, ele disse que se perguntou se alguma coisa naquele ritual era verdade.

O monge, que pensava que o caminho para chegar a Deus era através da autodepreciação e das cerimônias, agora estava atormentado com dúvidas sobre os ensinamentos de sua igreja. E isso o levou a mudar suas crenças.

Após suas teses, Lutero, escritor prodigioso, escreveu alguns livros que se tornaram populares e Roma começou a tomar conhecimento disso. E um deles que chamou muito a atenção tinha como título O Cativeiro Babilônico da Igreja , publicado em 1520. Nesta obra, Lutero afirmou que o papado era o anticristo.

O papa condenou os escritos de Lutero e ordenou que seus livros fossem queimados. Lutero respondeu ateando fogo publicamente no decreto do papa. No ano seguinte, Lutero foi chamado antes que o imperador alemão e a Dieta de Worms fossem condenados como hereges. O monge desconhecido agora estava famoso.

Outros atos revolucionários

O monge proscrito fugiu para o castelo de Wartburg. E foi ali, entre 1521 e 1522, que Lutero traduziu o Novo Testamento do grego para o alemão.

Em nosso mundo de livros e acesso instantâneo a informações através da Internet, é difícil entender o quanto foi extraordinário para Lutero completar essa tradução. Por mais de mil anos, a Igreja Católica manteve o poder eclesiástico assegurando-se de que a Bíblia não foi traduzida para os idiomas comuns. O estudo da Bíblia era reservado principalmente para monges e sacerdotes em latim ou nos idiomas originais, hebraico e grego. Até mesmo a missa regular, o serviço de culto cotidiano, centrado na eucaristia ou no rito da comunhão, ministrada em latim. Isso significava que a maioria das pessoas na cristandade nem compreendia as palavras proferidas nas missas.

Através de um novo método de impressão, os apoiadores de Lutero publicaram muitas cópias do Novo Testamento. Agora, era possível que pessoas alfabetizadas de toda a Alemanha tivessem uma cópia das Escrituras em sua própria língua.

No ano seguinte, Lutero fez algo mais chocante para o mundo católico. Apesar de seu voto sacerdotal de celibato, Lutero se casou. E ele não se casou com uma simples garota — ele casou-se com uma ex-freira!

A discordância de Lutero com o livro de Tiago

O legado mais duradouro de Lutero é o seu ensinamento de que a justificação, realizada diretamente diante de um Deus justo, ou seja, somente pela fé.

Uma passagem fundamental para o seu ensinamento foi a de Romanos 3:23-26 Romanos 3:23-26 23 Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; 24 sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, 25 ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; 26 para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus.
Almeida Atualizada×
, onde o apóstolo Paulo escreve: “Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no seu sangue, para demonstração da sua justiça por ter ele na sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e também justificador daquele que tem fé em Jesus”.

Paulo apresenta aqui a boa nova de que nossos pecados são perdoados pelo sacrifício de Jesus Cristo, que morreu em nosso lugar por causa de nossos pecados. Uma vez que nenhuma obra humana pode ganhar o perdão de Deus, então somos justificados quando temos fé na promessa de Deus e aceitamos o sacrifício que Cristo fez por nós.

Lutero concluiu que para ser justificado somente é preciso crer em Cristo e nada mais. Ele apontou para os escritos de Paulo em Romanos, onde Deus prometeu que os descendentes de Abraão seriam tão numerosos como as estrelas no céu, embora Abraão e Sara, sua esposa, não tivessem filhos e já tinham passado da idade fértil. Lutero observou que Paulo citou isso de uma passagem de Gênesis, que afirmava: “E creu Abrão no SENHOR, e o SENHOR imputou-lhe isto como justiça” (Gênesis 15:6 Gênesis 15:6E creu Abrão no Senhor, e o Senhor imputou-lhe isto como justiça.
Almeida Atualizada×
, citado em Romanos 4:3 Romanos 4:3Pois, que diz a Escritura? Creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça.
Almeida Atualizada×
).

Para Lutero, esse era um assunto encerrado: Creia e você será justificado. Uma vez justificado, você está salvo. E uma vez salvo, você continua salvo independente de qualquer influência de obras — boas ou más .

Mas Lutero tinha um problema. No Novo Testamento, o livro de Tiago ensina que é necessário algo mais para ser justificado do que somente crer. Tiago, o meio-irmão de Jesus Cristo, escreveu: “Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma. Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o creem, e estremecem. Mas queres saber, ó homem vão, que a fé sem as obras é estéril?” (Tiago 2:17-20 Tiago 2:17-20 17 Assim também a fé, se não tiver obras, é morta em si mesma. 18 Mas dirá alguém: Tu tens fé, e eu tenho obras; mostra-me a tua fé sem as obras, e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. 19 Crês tu que Deus é um só? Fazes bem; os demônios também o crêem, e estremecem. 20 Mas queres saber, ó homem vão, que a fé sem as obras é estéril?
Almeida Atualizada×
).

