Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

A Profecia de uma Confederação Árabe

Você está aqui

A Profecia de uma Confederação Árabe

Se assim for, ela prediz uma confederação de nações árabes que estão determinadas a eliminar Israel.

“Astutamente formam conselho contra o teu povo e conspiram contra os teus protegidos. Disseram: Vinde, e desarraiguemo-los para que não sejam nação, nem haja mais memória do nome de Israel. Porque à uma se conluiaram; aliaram-se contra ti: As tendas de Edom, dos ismaelitas, de Moabe, dos agarenos, de Gebal, de Amom, de Amaleque e a Filístia com os moradores de Tiro. Também a Assíria se ligou a eles; foram eles o braço dos filhos de Ló” (versículos 3-8).

Esses nomes bíblicos são significativos quando entendemos quais regiões e povos a que esta profecia se refere. Edom diz respeito aos palestinos e alguns turcos. Os ismaelitas, descendentes de Ismael, são muitos dos povos árabes no Oriente Médio e Norte da África. Moabe é a região central da Jordânia. Os agarenos parece se referir aos outros descendentes de Agar, mãe de Ismael.

Gebal, que significa “montanha” ou “fronteira”, é comumente comparado com a cidade fenícia de Biblos, a atual Jubail no Líbano. Amom refere-se ao norte da Jordânia e arredores de Amã, a capital (que obteve seu nome de Amom). Amaleque parece referir-se a um ramo de edomitas palestinos. A Filístia é a região em torno do que hoje é conhecida como Faixa de Gaza. Tiro era antigamente uma grande cidade-estado no sul do Líbano ao longo da costa do Mediterrâneo. A Assíria etnicamente parece referir-se aos habitantes da Europa Central que migraram há muitos séculos atrás, enquanto geograficamente a Assíria se localiza onde hoje é o norte do Iraque. Os filhos de Ló novamente refere-se a Moabe e Amon, as regiões da moderna Jordânia.

A unificação árabe continua indefinida, mas lentamente um propósito comum está aproximando diferentes povos do mundo árabe. Este objetivo comum é o desejo de destruir a nação de Israel e seu aliado principal, os Estados Unidos da América, juntamente com a cultura liberal do Ocidente, visto há muito tempo como uma ameaça ao modo de vida muçulmano.