Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

A Bíblia e a Arqueologia

Você está aqui

A Bíblia e a Arqueologia

A arqueologia bíblica moderna é um assunto fascinante e, às vezes, controverso. Seu objetivo, em geral, é comparar os achados da arqueologia aos escritos da Bíblia. Os arqueólogos bíblicos procuram estabelecer a historicidade, ou sua falta, das pessoas, lugares e eventos da Bíblia.

Por muitos séculos os eventos da Bíblia eram aceitos como uma história verdadeira. As grandes sagas da Bíblia eram reconhecidas como precisas até em seus mínimos detalhes. No entanto, com a chegada do “Iluminismo”, séculos XVII e XVIII, essa visão começou a mudar. Os estudiosos começaram a exaltar a razão humana e a pesquisa científica acima da Bíblia, assim aumentando a ofensiva contra as Escrituras.

Os heróis bíblicos e outras personalidades imponentes, bem como suas experiências registradas nas Escrituras, chegaram a ser considerados por muitos estudiosos como meros mitos. A existência de impérios poderosos, alguns documentados na Bíblia como tendo governado durante séculos, foi posta em dúvida ou até negada. O ceticismo tornou-se a regra do dia entre os estudiosos “críticos”.

Onde as gerações anteriores tinham tomado a Bíblia ao pé da letra, agora uma geração supostamente esclarecida a vê com dúvidas. O efeito prático foi um grande golpe que abalou a credibilidade da Bíblia na mente de muitas pessoas.

Antes, quando a Bíblia foi traduzida em várias línguas na era pós-Reforma depois do relativo analfabetismo da Idade Média, ela tinha se tornado para muitas pessoas seu único livro de história da antiguidade. Eles consideravam-na como a infalível Palavra de Deus.

Entretanto, após os ‘arranjos’ dos críticos acadêmicos, a Bíblia começou a ser vista como suspeita por muitos historiadores. O historiador inglês Arnold Toynbee resumiu seu ponto de vista quando se referiu ao Antigo Testamento como meramente “composições humanas de diferentes graus de mérito religioso e histórico”. Ele afirmou ainda que aqueles que o aceitam como verdadeiro “estão pondo um valor religioso grande a uma persistente estupidez” (Um Estudo da História [A Study of History], vol. 10, 1957,  pág. 260).

Dada esta mentalidade, os arqueólogos que buscavam escavar e avaliar as ruínas dos séculos passados e que relatavam a credibilidade da Bíblia de uma maneira honesta enfrentaram uma luta difícil. O campo da ciência, em geral, tinha se tornado tendencioso contra a Bíblia, com alguns arqueólogos entre os principais críticos.

O testemunho da história

O lorde William Ramsay, um historiador inglês e escritor prolífico, era produto de uma educação de meados do século XIX e dessa difusa inclinação antibíblica. Ele acreditava que os relatos históricos do livro de Atos não tinham sido escrito no tempo da Igreja apostólica, mas muitíssimo depois―em meados do segundo século. Se isso fosse verdade, o livro bíblico de Atos não poderia ter sido escrito por Lucas, o companheiro de viagem do apóstolo Paulo, e poderia apenas ser uma história inventada.

Lucas afirmou ter estado com Paulo, como dois homens caminhando penosamente pelas estradas de paralelepípedo do Império Romano. Ele escreveu que viu quando Paulo foi usado por Deus para trazer um jovem converso de volta à vida depois de uma queda fatal (Atos 20:8-12 Atos 20:8-12 [8] Ora, havia muitas luzes no cenáculo onde estávamos reunidos. [9] E certo jovem, por nome åutico, que estava sentado na janela, tomado de um sono profundo enquanto Paulo prolongava ainda mais o seu sermão, vencido pelo sono caiu do terceiro andar abaixo, e foi levantado morto. [10] Tendo Paulo descido, debruçou-se sobre ele e, abraçando-o, disse: Não vos perturbeis, pois a sua alma está nele. [11] Então subiu, e tendo partido o pão e comido, ainda lhes falou largamente até o romper do dia; e assim partiu. [12] E levaram vivo o jovem e ficaram muito consolados.
Almeida Atualizada×
). Ramsay duvidava da historicidade de Lucas e dos registros históricos de Atos e começou a contestá-lo.