Em seu Prefácio às Epístolas de São Tiago e São Judas , na edição do Novo Testamento de 1522, Lutero afirmou que o escritor da carta de Tiago estava “em oposição direta a São Paulo e a todo o resto da Bíblia, ao atribuir a justificação por obras…” ( Martinho Lutero: Seleções de Seus Escritos , John Dillenberger, ed., 1962, página 35).

Mas Lutero não ficou incomodado apenas com isso que Tiago escreveu. Tiago também escreveu: “Porventura não foi pelas obras que nosso pai Abraão foi justificado quando ofereceu sobre o altar seu filho Isaque? Vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada; e se cumpriu a escritura que diz: E creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, e foi chamado amigo de Deus. Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé” (Tiago 2:21-24 Tiago 2:21-24 21 Porventura não foi pelas obras que nosso pai Abraão foi justificado quando ofereceu sobre o altar seu filho Isaque? 22 Vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada; 23 e se cumpriu a escritura que diz: E creu Abraão a Deus, e isso lhe foi imputado como justiça, e foi chamado amigo de Deus. 24 Vedes então que é pelas obras que o homem é justificado, e não somente pela fé.
Almeida Atualizada×
).

Lutero achava que Paulo e Tiago eram incompatíveis. “Somente as Escrituras”, este era um dos princípios norteadores de Lutero, mas agora ele lutava com as Escrituras quando não as compreendia. Por fim, ele rotulou a epístola de Tiago como “uma epístola de palha”, que não permaneceria se “atirada… na fornalha”, e escreveu que duvidava que realmente ela pertencesse à Bíblia ( Obras de Lutero , E.T. Bachmann, ed., 1960, vol. 35, p. 362 e vol. 34, p. 317).

Paulo e Tiago são incompatíveis?

Lutero acreditava que Paulo e Tiago estavam promovendo dois modos diferentes e incompatíveis de justificação. Mas isso é verdade?

A resposta está na forma como ambos os escritores usavam o exemplo de Abraão. Paulo estava escrevendo à igreja em Roma para explicar como judeus e gentios podem ter um relacionamento com Deus. Ambos são justificados pela graça de Deus e pela fé na obra de Cristo. Paulo ensina claramente que ninguém pode ganhar o favor de Deus por causa de suas boas obras. Abraão foi justificado porque acreditou nas promessas de Deus.

Tiago, no entanto, estava lidando com um problema um pouco diferente. Tiago estava abordando a ideia errônea de que a mera crença significava uma fé viva. Lembre-se, ele escreveu que Satanás e os demônios acreditam em Deus e temem Seu incrível poder e glória. Tiago deixou claro que nossa fé deve ser muito mais do que a mesma crença de Satanás! A fé envolve confiar completamente em Deus e essa confiança nEle é uma motivação para a obediência.

Reflita no argumento de Tiago. Abraão creu na promessa de Deus de que seu filho Isaque lhe daria descendentes. Entretanto, Deus ordenou a Abraão que sacrificasse seu filho. No mínimo, a promessa de Deus e a ordem para demonstrar obediência pareciam inconsistentes.

E se Abraão dissesse a Deus: “Eu creio em sua promessa de que vai me dar descendentes através de Isaque, mas isso não vai acontecer se eu sacrificá-lo, portanto, eu decidi desobedecê-Lo. Mas mesmo assim ainda acredito em sua promessa!”.

Tiago argumentou que se Abraão se recusasse a obedecer a Deus, então sua crença não teria sido uma fé real. Se uma pessoa realmente confia em Deus, suas ações serão baseadas nessa confiança.

Não podemos apagar nossos próprios pecados ou impressionar a Deus o suficiente para ganhar a salvação. Também não podemos também cair na armadilha de pensar que Deus somente exige que creiamos nEle. A fé deve se submeter à obra de Deus em nós. Nesta submissão, a verdadeira fé viva produz obras. Paulo está correto ao ensinar que os seres humanos não podem ganhar a justificação, mas devem ter fé em Cristo. Tiago também está correto ao ensinar que a fé sem obras é morta — inútil e vazia porque não muda a pessoa.

