Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

A Guerra de Satanás Contra o Povo de Deus

Você está aqui

A Guerra de Satanás Contra o Povo de Deus

A guerra de Satanás contra o povo de Deus―inclusive contra Jesus Cristo, contra os descendentes naturais da antiga Israel e contra todos os verdadeiros cristãos―é o principal assunto de Apocalipse 12 e 13. Estes capítulos explicam a motivação do diabo e introduz os poderes do mundo que ele emprega em sua batalha final contra Cristo e Seus servos.

João começa assim: “E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça. E estava grávida e com dores de parto e gritava com ânsias de dar à luz” (Apocalipse 12:1-2 Apocalipse 12:1-2 [1] E viu-se um grande sinal no céu: uma mulher vestida do sol, tendo a lua debaixo dos seus pés, e uma coroa de doze estrelas sobre a sua cabeça. [2] E estando grávida, gritava com as dores do parto, sofrendo tormentos para dar � luz.
Almeida Atualizada×
). Esta mulher simboliza o povo de Deus, escolhido para ser a luz do mundo―em contraste com a mulher de Apocalipse 17, que é a mãe das meretrizes.

Estas imagens lembram a história ancestral da antiga Israel. O patriarca José descreveu um de seus sonhos reveladores para sua família: “E disse . . . Eis que ainda sonhei um sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam a mim. E, contando-o a seu pai [Jacó, ou Israel] e a seus irmãos, repreendeu-o seu pai e disse-lhe: Que sonho é este que sonhaste? Porventura viremos eu, e tua mãe, e teus irmãos a inclinar-nos perante ti em terra?” (Gênesis 37:9-10 Gênesis 37:9-10 [9] Teve José outro sonho, e o contou a seus irmãos, dizendo: Tive ainda outro sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam perante mim. [10] Quando o contou a seu pai e a seus irmãos, repreendeu-o seu pai, e disse-lhe: Que sonho é esse que tiveste? Porventura viremos, eu e tua mãe, e teus irmãos, a inclinar-nos com o rosto em terra diante de ti?
Almeida Atualizada×
).

No entanto, depois que José tornou-se vice-governador de Faraó no Egito, sua família curvou-se diante dele. Seu sonho provou ser uma revelação de Deus.

Jacó, pai de José, rapidamente captou o simbolismo do sonho de José. O sol representava a Jacó, a lua a sua esposa e as estrelas os seus filhos―doze ao todo, incluindo José. Em outras palavras, o simbolismo do sonho de José referia-se à família de Jacó, da qual se originou a antiga nação de Israel. A mulher, em Apocalipse 12, vestida com esses mesmos símbolos, também representa a família de Jacó, que depois tornou-se uma nação―o povo de Israel escolhido por Deus.

Muitas centenas de anos depois da época de José, os judeus (descendentes das tribos de Judá, Benjamin e Levi) e alguns remanescentes das outras tribos foram os únicos descendentes da antiga Israel que permaneceram na Palestina. O poderoso Império Romano dominava-os quando chegou o tempo de Jesus, o Messias, nascer na nação judaica. “E deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono” (Apocalipse 12:5 Apocalipse 12:5E deu � luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono.
Almeida Atualizada×
).

Mas note o que aconteceu imediatamente após o nascimento de Cristo. Satanás, simbolizado pelo dragão, “parou diante da mulher que havia de dar à luz, para que, dando ela à luz, lhe tragasse o filho” (versículo 4). Os Evangelhos registram como Satanás influenciou a Herodes, o rei romano dos judeus, para matar todas as crianças do sexo masculino de dois anos para baixo ao redor de Belém, numa tentativa de eliminar a potencial ameaça ao seu trono (Mateus 2:16 Mateus 2:16Então Herodes, vendo que fora iludido pelos magos, irou-se grandemente e mandou matar todos os meninos de dois anos para baixo que havia em Belém, e em todos os seus arredores, segundo o tempo que com precisão inquirira dos magos.
Almeida Atualizada×
). O rei não sabia que Deus já havia livrado Jesus porque seus pais humanos apressadamente O levaram para o Egito até que Herodes morresse (versículos 13-14).

