Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

Uma Nova Aliança Para Transformar o Coração

Você está aqui

Uma Nova Aliança Para Transformar o Coração

Download (Baixar)
MP3 Audio (37.9 MB)

Download (Baixar)

Uma Nova Aliança Para Transformar o Coração

MP3 Audio (37.9 MB)
×

"Agora, porém, o ministério que Jesus recebeu é superior ao deles, assim... também a aliança da qual ele é mediador é superior à antiga, sendo baseada em promessas superiores" (Hebreus 8:6 Hebreus 8:6Mas agora alcançou ele ministério tanto mais excelente, quanto é mediador de um melhor pacto, o qual está firmado sobre melhores promessas.
Almeida Atualizada×
, NVI).

Deus planejou mudar desde o início essa aliança limitada e temporária que Ele fez com a antiga Israel — com seus numerosos sacrifícios simbólicos — em um compromisso de uma aliança muito superior com um sacrifício permanente pelo pecado e aberto a toda a humanidade.

As alianças de Deus contêm uma variedade de promessas. No entanto, de certo modo, todas elas refletem um único compromisso. Através delas, Deus está tornando conhecidos os aspectos-chave de Seu plano para a redenção do homem de seu pecado para que a salvação possa ser oferecida a todos os povos. Finalmente, Ele decidiu dar a todos uma oportunidade através de Jesus Cristo para que entrem em Sua família eterna de filhos e filhas santos e justos (2 Coríntios 6:18 2 Coríntios 6:18e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso.
Almeida Atualizada×
; 2 Pedro 3:9 2 Pedro 3:9O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; porém é longânimo para convosco, não querendo que ninguém se perca, senão que todos venham a arrepender-se.
Almeida Atualizada×
). Deus nunca hesitou neste compromisso desde o início de Sua criação.

João afirma: "Mas a todos quantos o receberam [Jesus Cristo] deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem no Seu nome" (João 1:12 João 1:12Mas, a todos quantos o receberam, aos que crêem no seu nome, deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus;
Almeida Atualizada×
). Através de Jesus Cristo podemos alcançar o destino que Deus planejou para nós — tornarmo-nos membros da Sua família divina e sagrada em um futuro planejado para a humanidade há muito tempo.

Paulo acrescenta: "Nele [Jesus Cristo] temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus, a qual ele derramou sobre nós com toda a sabedoria e entendimento. E nos revelou o mistério da sua vontade, de acordo com o seu bom propósito que ele estabeleceu em Cristo, isto é, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, celestiais ou terrenas, na dispensação da plenitude dos tempos" (Efésios 1:7-10 Efésios 1:7-10 [7] em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça, [8] que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência, [9] fazendo-nos conhecer o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que nele propôs [10] para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra,
Almeida Atualizada×
, NVI).

Portanto, Sua "nova" aliança é uma "aliança melhor", que oferece "melhores promessas" relacionadas com a vida eterna, as quais não foram incluídas na Aliança do Sinai. Deus optou por não deixar disponíveis as melhores promessas a todos — especialmente o perdão dos pecados através do sacrifício de Cristo e o dom do Espírito Santo — até a crucificação de Jesus.

Um dos principais objetivos dessas melhores promessas é pôr em marcha o processo de transformação dos corações e mentes daqueles que respondem ao chamado de Deus para se arrepender e aceitar a Cristo como seu Redentor. Através desse processo, Ele se oferece para fazê-los herdeiros da "herança eterna" (Hebreus 9:15 Hebreus 9:15E por isso é mediador de um novo pacto, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões cometidas debaixo do primeiro pacto, os chamados recebam a promessa da herança eterna.
Almeida Atualizada×
).