Ademais, o próprio Paulo disse que “serão justificados os que praticam a lei” (Romanos 2:13 Romanos 2:13Pois não são justos diante de Deus os que só ouvem a lei; mas serão justificados os que praticam a lei
Almeida Atualizada×
) — isto é, fazer o que é certo diante de Deus. Devemos entender que, primeiro, nós recebemos a justificação de Deus quando nos arrependemos, independentemente de qualquer ação de obediência (Romanos 3:28 Romanos 3:28concluímos pois que o homem é justificado pela fé sem as obras da lei.
Almeida Atualizada×
). Mas permanecer justificado ante Deus está condicionado a continuar a obedecê-Lo ativamente. Aqui não há nenhuma contradição.

Os resultados inesperados da revolução

Parece que, depois de se casar, Lutero pensou que poderia finalmente se estabelecer para pastorear e desfrutar da vida em família. Entretanto, a ruptura com Roma trouxe outras consequências graves.

Cada vez mais protestantes começaram a opôr-se à Igreja Católica. Embora a maioria compartilhasse de muitas das interpretações bíblicas de Lutero, eles também discordaram de uma série de assuntos importantes. Temas como o batismo infantil, a predestinação, a condição dos mortos e o livre arbítrio suscitariam um debate acalorado entre os reformadores enquanto o movimento se espalhava por toda a Europa e se dividia em diferentes grupos.

O principal reformador passaria seus últimos anos não apenas se defendendo contra Roma, mas também atacando outros protestantes com a mesmo disposição que investia contra os católicos.

O movimento que ele iniciou levou a mais de um século de conflitos entre católicos e protestantes — e a morte de milhões em guerras, massacres, genocídios, fome e doenças, e tudo isso cometido em nome de Deus.

A revolução incompleta

Martinho Lutero expôs a avareza, a escravidão cerimonial da pessoa comum e alguns dos dogmas antibíblicos do catolicismo. Ele se levantou contra um sistema religioso que interpretava erroneamente as Escrituras e as utilizava de forma abusiva. Esse foi um despertar que desencadeou a Reforma Protestante.

Mas será que esse movimento de Lutero foi assim tão bom? Cinco séculos depois que Lutero apresentou as noventa e cinco teses, é hora de os protestantes examinarem se seus ensinamentos não passam de uma versão diluída e corrompida do que realmente ensina a Bíblia. Será que a ideia de que crer é o bastante para a salvação não teria levado muitas pessoas a usar a graça de Deus como uma licença para pecar?

Quantas vezes muitos cristãos usaram essa desculpa para viverem com um parceiro, namorado ou namorada, sem se casar, desprezando um dos Dez Mandamentos, ou vivendo um estilo de vida como o de qualquer descrente e se apoiando neste argumento: “Eu sou justificado sem obras; Eu sou salvo pela graça; Deus me ama do jeito que eu sou”?

Essa maneira de pensar nada mais é do que usar a graça de Deus como uma licença para pecar. Mas isso acarreta sérias consequências. Jesus faz a seguinte advertência no Sermão da Montanha:

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade” (Mateus 7:21-23 Mateus 7:21-23 21 Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. 22 Muitos me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? e em teu nome não expulsamos demônios? e em teu nome não fizemos muitos milagres? 23 Então lhes direi claramemnte: Nunca vos conheci; apartai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade.
Almeida Atualizada×
).

Paulo e Tiago não se contradizem em suas declarações sobre a fé e as obras. Ao combinar os ensinamentos desses escritores inspirados, vemos que a fé viva é muito mais do que uma simples crença. Ela é a completa e total sujeição da vontade e do corpo, do coração e da mente, dos pensamentos e das obras à soberania e ao poder de Deus em nós.

Quando uma pessoa entrega sua vontade a Deus e, pela fé, aceita a Jesus Cristo como seu Salvador e Mestre pessoal, então Deus o capacitará a fazer boas obras. E a pessoa deve fazer isso, “combatendo contra o pecado” (Hebreus 12:4 Hebreus 12:4Ainda não resististes até o sangue, combatendo contra o pecado;
Almeida Atualizada×
), para continuar justificado diante de Deus. Mas, se pecar, ela deve se arrepender novamente, confiando na fé e no genuíno compromisso. 

A salvação é mais do que o perdão de Deus. A salvação é a obra de Deus nos seres humanos para criar filhos divinos. Como Paulo escreveu em 2 Coríntios 6:18 2 Coríntios 6:18e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.
Almeida Atualizada×
: “Eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso”. Nós participamos de Sua obra enquanto nos submetemos fielmente a obra dEle em nós.

O mundo precisa desesperadamente de um despertar espiritual. Precisamos regressar à Bíblia, respeitando a Palavra de Deus como nosso guia. Pegue esse livro com devoção e peça orientação a Deus. Permita que a revolução espiritual comece com você!


