Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

A Bíblia Contém Erros?

A Bíblia Contém Erros?

Muitas vezes, a resposta depende da visão do observador. Para aqueles determinados a destruir a pouco a pouco as Escrituras, sim, ela contém erros e nenhuma resposta vai satisfazê-lo. Para outros, porém, um estudo cuidadoso e paciente normalmente resolve quaisquer problemas.

Como observou o escritor Josh McDowell ao explicar sobre a Bíblia: “É um erro para o crítico pressupor . . . que o que ainda não foi explicado nunca será explicado. Quando um cientista se depara com uma anomalia na natureza, ele não desiste de aprofundar-se na exploração científica. Ao contrário, ele usa o inexplicável como uma motivação para encontrar uma explicação . . .”.

“Da mesma forma, o estudioso cristão se aproxima da Bíblia com a mesma presunção de que o que está sem explicação não é, por isso, inexplicável. Ele ou ela não assume que as discrepâncias sejam contradições. E quando se depara com algo para o qual ele não tem explicação, simplesmente ele continua pesquisando e acreditando que um dia acabará encontrando essa explicação . . .”

“Como seu contraparte cientista, o estudante da Bíblia tem sido recompensado por sua fé e pesquisa. Muitas dificuldades, para as quais aqueles estudiosos não tinham respostas, foram explicadas pela incansável busca de respostas da história, da arqueologia, do estudo linguístico e por outras disciplinas. Por exemplo, os críticos, tinham proposto que Moisés não poderia ter escrito os cinco primeiros livros da Bíblia porque não havia escrita em seus dias. Agora sabemos que a escrita existia a uns mil anos ou mais antes de Moisés”.

Da mesma forma, os críticos acreditavam que a Bíblia estava errada ao falar do povo hitita, já que eles eram totalmente desconhecidos dos historiadores. Agora, os historiadores sabem de sua existência por meio de uma biblioteca hitita encontrada na Turquia. Isso nos dá confiança para acreditar que as dificuldades bíblicas ainda não explicadas têm uma explicação e não precisamos supor que existe um erro na Bíblia” (A Nova Evidência que Exige um Veredito[The New Evidence That Demands a Verdict], 1999, págs. 46-47).

Contradições nos Evangelhos?

Com exemplo de solução de supostas contradições, vamos considerar como os quatro Evangelhos registram as palavras que Pôncio Pilatos, governador romano, ordenou ser colocadas acima da cabeça de Jesus na Sua crucificação.

Mateus 27:37 Mateus 27:37Puseram-lhe por cima da cabeça a sua acusação escrita: ESTE É JESUS, O REI DOS JUDEUS.
Almeida Atualizada×
diz: “ESTE É JESUS, O REI DOS JUDEUS”.

Marcos 15:26 Marcos 15:26Por cima dele estava escrito o título da sua acusação: O REI DOS JUDEUS.
Almeida Atualizada×
diz, “O REI DOS JUDEUS”.

Lucas 23:38 Lucas 23:38Por cima dele estava esta inscrição [em letras gregas, romanas e hebraicas:] ESTE É O REI DOS JUDEUS.
Almeida Atualizada×
diz: “ESTE É O REI DOS JUDEUS”.

João 19:19 João 19:19E Pilatos escreveu também um título, e o colocou sobre a cruz; e nele estava escrito: JESUS O NAZARENO, O REI DOS JUDEUS.
Almeida Atualizada×
declara: “JESUS NAZARENO, REI DOS JUDEUS”.

À primeira vista, poderia parecer que nenhum dos autores copiou corretamente as palavras da placa. Mas, quando lemos cada relato, vemos que cada um acrescenta um pouco mais de informações ao resto. De João descobrimos que Pilatos escreveu a mensagem. De Lucas temos informações adicionais sobre o motivo dessas palavras serem diferentes: A inscrição original foi escrita em três idiomas, grego, latim e hebraico (Lucas 23:38 Lucas 23:38Por cima dele estava esta inscrição [em letras gregas, romanas e hebraicas:] ESTE É O REI DOS JUDEUS.
Almeida Atualizada×
).

Assim, a variação da mensagem logicamente é devida às três línguas utilizadas, bem como o ponto de vista diferente de cada biógrafo, sublinhando aspectos ligeiramente diferentes da vida e do ministério de Cristo. E juntando-se a mensagem dos diferentes relatos, vemos que a mensagem completa gravada nas placas era “Este é Jesus Nazareno, o rei dos judeus”.

Nenhum dos relatos do Evangelho se contradiz, pois eles se complementam para fornecer uma melhor compreensão. Uma ferramenta útil para estudar a vida e o ministério de Cristo é o livro Harmonia dos Evangelhos [A Harmony of the Gospels] por A.T. Robertson, que fornece os quatro relatos do Evangelho lado a lado, em ordem cronológica.