O chamado de Deus ao arrependimento está previsto para ser apresentado à humanidade em etapas — com a maioria da humanidade recebendo esse chamado só depois da segunda vinda de Cristo. Durante este "presente século mau" (ver Gálatas 1:4 Gálatas 1:4o qual se deu a si mesmo por nossos pecados, para nos livrar do presente século mau, segundo a vontade de nosso Deus e Pai,
Almeida Atualizada×
), Deus está chamando ao arrependimento um segmento muito pequeno da humanidade para servir como "a luz do mundo" e para "fazer discípulos de todas as nações" (Mateus 5:14 Mateus 5:14Vós sois a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade situada sobre um monte;
Almeida Atualizada×
; 28:19).

(Para saber acerca dos interessantes detalhes do cronograma de salvação de Deus, não deixe de solicitar os nossos livros gratuitos Por Você Nasceu? e O Plano dos Dias Santos de Deus: A Promessa de Esperança para toda a Humanidade).

Uma comparação das duas alianças

A principal distinção entre a Antiga e Nova Aliança está onde a lei de Deus é escrita (Jeremias 31:31-34 Jeremias 31:31-34 [31] Eis que os dias vêm, diz o Senhor, em que farei um pacto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá, [32] não conforme o pacto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, esse meu pacto que eles invalidaram, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor. [33] Mas este é o pacto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo. [34] E não ensinarão mais cada um a seu próximo, nem cada um a seu irmão, dizendo: Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor deles até o maior, diz o Senhor; pois lhes perdoarei a sua iniqüidade, e não me lembrarei mais dos seus pecados.
Almeida Atualizada×
; comparar Ezequiel 36:26-28 Ezequiel 36:26-28 [26] Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. [27] Ainda porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis as minhas ordenanças, e as observeis. [28] E habitareis na terra que eu dei a vossos pais, e vós sereis o meu povo, e eu serei o vosso Deus.
Almeida Atualizada×
) —  não se ela continua definindo a Sua vontade.

Sob a Nova Aliança, o espírito ou intenção da lei deve ser inscrito nos corações daqueles que são convertidos pelo recebimento do Espírito Santo. Isso exigiu uma mudança na lei quanto a quem deveria ocupar o cargo de sumo sacerdote, dando-nos um Sumo Sacerdote que poderia nos ajudar a obedecer a Deus do fundo do coração (Hebreus 7:12 Hebreus 7:12Pois, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei.
Almeida Atualizada×
).

O novo foco é sobre o arrependimento sincero para a remissão dos pecados por meio da fé no sacrifício de Jesus Cristo. Também nos é dito: "Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento" (Romanos 12:2 Romanos 12:2E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus.
Almeida Atualizada×
) — com a ajuda espiritual provida pelo Espírito de Deus.

Os rituais e sacrifícios da Aliança do Sinai somente podia lembrar o povo de sua culpa e sua necessidade de redenção. Eles não poderiam extinguir sua culpa — a mancha de seus pecados: "Porque é impossível que o sangue dos touros e dos bodes tire pecados" (Hebreus 10:4 Hebreus 10:4porque é impossível que o sangue de touros e de bodes tire pecados.
Almeida Atualizada×
). Sob a Nova Aliança, no entanto, o sacrifício de Jesus Cristo apaga permanentemente os pecados daqueles que se arrependem e extingue a sua culpa (João 1:29 João 1:29No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.
Almeida Atualizada×
; 1 João 1:7 1 João 1:7mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus seu Filho nos purifica de todo pecado.
Almeida Atualizada×
; Apocalipse 1:5 Apocalipse 1:5e da parte de Jesus Cristo, que é a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o Príncipe dos reis da terra. Âquele que nos ama, e pelo seu sangue nos libertou dos nossos pecados,
Almeida Atualizada×
).