Após muitos anos de estudo detalhado das evidências arqueológicas, Ramsay chegou a uma conclusão desconcertante: A evidência histórica e arqueológica pendiam solidamente a favor de Lucas ter escrito o livro de Atos, no primeiro século, no tempo dos apóstolos. Em vez de Lucas ser uma fraude histórica, Ramsay concluiu que existem “razões para a colocar o autor de Atos entre os historiadores de primeira categoria” (São Paulo, O Viajante e o Cidadão Romano [St. Paul the Traveller and the Roman Citizen], 1925, pág. 4).

Ramsay ficou convencido da fidedignidade de Lucas, pois ele escreveu sobre o trabalho da Igreja primitiva e nessas circunstâncias entrelaçou os eventos seculares e personalidades da época. No relato do Evangelho de Lucas somos apresentados a Pôncio Pilatos, Herodes, o Grande, Augusto e outros personagens políticos. Em Atos encontramos um conjunto ainda maior, incluindo Sérgio Paulo, Gálio, Félix, Festo e Herodes Agripa I e II.

Lucas não só escreveu sobre essas pessoas, como também menciona detalhes, às vezes fatos minuciosos, sobre eles. “Um dos símbolos mais marcantes dessa precisão [de Lucas] é sua familiaridade com os títulos adequados de todas as pessoas eminentes que são mencionadas . . . Chipre, por exemplo, que era uma província imperial até 22 a.C., tornou-se uma província senatorial, naquele ano, e foi, portanto, governada não mais por um legado imperial, mas por um procônsul. E assim, quando Paulo e Barnabé chegaram a Chipre cerca de 47 d.C., foi o procônsul Sérgio Paulo que encontraram” (FF Bruce, Os Documentos do Novo Testamento: São Confiáveis? [The New Testament Documents: Are They Reliable?] 1981, págs. 82-83).

Lucas menciona outras informações sobre os escritórios e os títulos dos funcionários do Império Romano. Em todos os casos ele acerta, como foi confirmado por descobertas arqueológicas muitos séculos depois. Como Ramsay descobriu, para mostrar tal precisão era necessário que o autor fosse bem versado sobre o tempo em que ocorreram os meandros da política dessa imensa região―sem nenhuma referência de fácil acesso para verificar os fatos. Poucos de nós conseguiríamos dizer tão bem se questionados sobre os exatos títulos oficiais, nacionais e internacionais, dos personagens políticos de hoje.

Exatidão: um teste de credibilidade

Tais detalhes do cenário histórico torna a Bíblia interessante, mas também permite que um autor, como Lucas, seja submetido à prova―e a Bíblia também. Se ele comete um erro em sua informação, em seguida, seu trabalho perde credibilidade. Como Lucas passou nessa prova?

O professor de estudos bíblicos, F.F. Bruce, comenta o trabalho de Lucas: “Um escritor que, desse modo, relata sua história em um contexto mais vasto da história do mundo está procurando problemas se não tiver cuidado; ele dá a seus leitores críticos muitas oportunidades para testar a sua precisão. Lucas assume esse risco, e resiste ao teste admiravelmente” (pág. 82).

Alguns estudiosos sustentam que Lucas estava errado em seu relato de um censo romano na época do nascimento de Jesus Cristo (Lucas 2:1-3 Lucas 2:1-3 [1] Naqueles dias saiu um decreto da parte de César Augusto, para que todo o mundo fosse recenseado. [2] Este primeiro recenseamento foi feito quando Quirínio era governador da Síria. [3] E todos iam alistar-se, cada um � sua própria cidade.
Almeida Atualizada×
). Eles argumentaram que Quirino não era governador, neste época, porque ele foi elevado a essa posição muitos anos mais tarde. Os críticos também argumentaram que não houve censo, em seguida, e que José e Maria não foram, portanto, na época, obrigados a regressar à sua terra natal, Belém.

Mais tarde, a evidência arqueológica, no entanto, mostrou que Quirino exerceu dois mandatos como um importante administrador romano na região e que os acontecimentos descritos por Lucas eram realmente possíveis (Bruce, págs. 86-87). De fato, Lucas nos diz que Jesus nasceu na época do “primeiro recenseamento” sob Quirino (versículo 2, NVI), indicando fortemente que Quirino realizou um censo na região na primeira e na segunda administração. Depois, descobriu-se que aqueles que tinham desafiado o relato bíblico não haviam verificado todos os fatos.