Por causa desse cuidado amoroso de Deus, Satanás foi impedido de destruir a mulher estimada (Apocalipse 12:6 Apocalipse 12:6E a mulher fugiu para o deserto, onde já tinha lugar preparado por Deus, para que ali fosse alimentada durante mil duzentos e sessenta dias.
Almeida Atualizada×
). No entanto, Satanás, de novo, perseguirá e matará implacavelmente o povo de Deus no tempo do fim.

A guerra total de Satanás

Observe o próximo evento. “E houve batalha no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão; e batalhavam o dragão e os seus anjos, mas não prevaleceram; nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o diabo e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele” (versículos 7-9).

Este evento ocorre pouco antes de Cristo retornar para trazer “a salvação, e a força, e o reino do nosso Deus” (versículo 10). Então o anjo de Deus anuncia: “Pelo que alegrai-vos, ó céus, e vós que neles habitais. Ai dos que habitam na terra e no mar! Porque o diabo desceu a vós e tem grande ira, sabendo que já tem pouco tempo” (versículo 12).

Quando Satanás perde sua batalha com os anjos de Deus, ele dirige a sua fúria contra o povo de Deus, simbolicamente representado pela mulher anteriormente mencionada (versículos 13). É evidente que a espiritual “Israel de Deus” agora são os membros de Sua Igreja (ver Gálatas 6:16 Gálatas 6:16E a todos quantos andarem conforme esta norma, paz e misericórdia sejam sobre eles e sobre o Israel de Deus.
Almeida Atualizada×
; 3:7, 29; Romanos 2:25-29 Romanos 2:25-29 [25] Porque a circuncisão é, na verdade, proveitosa, se guardares a lei; mas se tu és transgressor da lei, a tua circuncisão tem-se tornado em incircuncisão. [26] Se, pois, a incircuncisão guardar os preceitos da lei, porventura a incircuncisão não será reputada como circuncisão? [27] E a incircuncisão que por natureza o é, se cumpre a lei, julgará a ti, que com a letra e a circuncisão és transgressor da lei. [28] Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. [29] Mas é judeu aquele que o é interiormente, e circuncisão é a do coração, no espírito, e não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus.
Almeida Atualizada×
). Deus promete a esta mulher favorecida um lugar “onde é sustentada por um tempo, e tempos, e metade de um tempo [três anos e meio], fora da vista da serpente” (versículo 14). Deus vai intervir para ajudar a mulher a sobreviver durante este tempo de aflição inacreditável (versículos 15-16).

A guerra de Satanás será dirigida não apenas contra os descendentes naturais, físicos, de Israel, como quando do nascimento de Cristo, mas ainda mais específicamente contra o “resto da sua semente, os que guardam os mandamentos de Deus e têm o testemunho de Jesus Cristo” (versículo 17).

Observe que Satanás se enfurecerá especialmente contra os santos que guardam os mandamentos e que seguem, hoje em dia, os ensinamentos de Cristo. Todos eles estão destinados a serem odiados. Embora esteja profetizado que alguns vão sobreviver ao furioso ataque instigado por Satanás, as Escrituras revelam que muitos serão martirizados. Como Cristo já havia advertido: “Então, vos hão de entregar para serdes atormentados e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as gentes por causa do meu nome” (Mateus 24:9 Mateus 24:9Então sereis entregues � tortura, e vos matarão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.
Almeida Atualizada×
).

O império perseguidor

O poder geopolítico mais ativamente envolvido nesta perseguição ao povo de Deus―que é uma revivificação do Império Romano do fim dos tempos, como veremos―é introduzido em Apocalipse 13 como “uma besta que tinha sete cabeças e dez chifres, e, sobre os chifres, dez diademas, e, sobre as cabeças, um nome de blasfêmia” (versículo 1). Esta “besta” recebe “seu poder, e o seu trono, e grande poderio” do dragão, Satanás (versículo 2; compare 12:3). Suas características são como as de um leopardo, de um urso e de um leão (Apocalipse 13:2 Apocalipse 13:2E a besta que vi era semelhante ao leopardo, e os seus pés como os de urso, e a sua boca como a de leão; e o dragão deu-lhe o seu poder e o seu trono e grande autoridade.
Almeida Atualizada×
).