De forma significativa, a Nova Aliança primeiramente tinha de ser oferecida para as mesmas pessoas que receberam a Aliança do Sinai — os descendentes físicos de Abraão. Todos os apóstolos, inclusive Paulo, cumpriram esse requisito. A Escritura mostra que Paulo, ao visitar várias cidades, foi primeiro aos judeus e depois para os gentios (Atos 13:45-46 Atos 13:45-46 [45] Mas os judeus, vendo as multidões, encheram-se de inveja e, blasfemando, contradiziam o que Paulo falava. [46] Então Paulo e Barnabé, falando ousadamente, disseram: Era mister que a vós se pregasse em primeiro lugar a palavra de Deus; mas, visto que a rejeitais, e não vos julgais dignos da vida eterna, eis que nos viramos para os gentios;
Almeida Atualizada×
; Romanos 1:16 Romanos 1:16Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego.
Almeida Atualizada×
).

Pedro explicou por que aos judeus teve que ser dado a primeira oportunidade de aceitar a Cristo como seu Salvador: "Todos os profetas, a começar com Samuel, assim como todos quantos depois falaram, também anunciaram estes dias [de Jesus Cristo e da Nova Aliança].

"Vós sois os filhos dos profetas e da aliança que Deus estabeleceu com vossos pais... Tendo Deus ressuscitado o seu Servo, enviou-o primeiramente a vós outros para vos abençoar, no sentido de que cada um se aparte das suas perversidades" (Atos 3:24-26 Atos 3:24-26 [24] E todos os profetas, desde Samuel e os que sucederam, quantos falaram, também anunciaram estes dias. [25] Vós sois os filhos dos profetas e do pacto que Deus fez com vossos pais, dizendo a Abraão: Na tua descendência serão abençoadas todas as famílias da terra. [26] Deus suscitou a seu Servo, e a vós primeiramente vo-lo enviou para que vos abençoasse, desviando-vos, a cada um, das vossas maldades.
Almeida Atualizada×
, ARA; comparar Ezequiel 16:60 Ezequiel 16:60Contudo eu me lembrarei do meu pacto, que fiz contigo nos dias da tua mocidade; e estabelecerei contigo um pacto eterno.
Almeida Atualizada×
, 62-63).

O ato de providenciar um sacrifício permanente para o pecado — primeiro para os judeus e depois para os gentios — como uma reconciliação genuína com Deus por meio de Cristo iria abrir a porta para as leis de Deus ser escritas no coração pelo Espírito Santo, esse é o fundamento da Nova Aliança. O dom de Seu Espírito para aqueles que se arrependem e são batizados provê a "dimensão perdida" na mente humana que torna "melhor" relacionamento entre Deus e Seu trabalho com as pessoas (Atos 2:38 Atos 2:38Pedro então lhes respondeu: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo.
Almeida Atualizada×
; Romanos 6:3-4 Romanos 6:3-4 [3] Ou, porventura, ignorais que todos quantos fomos batizados em Cristo Jesus fomos batizados na sua morte? [4] Fomos, pois, sepultados com ele pelo batismo na morte, para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida.
Almeida Atualizada×
).

Uma relação pessoal com o nosso novo Sumo Sacerdote

Hebreus 7 explica outra mudança da Aliança do Sinai para a Nova Aliança. Sob a Aliança do Sinai, o sumo sacerdote era um ser humano físico da tribo de Levi, servindo num tabernáculo físico ou templo até sua morte. Jesus, no entanto, nascido da tribo de Judá, agora é o nosso eterno Sumo Sacerdote que serve no céu, tendo acesso direto a Deus Pai.

Observe como isso é afirmado claramente em Hebreus 8:1-2 Hebreus 8:1-2 [1] Ora, do que estamos dizendo, o ponto principal é este: Temos um sumo sacerdote tal, que se assentou nos céus � direita do trono da Majestade, [2] ministro do santuário, e do verdadeiro tabernáculo, que o Senhor fundou, e não o homem.
Almeida Atualizada×
: "O mais importante do que estamos tratando é que temos um sumo sacerdote como esse, o qual se assentou à direita do trono da Majestade nos céus e serve no santuário, no verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, e não o homem" (NVI).