O professor Bruce passa a observar que, a habitual precisão de Lucas demonstrada em detalhes pode ser historicamente verificada, há muitas razões para aceitar a sua credibilidade em geral. E, de fato, descobertas arqueológicas têm repetidamente apoiado a precisão de Lucas e sua atenção aos detalhes.

Há muito ainda a ser descoberto

Uma parte relativamente pequena de resquícios do mundo bíblico foi escavada. Dos cinco mil importantes sítios arqueológicos conhecidos na Terra Santa, apenas cerca de trezentos e cinquenta foram escavados, e destes apenas dois ou três por cento têm sido totalmente escavado―e escavação de apenas quatro por cento de um sítio já é considerada extensa. E naqueles que foram escavados, é fato que toda a Bíblia tem um histórico notável de precisão quando comparado com os achados descobertos pela arqueologia.

Como o professor Walter Kaiser Jr. escreveu: “A arqueologia bíblica melhorou substancialmente o estudo dos textos bíblicos e sua história” (Os Documentos do Antigo Testamento: São confiáveis e relevantes? [The Old Testament Documents: Are They Reliable and Relevant?] de 2001, pág. 97). Ele também declarou: “Os fatos, a partir de qualquer fonte, quando totalmente conhecidos confirmam consistentemente os fantásticos detalhes das pessoas, povos e lugares do Antigo Testamento através de restos de artefatos, estratigrafias e epígrafes [e] evidências descobertas” (ibidem, pág. 108).

Grande parte do Antigo Testamento estava sob ataque pesado dos canhões dos estudiosos contra a inspiração divina, quando os ventos da dúvida varreram o século XIX. E falando desse tempo e seus efeitos, o arqueólogo Kenneth Kitchen escreveu: “Uma e outra vez nos estudos do Antigo Testamento, éramos informados que ‘a história não conhece tal pessoa’, referindo-se a Abraão ou Moisés ou . . . às batalhas de Gênesis 14, por exemplo. No entanto, semelhantes frases são totalmente enganosas. Elas simplesmente marcam a ignorância, não da ‘história’ personificada, mas da pessoa que faz esta afirmação” (A Bíblia no Seu Mundo: A Bíblia e a Arqueologia Hoje [The Bible in Its World: The Bible and Archaeology Today], 1978, pág. 48).

A declaração do dr. Kitchen mostra que a historicidade de personalidades do Antigo Testamento e seus mundos não podem ser enterrados. É importante notar que os estudiosos em tempos passados duvidaram da existência de impérios, de populações inteiras e de muitos personagens centrais da Bíblia. Em face a uma montanha crescente de evidências, os céticos muitas vezes se viam forçados a negar sua alegações anteriores.

As evidências confirmam os relatos bíblicos sobre os patriarcas

Por exemplo, alguns estudiosos críticos questionaram a existência dos patriarcas―Abraão, Isaque e Jacó. Eles rejeitaram a interpretação bíblica porque não tinham nenhuma evidência arqueológica clara.

No entanto, os documentos bíblicos descrevem Abraão e seu mundo em grandes detalhes. Os costumes específicos desta sociedade, tal como descrito em Gênesis 15-16 foram, de fato, atestados pelas tabuletas encontradas em Nuzi, perto da cidade de Assur na Assíria. Os documentos “referem-se a questões como herança e direitos de propriedade, a escravidão, a adoção, e assim por diante” (Eugene Merrill, Reino de Sacerdotes [Kingdom of Priests], 1996, págs. 38-39).

Alguns estudiosos, uma vez alegaram que os eventos incomuns descritos nesses dois capítulos de Gênesis, como o episódio de Abraão reconhecendo a paternidade de uma criança para sua esposa Sara por meio de sua serva, Agar, eram invenções. Os mesmos estudiosos tiveram de recuar quando as tabuletas Nuzi demonstraram que tais práticas de substituição eram comuns na cultura daquele tempo, quando uma mulher era estéril.