Daniel escreveu séculos antes sobres essas mesmas bestas como símbolos dos sucessivos impérios da Babilônia, da Pérsia e da Grécia (Daniel 7:4-6 Daniel 7:4-6 [4] O primeiro era como leão, e tinha asas de águia; enquanto eu olhava, foram-lhe arrancadas as asas, e foi levantado da terra, e posto em dois pés como um homem; e foi-lhe dado um coração de homem. [5] Continuei olhando, e eis aqui o segundo animal, semelhante a um urso, o qual se levantou de um lado, tendo na boca três costelas entre os seus dentes; e foi-lhe dito assim: Levanta-te, devora muita carne. [6] Depois disto, continuei olhando, e eis aqui outro, semelhante a um leopardo, e tinha nas costas quatro asas de ave; tinha também este animal quatro cabeças; e foi-lhe dado domínio.
Almeida Atualizada×
; comparar com Daniel 8:19-22 Daniel 8:19-22 [19] e disse: Eis que te farei saber o que há de acontecer no último tempo da ira; pois isso pertence ao determinado tempo do fim. [20] Aquele carneiro que viste, o qual tinha dois chifres, são estes os reis da Média e da Pérsia. [21] Mas o bode peludo é o rei da Grécia; e o grande chifre que tinha entre os olhos é o primeiro rei. [22] O ter sido quebrado, levantando-se quatro em lugar dele, significa que quatro reinos se levantarão da mesma nação, porém não com a força dele.
Almeida Atualizada×
), cada um governaria a Terra Santa. Mais tarde, esse território seria conquistado e controlado por Roma, sinônimo da terrível quarta besta descrita por Daniel. João escreve sobre o renascimento desse antigo sistema: “E vi uma de suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta” (Apocalipse 13:3 Apocalipse 13:3Também vi uma de suas cabeças como se fora ferida de morte, mas a sua ferida mortal foi curada. Toda a terra se maravilhou, seguindo a besta,
Almeida Atualizada×
).

No tempo do fim todos esses impérios antigos parecerão, de uma perspectiva histórica, ter sido destruídos definitivamente. Mas grande parte de sua antiga herança cultural e religiosa foi cuidadosamente preservada. Esta herança do Império Romano será restabelecida no fim dos tempos, uma poderosa aliança de dez “reis” ou governantes―atualmente intitulados como presidentes, primeiro-ministros ou chanceleres―surgirá pouco antes da volta de Cristo.

Em Daniel 2 a herança deste poderoso reino ou império do tempo do fim é representada por uma estátua de uma figura humana composta de quatro metais (versículos 31-33). Sua cabeça representa o império neo-babilônico de Nabucodonosor (versículos 37-38), que conquistou e destruiu Jerusalém em 586 a.C. Os poderes dominantes depois da Babilônia, representados por outras partes da imagem, foram o império Medo-persa, império Greco-macedônio estabelecido por Alexandre, o Grande, e o Império Romano (versículos 39-40).

A manifestação final deste sistema é representada pelos pés da estátua: “Assim como os dedos eram em parte de ferro e em parte de barro, também esse reino será em parte forte e em parte frágil. E, como viste, o ferro estava misturado com o barro. Isso significa que se buscarão fazer alianças políticas por meio de casamentos, mas a união decorrente dessas alianças não se firmará, assim como o ferro não se mistura com o barro. Na época desses reis, o Deus dos céus estabelecerá um reino que jamais será destruído . . .” (versículos 42-44, NVI). Em outras palavras, os dez dedos desta imagem vai existir no tempo do fim e serão esmagados ao voltar Jesus Cristo (versículos 34, 44-45).

Os dez dedos na estátua de Daniel 2, aparentemente correspondem aos dez chifres da besta de Apocalipse 17. Então, o que significam esses dez chifres?