Ao contrário do sumo sacerdote sob a Antiga Aliança, Jesus Cristo, como Sumo Sacerdote, pode ajudar pessoalmente a cada indivíduo chamado por Deus. "Todos eles me conhecerão", diz Ele, "desde o menor até o maior" (versículo 11, NVI). Esta enorme vantagem da Nova Aliança não estava disponível sob a Aliança do Sinai, com apenas um sumo sacerdote físico.

Jesus, embora divino e imortal, todavia pode se identificar pessoalmente com nossas fraquezas e problemas por causa do que Ele experimentou como ser humano: "Por essa razão era necessário que ele se tornasse semelhante a seus irmãos em todos os aspectos, para se tornar sumo sacerdote misericordioso e fiel com relação a Deus... Porque, tendo em vista o que ele mesmo sofreu quando tentado, ele é capaz de socorrer aqueles que também estão sendo tentados" (Hebreus 2:17-18 Hebreus 2:17-18 [17] Pelo que convinha que em tudo fosse feito semelhante a seus irmãos, para se tornar um sumo sacerdote misericordioso e fiel nas coisas concernentes a Deus, a fim de fazer propiciação pelos pecados do povo. [18] Porque naquilo que ele mesmo, sendo tentado, padeceu, pode socorrer aos que são tentados.
Almeida Atualizada×
, NVI).

Como Sumo Sacerdote, Jesus está disposto e pronto para ajudar os cristãos em suas lutas para vencer o pecado. "Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. Cheguemos, pois, com confiança ao trono da graça, para que possamos alcançar misericórdia e achar graça, a fim de sermos ajudados em tempo oportuno" (Hebreus 4:15-16 Hebreus 4:15-16 [15] Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer- se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado. [16] Cheguemo-nos, pois, confiadamente ao trono da graça, para que recebamos misericórdia e achemos graça, a fim de sermos socorridos no momento oportuno.
Almeida Atualizada×
).

Os rituais simbólicos não são mais necessários

O sistema baseado no templo de adoração sob a Antiga Aliança chegou ao fim no ano 70 d.C., quando os exércitos romanos conquistaram Jerusalém e destruíram completamente o templo judeu e o sistema sacerdotal.

Como o livro de Hebreus explica sobre a introdução de uma nova aliança: "Chamando ‘nova’ esta aliança, ele tornou antiquada a primeira; e o que se torna antiquado e envelhecido está a ponto de desaparecer" (Hebreus 8:13 Hebreus 8:13Dizendo: Novo pacto, ele tornou antiquado o primeiro. E o que se torna antiquado e envelhece, perto está de desaparecer.
Almeida Atualizada×
, NVI; comparar Mateus 24:1-2 Mateus 24:1-2 [1] Ora, Jesus, tendo saído do templo, ia-se retirando, quando se aproximaram dele os seus discípulos, para lhe mostrarem os edifícios do templo. [2] Mas ele lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não se deixará aqui pedra sobre pedra que não seja derribada.
Almeida Atualizada×
). Ao indicar, de antemão, a destruição do templo e, em seguida, permitir que isso aconteça, como predito, Deus pôs fim ao sistema de adoração da Aliança do Sinai.

Veja esta clara explicação da natureza temporária do sistema tabernáculo-templo. "Agora, a primeira aliança tinha regras para a adoração e também um santuário terrestre. Um tabernáculo foi feito. Em seu primeiro cômodo estava o candelabro, a mesa e os pães da proposição, este que foi chamado de Lugar Santo.

"Por trás da cortina havia um segundo cômodo chamado o Santo dos Santos, onde estava... a arca da aliança coberta de ouro. Esta arca continha o vaso de ouro com o maná, a vara de Arão, que tinha brotado, e as tábuas de pedra da aliança. Acima da arca estavam os querubins da Glória [sobre o propiciatório]...