O Ódio de Martinho Lutero Contra os Judeus

Martinho Lutero era um homem complicado. Seus escritos contra aqueles que ele considerava inimigos do evangelho estão cheios de declarações odiosas. Frequentemente, ele escrevia que aqueles que se lhe opunham estavam defendendo o próprio diabo. E ele escreveu um livro que teve um impacto, particularmente, horrível na história — tanto na época quanto nos séculos seguintes.

No início de seu sacerdócio, Lutero encorajava os cristãos a serem amigáveis com os judeus. Ele acreditava que eles precisavam ouvir o evangelho de Jesus Cristo. Ele mesmo escreveu um livro intitulado Jesus Cristo Nasceu Judeu .

Ele pensava que depois de revelar as falsidades do catolicismo romano e mostrar para os judeus, nas Escrituras hebraicas, que Jesus é o Messias profetizado, então eles obviamente veriam a luz, se converteriam e se juntariam à igreja reformada (apesar de séculos de perseguição em nome de Cristo). Mas quando não se converteram como esperado, Lutero atacou sua religião com um chamado à violência.

O ataque de Lutero aos judeus não foi por causa de sua raça. O livro que ele escreveu contra eles foi intitulado Os judeus e Suas Mentiras . Seu ataque foi porque ele encarou a atitude dos judeus como uma negação a Cristo. Ele os via como blasfemos e uma ameaça ao cristianismo. Ele argumentava que a única maneira de lidar com essa ameaça era expulsando-os da Alemanha.

Em seu livro, ele estimulava as pessoas a atearem fogo em suas sinagogas e escolas judaicas e argumentava que seus escritos deveriam ser confiscados. E que os rabinos deveriam ser proibidos de ensinar. Além disso, ele encorajava aos cristãos a expulsarem os judeus de seus bairros.

De forma alguma, o antissemitismo lamentável de Lutero era justificável ou bíblico. Seu desejo de erradicar os judeus da Alemanha seria seguido pelos nazistas séculos mais tarde, como parte de sua propaganda, resultando em crimes hediondos contra a humanidade, inclusive o genocídio.

A seguir estão algumas infames declarações de seu livro Os Judeus e Suas Mentiras :

“… Expulse-os para sempre deste país. Pois, como ouvimos, a ira de Deus é contra eles e é tão intensa que ter misericórdia só tenderá a piorar e muito, enquanto a misericórdia afiada os reformará, mas pouco. Portanto, em qualquer caso, fora com eles!”

“Além disso, deixamos que eles se tornem ricos à custa de nosso suor e sangue, enquanto permanecemos pobres eles sugam o tutano de nossos ossos”.

“Em suma, meus queridos e nobres senhores, se o meu conselho não for o certo, apresentem outro melhor, para que todos nós não sejamos culpados perante Deus de nada termos feito contra este fardo diabólico dos judeus… para tirar deles toda proteção, todas as garantias…”

“Como dizem os profetas, não podemos apagar o eterno fogo da ira divina, nem podemos converter os judeus. Devemos rezar com fervor, praticar a piedade e o bom exemplo, na esperança de converter pelo menos alguns deles”.

“Como eu disse anteriormente, esse é meu conselho: Primeiro, que suas sinagogas sejam queimadas, e que todos possam lançar nelas enxofre e piche; seria bom se alguém também pudesse lançar nela algum fogo do inferno. Isso demonstraria a Deus a nossa séria determinação e provaria para todo o mundo que seria ignorância tolerarmos tais moradias, onde os judeus criticam Deus, nosso querido Criador e Pai, e seu Filho, de forma vergonhosa, mas por isso agora lhes damos a devida recompensa”.

“Eu desejo e peço que nossos governantes que têm em sujeição aos judeus exerçam uma misericórdia acurada para com essas pessoas miseráveis, como sugeri acima, para ver se isso talvez as ajude (embora seja duvidoso). Eles devem agir como um bom médico que, quando a gangrena se instala, procede impiedosamente sua amputação, sendo queimado carne, veias, ossos e medula. Esse procedimento também deve ser seguido nesta instância. Queime suas sinagogas, proíba tudo o que eu mencionei antes, force-os a trabalhar e sejam duros com eles… Seria errado ser misericordioso e permitir a conduta deles. Se isso não ajudar, devemos expulsá-los como cães loucos, para que não nos tornemos participantes da sua abominável blasfêmia e de todos os outros vícios e, portanto, merecedores da ira de Deus e condenados junto com eles”.

( Obras de Lutero , E.T. Bachmann, ed.1971, vol. 47, pp. 268-293. Leia mais em “ Lutero Seguiu O Antigo Antissemitismo Católico “).