“Os dez chifres que viste são dez reis, que ainda não receberam o reino, mas receberão o poder como reis por uma hora, juntamente com a besta. Estes têm um mesmo intento e entregarão o seu poder e autoridade à besta. Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá . . .” (Apocalipse 17:12-14 Apocalipse 17:12-14 [12] Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam o reino, mas receberão autoridade, como reis, por uma hora, juntamente com a besta. [13] Estes têm um mesmo intento, e entregarão o seu poder e autoridade � besta. [14] Estes combaterão contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os que estão com ele, os chamados, e eleitos, e fiéis.
Almeida Atualizada×
).

A “besta”, formada por todos esses chifres, será um império do tempo do fim governado por Satanás, a qual terá vida curta. Como veremos mais adiante, será uma entidade política, religiosa e militar economicamente guiada como o império governado pela antiga Babilônia.

A besta que aparece a João em Apocalipse 13 é composta dos impérios representados pela imagem descrita em Daniel 2 e pelas quatro bestas de Daniel 7. O quarto animal de Daniel 7 foi o Império Romano, descrito como diferente daqueles que o precederam. A besta composta de Apocalipse 13 é uma ressurreição desse Império Romano, incorporando as características dos três impérios anteriores.

João refere-se claramente aos outros impérios quando diz: “E a besta que vi era semelhante ao leopardo [o império grego], e os seus pés, como os de urso [o império persa], e a sua boca, como a de leão [antiga Babilônia]; e o dragão deu-lhe o seu poder, e o seu trono, e grande poderio” (versículo 2).

Veja como essa besta, possuindo muitas características chaves dos impérios perseguidores precedentes, será poderosa ao se manifestar no tempo do fim: “E toda a terra se maravilhou após a besta. E adoraram o dragão que deu à besta o seu poder; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante à besta? Quem poderá batalhar contra ela?”

“E foi-lhe dada uma boca para proferir grandes coisas e blasfêmias; e deu-se-lhe poder para continuar por quarenta e dois meses. E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome, e do seu tabernáculo, e dos que habitam no céu. E foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vencê-los; e deu-se-lhe poder sobre toda tribo, e língua, e nação” (Apocalipse 13:3-7 Apocalipse 13:3-7 [3] Também vi uma de suas cabeças como se fora ferida de morte, mas a sua ferida mortal foi curada. Toda a terra se maravilhou, seguindo a besta, [4] e adoraram o dragão, porque deu � besta a sua autoridade; e adoraram a besta, dizendo: Quem é semelhante � besta? quem poderá batalhar contra ela? [5] Foi-lhe dada uma boca que proferia arrogâncias e blasfêmias; e deu-se-lhe autoridade para atuar por quarenta e dois meses. [6] E abriu a boca em blasfêmias contra Deus, para blasfemar do seu nome e do seu tabernáculo e dos que habitam no céu. [7] Também lhe foi permitido fazer guerra aos santos, e vencê-los; e deu-se-lhe autoridade sobre toda tribo, e povo, e língua e nação.
Almeida Atualizada×
).

O livro de Apocalipse revela, em mais de uma perspectiva, o surgimento deste vasto império do fim dos tempos governado a partir de uma grande cidade, classificada por Deus como “A GRANDE BABILÔNIA” (Apocalipse 17:5 Apocalipse 17:5e na sua fronte estava escrito um nome simbólico: A grande Babilônia, a mãe das prostituições e das abominações da terra.
Almeida Atualizada×
, 18), referindo-se aqui a Roma. Esta ressurreição final do Império Romano, centrado na Europa, está destinada a se tornar a superpotência dominante do mundo. Satanás a usará como sua principal arma contra Cristo e Seu povo no final da era.

Satanás fará com que o ditador humano do fim dos tempos do império bestial―que também é referido como “a besta”―seja adorado em todo o mundo. Satanás dará a este ditador o poder de transformar seus objetivos políticos e militares (assim como os de Satanás) em uma cruzada religiosa mundial.