"Quando tudo tinha sido organizado como deste modo, os sacerdotes entravam regularmente no cômodo exterior para oficiar seu ministério. Mas só o sumo sacerdote entrava no cômodo interior, e só uma vez ao ano, e nunca sem sangue, que oferecia por seus próprios pecados e pelos pecados que o povo havia cometido por ignorância. O Espírito Santo estava demostrando com isso que o caminho para o Santo dos Santos, ainda não havia sido aberto enquanto o primeiro tabernáculo ainda estivesse de pé.

"Isso é uma ilustração para os nossos dias [antes de o sistema do templo ser destruído em 70 d.C.], indicando que as ofertas e os sacrifícios oferecidos não podiam dar ao adorador uma consciência perfeitamente limpa. Eram apenas prescrições que tratavam de comida e bebida e de várias cerimônias de purificação com água; essas ordenanças exteriores foram impostas até o tempo da nova ordem [estabelecida através da nova Aliança]" (Hebreus 9:1-10 Hebreus 9:1-10 [1] Ora, também o primeiro pacto tinha ordenanças de serviço sagrado, e um santuário terrestre. [2] Pois foi preparada uma tenda, a primeira, na qual estavam o candeeiro, e a mesa, e os pães da proposição; a essa se chama o santo lugar; [3] mas depois do segundo véu estava a tenda que se chama o santo dos santos, [4] que tinha o incensário de ouro, e a arca do pacto, toda coberta de ouro em redor; na qual estava um vaso de ouro, que continha o maná, e a vara de Arão, que tinha brotado, e as tábuas do pacto; [5] e sobre a arca os querubins da glória, que cobriam o propiciatório; das quais coisas não falaremos agora particularmente. [6] Ora, estando estas coisas assim preparadas, entram continuamente na primeira tenda os sacerdotes, celebrando os serviços sagrados; [7] mas na segunda só o sumo sacerdote, uma vez por ano, não sem sangue, o qual ele oferece por si mesmo e pelos erros do povo; [8] dando o Espírito Santo a entender com isso, que o caminho do santuário não está descoberto, enquanto subsiste a primeira tenda, [9] que é uma parábola para o tempo presente, conforme a qual se oferecem tando dons como sacrifícios que, quanto � consciência, não podem aperfeiçoar aquele que presta o culto; [10] sendo somente, no tocante a comidas, e bebidas, e várias abluções, umas ordenanças da carne, impostas até um tempo de reforma.
Almeida Atualizada×
, NVI).

Repare como as partes da Aliança do Sinai claramente que tiveram que ser alteradas são definidas nesta passagem.

O livro de Hebreus explica os aspectos temporários

Estes aspectos temporários da Aliança do Sinai eram aplicáveis ​​apenas até tudo que os simbolizava fosse cumprido por Jesus Cristo. É essencial que compreendamos com precisão o que explica o livro de Hebreus.

O autor de Hebreus não diz que as leis de Deus, que definem a justiça, foram alteradas ou suprimidas pela Nova Aliança ou que elas eram apenas temporárias. Ele explica que as características simbólicas da Aliança do Sinai — resumidas como "comida e bebida e várias cerimônias de purificação" não são mais necessárias sob a Nova Aliança. Na verdade, logo seria impossível continuar com isso porque em 70 d.C. o templo físico, a que estavam intrinsecamente ligadas, foi completamente destruído.

O fato de estes exemplos serem restritos a itens físicos, todos tendo apenas significado simbólico, é crucialmente importante! As leis de Deus, que definem o pecado, não estão incluídas entre os itens explicitamente identificados como findados com a destruição do templo.

O foco em Hebreus é inteiramente sobre coisas associadas com o sistema de culto simbólico do tabernáculo físico (e depois com o complexo do templo) e do sacerdócio levítico temporário. Observe a explicação neste livro:

"Quando Cristo veio como sumo sacerdote... ele adentrou o maior e mais perfeito tabernáculo, não feito pelo homem, isto é, não pertencente a esta criação [física]. Não por meio de sangue de bodes e novilhos, mas pelo seu próprio sangue, ele entrou no Lugar Santíssimo, de uma vez por todas, e obteve eterna redenção.