Outras aparentes contradições na Bíblia estão relacionadas com horas e datas. Um exemplo disso é fato de Israel ter usado um calendário civil e um sagrado. O ano civil começava no Outono com o mês de Tishri, enquanto o ano sagrado começava na primavera com o mês de Nisã ou Abibe. Quando dois escritores pareciam discordar quanto ao momento de um evento particular, a aparente discrepância poderia ser esclarecida ao determinar qual dos dois calendários que estão usando.

Em outra questão sobre o tempo, João 19:14 João 19:14Ora, era a preparação da páscoa, e cerca da hora sexta. E disse aos judeus: Eis o vosso rei.
Almeida Atualizada×
, parece discordar de Mateus 27:45 Mateus 27:45E, desde a hora sexta, houve trevas sobre toda a terra, até a hora nona.
Almeida Atualizada×
. João descreveu os eventos que ocorreram antes da crucificação e afirma que estes ocorreram perto da “hora sexta”. E Mateus está de acordo com Marcos 15:33 Marcos 15:33E, chegada a hora sexta, houve trevas sobre a terra, até a hora nona.
Almeida Atualizada×
e Lucas 23:44 Lucas 23:44Era já quase a hora sexta, e houve trevas em toda a terra até a hora nona, pois o sol se escurecera;
Almeida Atualizada×
quando diz trevas cobriram a terra depois da crucificação da sexta para a nona hora. Existe realmente uma disparidade entre essas relatos?

Claro que não! A resposta está no fato de que o estado judeu estava então sob o controle romano e João usou o cômputo do tempo romano, que começava à meia-noite [que é a mesma maneira que contamos hoje]. A “hora sexta” na contagem de João era seis horas da manhã. Assim, os eventos que João descreveu aconteceram antes da crucificação.

Por outro lado, o método judaico de cronometragem inicia-se a partir dessa hora [das seis] da manhã, contando-a como a primeira hora do dia. Assim, a sexta hora do dia de acordo com cálculos judaicos era o meio-dia. A crucificação ocorreu entre a sexta e nona hora do dia―de acordo com o método judaico de calcular as horas―isto é, entre o meio dia e as três horas da tarde, da maneira que contamos hoje.

Assim, os quatro relatos do Evangelho não se contradizem, em vez disso, eles se complementam.

As respostas podem não ser facilmente perceptíveis

E sobre outras passagens bíblicas que contêm aparentes disparidades? Alguns dessas são o resultado de traduções falhas; algumas traduções da Bíblia são simplesmente mais precisas do que outras na tradução de certos versículos. Com outras passagens as dificuldades podem ser ainda maiores.

Em todo caso, não se deve ficar alarmado com o que parecem ser erros na Bíblia. Há respostas e soluções para essas passagens que podem não ser facilmente perceptíveis. Como observou o erudito bíblico Gleason Archer:

“Como eu tenho lidado com uma após outras aparentes discrepâncias e tenho estudado essas supostas contradições entre o relato bíblico e as provas da linguística, da arqueologia, ou da a ciência, a minha confiança na fidelidade das Escrituras tem sido repetidamente confirmada e reforçada pela descoberta de que quase todos os problemas nas Escrituras que já foram descobertos pelo homem, desde os tempos antigos até agora, têm sido resolvido de uma maneira totalmente satisfatória pelo próprio texto bíblico, ou então pela informação arqueológica objetiva . . .”

“Há uma boa e suficiente resposta na própria Escritura para refutar todas as acusações que já foram levantadas contra ela. Mas isto é de se esperar ao se considerar o tipo de livro a Bíblia afirma ser, a escrituração da infalível e inerrante Palavra do Deus vivo” (Enciclopédia de Dificuldades da Bíblia [Encyclopedia of Bible Difficulties], 1982, pág. 12).

A Bíblia é a Palavra de Deus, e podemos confiar nela como o Livro que ilumina o caminho para a salvação. Ela é confiável. O apóstolo Paulo escreveu que “toda a Escritura é inspirada por Deus” (2 Timóteo 3:16 2 Timóteo 3:16Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça;
Almeida Atualizada×
). Jesus disse que “a Escritura não pode falhar” (João 10:35 João 10:35Se a lei chamou deuses �queles a quem a palavra de Deus foi dirigida (e a Escritura não pode ser anulada),
Almeida Atualizada×
, ARA).

Esta é uma promessa de Jesus Cristo sobre a qual podemos contar e em que podemos colocar nossa total confiança. Assim, quando lemos a Bíblia, vamos ter certeza de que estamos realmente lendo um livro que é inspirado por Deus e contém o total respaldo do Deus Eterno, que deseja nos dar a salvação que o livro nos promete.

Um pouco de pesquisa, com comentários e outras versões da Bíblia geralmente ajuda a resolver as dificuldades da Bíblia.