Da mesma forma, Gênesis 37:28 Gênesis 37:28Ao passarem os negociantes midianitas, tiraram José, alçando-o da cova, e venderam-no por vinte siclos de prata aos ismaelitas, os quais o levaram para o Egito.
Almeida Atualizada×
nos diz que os irmãos de José o venderam como escravo por vinte siclos (moedas) de prata. Tabuletas de argila descobertas na região datadas entre dezoito e dezenove séculos antes de Cristo, o tempo em que José viveu, mostram que o valor corrente para escravos na época era realmente vinte siclos.

Séculos mais tarde, no entanto, o preço dos escravos tinha aumentado muito. No século VIII a.C., tinha subido para cinquenta a sessenta siclos. E do quinto ao quarto séculos a.C., o preço era de noventa a cento e vinte siclos (Kenneth Kitchen, “A Era Patriarcal: Mito ou História? [The Patriarchal Age: Myth or History?]” Revisão da Arqueologia Bíblica, março-abril de 1995, pág. 52).

Se um escriba judeu tivesse inventado a história de José, no século VI a.C., como muitos críticos bíblicos argumentam, por que o valor pago por José não foi de noventa a cento e vinte siclos? Se a história fosse inventada mais de mil anos depois de ter supostamente acontecido, como é que o autor sabia o preço de venda de um escravo de mil anos antes? A resposta óbvia, é que a história de Gênesis é um relato preciso dos acontecimentos contemporâneos.

E quanto a Êxodo?

Muitos estudiosos céticos e arqueólogos têm contestado o registro bíblico do Êxodo dos israelitas do Egito porque nenhuma evidência material confirmada, além da Bíblia, foi encontrada para dar testemunho a esses eventos. Eles acreditam que estas histórias foram inventadas muitos séculos depois.

A veracidade de Êxodo é essencial para a autenticidade da Bíblia, porque é óbvio que o evento era considerado de grande importância para a criação de Israel como uma nação. Os israelitas olharam para trás para esse evento como o fundamento da sua fé. Muitas passagens bíblicas testificam o quanto isso era importante para eles. Ou um povo conhecido como Israel existiu, viveu no Egito e saiu de lá ou simplesmente não podemos confiar na Bíblia.

O professor Kitchen oferece uma boa explicação sobre o motivo de existir pouca evidência física da habitação de Israel no Egito. “O [Nilo] Delta [onde Israel habitou] é um leque aluvial de lama depositadas através de muitos milênios pela inundação anual do Nilo, não há origem de pedra dentro dele . . . O casebres de barro dos escravos e dos agricultores humildes das olarias há muito tempo viraram lama, a ponto de nunca mais serem vistos novamente”.

“Mesmo as estruturas de pedra (como templos) dificilmente sobreviveriam, em forte contraste com os sítios no vale do penhasco fechado do Alto Egito ao sul . . . Por isso não é de admirar que praticamente não existam registros escritos que pudessem ser recuperados desses sítios Delta, pois estavam reduzidos a montes de tijolos . . . até mesmo os grandes templos estavam reduzidos a montes de pedras empilhadas” (Sobre a Confiabilidade do Antigo Testamento [On the Reliability of the Old Testament], 2003, pág. 246).

O doutor Kitchen também explica por que não há registros sobre o Êxodo entre as inscrições históricas e registros egípcios que foram encontrados: “Como os faraós nunca gravavam suas derrotas nas paredes do templo, não há registro da bem sucedida saída de um grande grupo de escravos estrangeiros (com perda de carruagens cheias de soldados), pois isso jamais seria imortalizado por qualquer rei nos templos no Delta ou em qualquer outro lugar” (ibidem).

Em outras palavras, os orgulhosos egípcios, que eram a maior potência militar do mundo, naquele dia, não deixaria um registro da total e completa humilhação de seu líder pretensioso e da destruição de seu exército. Na verdade, a Bíblia está sozinha entre os escritos antigos da região no registro das derrotas militares de sua própria nação. Os líderes somente se vanglorivam de seus triunfos e conquistas, mas nunca quiseram gravar suas humilhantes derrotas.

Os eventos e pessoas confirmadas pela arqueologia

Alguns alegam que Israel não era um poder significante nos dias das dinastias egípcias. Eles acreditam que Israel não era mais do que um amálgama perdido de tribos impotentes.