João explica: “E adoraram-na todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro da vida do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo” (Apocalipse 13:8 Apocalipse 13:8E adora-la-ão todos os que habitam sobre a terra, esses cujos nomes não estão escritos no livro do Cordeiro que foi morto desde a fundação do mundo.
Almeida Atualizada×
).

O fator religioso

Depois João diz: “Então vi outra besta que saía da terra, com dois chifres como cordeiro, mas que falava como dragão. Exercia toda a autoridade da primeira besta, em nome dela, e fazia a terra e seus habitantes adorarem a primeira besta, cujo ferimento mortal havia sido curado” (Apocalipse 13:11-12 Apocalipse 13:11-12 [11] E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como dragão. [12] Também exercia toda a autoridade da primeira besta na sua presença; e fazia que a terra e os que nela habitavam adorassem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada.
Almeida Atualizada×
, NVI).

Quem é a segunda besta? Ela é um instrumento de Satanás usada por sua posição e autoridade para influenciar a humanidade a adorar a primeira besta.

Como ele convencerá as massas a aceitar tamanha arrogância? Ele será um enganador habilidoso e capacitado manipulado diretamente por Satanás. “E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida de espada e vivia. E foi-lhe concedido que desse espírito à imagem da besta, para que também a imagem da besta falasse e fizesse que fossem mortos todos os que não adorassem a imagem da besta” (versículos 13-15).

Depois disso João descreve o poderoso líder religioso como “o falso profeta que havia realizado os sinais milagrosos em nome dela [da Besta]” (Apocalipse 19:20 Apocalipse 19:20E a besta foi presa, e com ela o falso profeta que fizera diante dela os sinais com que enganou os que receberam o sinal da besta e os que adoraram a sua imagem. Estes dois foram lançados vivos no lago de fogo que arde com enxofre.
Almeida Atualizada×
, NVI). O Falso Profeta é, evidentemente, o líder satânico de um falso sistema religioso representado pela mulher imoral montada na besta de Apocalipse 17 (ver “As Duas Mulheres de Apocalipse” que começam na página 58).

Paulo também predisse a vinda de um enganador super-poderoso: “E, então, será revelado o iníquo, a quem o Senhor desfará pelo assopro da sua boca e aniquilará pelo esplendor da sua vinda; a esse cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás, com todo o poder, e sinais, e prodígios de mentira, e com todo engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para se salvarem” (2 Tessalonicenses 2:8-10 2 Tessalonicenses 2:8-10 [8] e então será revelado esse iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda; [9] a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira, [10] e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos.
Almeida Atualizada×
). Tragicamente, a maioria das pessoas será enganada ao acreditar nele.

Haverá novamente adoração ao imperador?

Para a maioria de nós o cenário profetizado do culto mundial à Besta―muito parecido com o culto aos antigos imperadores romanos―pode parecer quase impossível de se repetir nesta era moderna. Mas tão recentemente como durante a Segunda Guerra Mundial os japoneses eram obrigados a adorar o imperador do Japão. Seus soldados travavam a guerra entusiasmadamente em seu nome.

Devemos lembrar também que durante a nossa vida muitos líderes religiosos têm surgido dizendo representar seres divinos na carne. Alguns tem obtido sucesso e seduzem milhares de seguidores em todas as esferas sociais. Às vezes, esses discípulos iludidos têm entregue prontamente suas vidas aos caprichos de tais líderes.

A ideia de que humanidade moderna não pode ser enganada por um líder fanático—especialmente um com uma personalidade poderosamente carismática—absolutamente não é verdade. A história prova que sempre é possível.

A segunda besta descrita em Apocalipse 13 se apresenta como um cordeiro (como Cristo), mas fala como um dragão (o diabo). Ele vai persuadir o mundo a adorar a primeira besta (versículo 12). Ele até influenciará e convencerá os negociantes do comércio internacional, a ponto de que “ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome” (versículo 17). (Para obter informações adicionais, consulte “A Marca e o Número da Besta”, página 56.)

Vencedores e perdedores

O resultado inevitável da guerra de Satanás contra os servos de Deus é o assunto do capítulo 14 e dos quatro primeiros versículos do capítulo 15. Aqui os verdadeiros vencedores e perdedores são claramente descritos nas mensagens divinas entregues pelos anjos.