A prova objetiva, no entanto, aponta para uma conclusão diferente. Um antigo objeto que entrelaça a história bíblica com os egípcios foi descoberto pelo arqueólogo e lorde Flinders Petrie, em 1896. E é conhecido como a Estela Israel porque “contém a primeira menção conhecida de Israel” (ibidem, pág. 26). Esta estela em granito negro contendo orgulhosas inscrições, encomendadas pelo faraó Merenptah, sobre suas vitórias em batalhas e se refere a Israel como sendo ‘devastada’. A Estela data de 1207 a.C. (Revisão da Arqueologia Bíblica [Biblical Archaeology Review], setembro-outubro de 1990, pág. 27).

A jornada de Israel do Egito para Canaã, depois do Êxodo, também está registrada nas Escrituras. A Bíblia fornece os nomes dos lugares que figuram como destaque nessa jornada, como Números 33 que entrega uma lista detalhada dos locais do percurso. Os detratores têm contestado o registro histórico, negando que esses assentamentos existiram no início deste período da história, pois vestígios arqueológicos da época em questão não foram encontrados.

Uma delas é o assentamento de Dibom, onde hoje é o sul do Jordão (Números 33:45 Números 33:45Partiram de Ije-Abarim, e acamparam-se em Dibom-Gade.
Almeida Atualizada×
). Nenhum vestígio arqueológico foi encontrado naquele local que data de antes do século IX a.C. Isso quer dizer que não havia cidade ali quando o povo de Israel atravessou a área?

Recentemente, alguns estudiosos têm tido que retratar-se da alegação de que Dibom não poderia ter existido na época do Êxodo. Registros egípcios confirmam a existência de Dibom durante esse tempo. As listas de antigas rotas egípcias mencionam Dibom como uma parada ao longo das rotas daquela região.

Dibom não apenas existia naquele época como também era significante o suficiente para chamar a atenção de Ramsés II, que “saqueou a cidade no decorrer de uma campanha militar em Moabe” logo depois (Charles Krahmalkov, “O Itinerário do Êxodo Confirmado Pela Evidência Egípcia”, Revisão da Arqueologia Bíblica [Biblical Archaeology Review], Setembro-Outubro de 1994, pág. 58).

A cidade de Hebron também figurou na conquista israelita de Canaã. “Depois, Josué, e todo o Israel com ele, subiu de Eglom a Hebrom, e pelejaram contra ela” (Josué 10:36 Josué 10:36De Eglom, Josué, e todo o Israel com ele, subiu a Hebrom; pelejaram contra ela,
Almeida Atualizada×
). Embora alguns críticos tenham afirmado que não existia a cidade de Hebron nesse tempo, as listas de mapas egípcios dizem o contrário. Em uma lista de cidades que Ramsés II ordenou que fosse esculpida em uma parede do templo de Amon lá estava Hebrom (Revisão da Arqueologia Bíblica[Biblical Archaeology Review], Setembro-Outubro de 1994, pág. 60). A escavação arqueológica no próprio local também confirma que ela era uma cidade fortificada prosperando desde a época de Abraão (setembro-outubro de 2005, págs. 24-33, 70).

André Lemaire, especialista em inscrições antigas, observa que alguns estudiosos têm ido tão longe em afirmar que “nada na Bíblia antes do exílio babilônico pode reivindicar qualquer precisão histórica” (“A Casa de Davi Restaurada na Inscrição Moabita”, Revisão da Arqueologia Bíblica [Biblical Archaeology Review], Maio-Junho 1994, pp 31-32). No entanto, vez após vez os estudiosos tiveram que recuar das declarações anteriores a medida que evidências arqueológicas complementares vinham à luz.

Um exemplo disso foi o caso dos hititas, por um longo tempo conhecidos apenas pelo registro bíblico. “Até a descoberta do império hitita no início do século passado, os ‘hititas’ mencionados em Gênesis 10:15 Gênesis 10:15Canaã gerou a Sidom, seu primogênito, e Hete,
Almeida Atualizada×
como descendentes de Canaã eram desconhecidos . . . Mas em 1906, Hugo Winckler começou a escavar um local conhecido como Hattusha antiga . . . onde hoje chamamos de Turquia. Como resultado, um povo cuja existência antes foi seriamente questionada está bem documentado com, literalmente, dezenas de milhares de tabuletas de argila” (Walter Kaiser, Os Documentos do Antigo Testamento: São confiáveis e relevantes? [The Old Testament Documents: Are They Reliable and Relevant?] 2001, pág. 102).