Cristo, representado como um cordeiro, é retratado no meio dos cento e quarenta e quatro mil “que em sua testa tinham escrito o nome dele e o de seu Pai” (Apocalipse 14:1 Apocalipse 14:1E olhei, e eis o Cordeiro em pé sobre o Monte Sião, e com ele cento e quarenta e quatro mil, que traziam na fronte escrito o nome dele e o nome de seu Pai.
Almeida Atualizada×
). Estes são descritos como aqueles que seguiram fielmente a Cristo, o Cordeiro, em vez da besta mesmo durante este tempo de grande tribulação (versículo 4).

João descreve esses servos honrados e leais de Cristo como “irrepreensíveis diante do trono de Deus” (versículos 4-5). E continua: “E vi um como mar de vidro misturado com fogo; e também os que saíram vitoriosos da besta, e da sua imagem, e do seu sinal, e do número do seu nome, que estavam junto ao mar de vidro, e tinham as harpas de Deus. E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro . . .” (Apocalipse 15:2-3 Apocalipse 15:2-3 [2] E vi como que um mar de vidro misturado com fogo; e os que tinham vencido a besta e a sua imagem e o número do seu nome estavam em pé junto ao mar de vidro, e tinham harpas de Deus. [3] E cantavam o cântico de Moisés, servo de Deus, e o cântico do Cordeiro, dizendo: Grandes e admiráveis são as tuas obras, ó Senhor Deus Todo-Poderoso; justos e verdadeiros são os teus caminhos, ó Rei dos séculos.
Almeida Atualizada×
, NVI; compare a 14:3).

João está vendo-os, em sua visão, cantando e se alegrando, enfim, como os verdadeiros vencedores deste grande conflito espiritual.

João também vê que antes desta guerra acabar “toda a nação, e tribo, e língua, e povo” terá a mensagem deste “evangelho eterno” proclamado a eles: “Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é vinda a hora do seu juízo. E adorai aquele que fez o céu, e a terra . . .” (Apocalipse 14:6-7 Apocalipse 14:6-7 [6] E vi outro anjo voando pelo meio do céu, e tinha um evangelho eterno para proclamar aos que habitam sobre a terra e a toda nação, e tribo, e língua, e povo, [7] dizendo com grande voz: Temei a Deus, e dai-lhe glória; porque é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.
Almeida Atualizada×
, NVI). Durante esse tempo, a iminente queda e destruição dessa grande cidade, a Grande Babilônia, é anunciada por um outro anjo (versículo 8).

João também identifica claramente os perdedores na guerra pelo controle espiritual da humanidade: “Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira “ (versículos 9-10). O julgamento das pessoas que seguem os caminhos de Satanás, julgamento há muito esperado pelos servos de Deus, está à mão.

Os santos têm toda a razão para estarem confiantes no resultado. Mas, por enquanto, as provas do povo de Deus ainda não acabaram: “Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus. E ouvi uma voz do céu, que me dizia: Escreve: Bem-aventurados os mortos que desde agora morrem no Senhor. Sim, diz o Espírito, para que descansem dos seus trabalhos, e as suas obras os seguem” (versículos 12-13, NVI). Aparentemente, Satanás enviará até o fim os seus instrumentos humanos enganados para perseguir e matar aqueles que realmente tentam obedecer e servir a Deus.

Então segue-se uma descrição de Cristo e de um anjo removendo os maus e sua maldade da terra como um fazendeiro removeria os grãos de um campo com uma foice ou “ajunta os cachos de uva da videira da terra” (versículos 14-18, NVI). E aqueles colhidos são lançados “no grande lagar da ira de Deus” (versículos 19-20, NVI). Deus vai manifestar a Sua ira através das “sete últimas pragas, pois com elas se completa a ira de Deus” (Apocalipse 15:1 Apocalipse 15:1Vi no céu ainda outro sinal, grande e admirável: sete anjos, que tinham as sete últimas pragas; porque nelas é consumada a ira de Deus.
Almeida Atualizada×
, NVI).