Outro grupo cuja existência era desconhecida até recentemente, fora da Bíblia, é um povo chamado horeus. Gênesis 36:20-21 Gênesis 36:20-21 [20] São estes os filhos de Seir, o horeu, moradores da terra: Lotã, Sobal, Zibeão, Anás, [21] Disom, Eser e Disã; esses são os chefes dos horeus, filhos de Seir, na terra de Edom.
Almeida Atualizada×
afirma que eles foram os filhos de Seir, o horeu. O registro bíblico foi justificado quando “no final de 1995 veio a notícia de que a capital dos horeus, Urkesh, tinha sido descoberta enterrada sob a cidade moderna de Tell Mozan, na Síria, cerca de quatrocentos quilômetros a nordeste de Damasco, na fronteira com a Turquia . . .

“O sítio de trezentos acres já rendia mais de seiscentos itens com alguma forma de escrita, muitas vezes em figuras desenhadas em selos de barro . . . Esse surpreendente achado novamente demonstra que o texto do Antigo Testamento é extremamente confiável” (Kaiser, págs. 103-104).

A arqueologia prova a Bíblia?

O que podemos dizer sobre o registro bíblico até agora? O cético sempre pode apontar para elementos que ainda precisam ser verificados exclusivamente. Mas nunca devemos esquecer que partes específicas da Bíblia certamente tem sido confirmadas por descobertas arqueológicas. O ônus da prova recai sobre os céticos. No rastro de evidências, como o mostrado neste capítulo e disponível em muitas outras fontes, cabe a eles provarem sua conjetura.

Frank Gaebelein, um autor eminentemente qualificado e editor geral do Comentário Bíblico Expositivo, observou que “a atitude de suspender o julgamento dirigido às dificuldades da Bíblia . . . está sendo constantemente defendido, pois a arqueologia tem resolvido um problema bíblico após outro, e assim um diligente reexame das discrepâncias finalmente tem levado às respostas” (O Comentário Bíblico Expositivo [The Expositor’s Bible Commentary], 1979, vol. 1, pág. 31).

O doutor Steven Ortiz, co-diretor de escavações no sítio da Gezer bíblica, comentou, em uma entrevista na Internet em 2007, que “estudiosos sérios, mesmo que não sejam crentes, mesmo que não achem que isso [a Bíblia] seja um texto sagrado, ainda consideram ser história porque as coisas se encaixam muito bem”. Doutor Aren Maeir, diretor de escavações da antiga cidade filistéia de Gate, em outra entrevista na Internet, 2007, simplesmente disse: “Você não pode trabalhar com arqueologia na terra de Israel sem a Bíblia”.

Tendo em vista a evidência real, o cético bem que poderia reconsiderar sua posição e comprometer sua vida ao serviço de Deus. Se ele esperar até que todas as mínimas questões sejam resolvidas em sua própria mente, pode acontecer de ignorar ou rejeitar uma chamada do próprio Deus. Ele pode estar privando-se das bênçãos disponíveis para aqueles que se comprometeram a aprender e a seguir o caminho de vida de Deus.

O uso objetivo da arqueologia tem demonstrado a precisão técnica e a veracidade da Bíblia. Este capítulo demonstrou algumas das evidências factuais que confirmam o registro bíblico. Muito mais ainda será descoberto.

Como o arqueólogo Nelson Glueck concluiu: “Pode-se afirmar categoricamente que nenhuma descoberta arqueológica jamais contradisse uma referência bíblica. Dezenas de achados arqueológicos têm confirmado de maneira clara ou em detalhes exatos as afirmações históricas na Bíblia.  E, por isso mesmo, a avaliação adequada das descrições bíblicas geralmente tem levado a descobertas surpreendentes” (Rios no deserto: A História do Neguev [Rivers in the Desert: A History of the Negev], 1959, pág. 31).

A Bíblia é a Palavra inspirada de Deus, e sua exatidão continua a ser validada pela pá da arqueologia. (Se você quiser saber mais, baixe nossa série intitulada “A Bíblia e a Arqueologia” [The Bible and Archaeology] no sitewww.ucg.org/booklets. Esta série está disponível apenas em formato eletrônico em inglês).