"Ora, se o sangue de bodes e touros e as cinzas de uma novilha espalhadas sobre os que estão cerimonialmente impuros os santificam, de forma que se tornam exteriormente puros, quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu de forma imaculada a Deus, purificará a nossa consciência de atos que levam à morte, para que sirvamos ao Deus vivo!

"Por essa razão, Cristo é o mediador de uma nova aliança para que os que são chamados recebam a promessa da herança eterna, visto que ele morreu como resgate pelas transgressões cometidas sob a primeira aliança" (Hebreus 9:11-15 Hebreus 9:11-15 [11] Mas Cristo, tendo vindo como sumo sacerdote dos bens já realizados, por meio do maior e mais perfeito tabernáculo (não feito por mãos, isto é, não desta criação), [12] e não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção. [13] Porque, se a aspersão do sangue de bodes e de touros, e das cinzas duma novilha santifica os contaminados, quanto � purificação da carne, [14] quanto mais o sangue de Cristo, que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus, purificará das obras mortas a vossa consciência, para servirdes ao Deus vivo? [15] E por isso é mediador de um novo pacto, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões cometidas debaixo do primeiro pacto, os chamados recebam a promessa da herança eterna.
Almeida Atualizada×
, NVI).

O ministério do tabernáculo-templo ou serviço da Aliança do Sinai era apenas simbólico e temporário. Em contraste, o ministério espiritual de Jesus Cristo se concentra em uma "herança eterna", pois oferece "redenção eterna" para aqueles cujos corações são transformados pelo Espírito de Deus.

No entanto, as leis de Deus que definem justiça não são simbólicas ou temporárias. Os Salmos descreve-as como "maravilhosa" e "perfeita", destinada a durar "para sempre" (Salmos 19:7 Salmos 19:7A lei do Senhor é perfeita, e refrigera a alma; o testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos simples.
Almeida Atualizada×
; 119:129, 160).

Paulo descreve a lei de Deus como "santa, e o mandamento é santo, justo e bom". Em seguida, ele acrescenta: "Sabemos que a Lei é espiritual; eu, contudo, não o sou, pois fui vendido como escravo ao pecado" (Romanos 7:12 Romanos 7:12De modo que a lei é santa, e o mandamento santo, justo e bom.
Almeida Atualizada×
, 14, NVI). Ele ensinou que o problema que a Nova Aliança resolve são as respostas não espirituais do homem, e não um suposto defeito nas leis espirituais de Deus.

Jesus defende a obediência às leis do Antigo Testamento

Como muitos aspectos da Aliança do Sinai eram temporários, aqueles que servem a Deus sob a Nova Aliança precisam entender a explicação de Jesus Cristo sobre o que não está incluído nas mudanças que tiveram de ser feitas. Ele tinha plena consciência de que as mudanças necessárias feitas pela Nova Aliança poderiam ser facilmente mal interpretadas.

Assim, em seu famoso Sermão da Montanha, Ele confirmou enfaticamente que as Escrituras do Antigo Testamento continuariam como o guia da conduta cristã. Observe Sua declaração explícita:

"Não pensem que vim abolir a Lei ou os Profetas; não vim abolir, mas cumprir [para dar à lei a sua plena intenção e propósito e para tornar-se o Sumo Sacerdote e para ser sacrifício definitivo prenunciado tanto na lei como nos Profetas]. Digo-lhes a verdade: Enquanto existirem céus e terra, de forma alguma desaparecerá da Lei a menor letra ou o menor traço, até que tudo se cumpra" (Mateus 5:17-18 Mateus 5:17-18 [17] Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. [18] Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido.
Almeida Atualizada×
, NVI) .

Jesus é muito específico. O Antigo Testamento deve permanecer inalterado, com um novo entendimento de que seus aspectos figurativos meramente apontavam para o Seu papel permanente como nosso sumo Sacerdote e sacrifício definitivo.

Mas todo o Antigo Testamento — cada letra e palavra — é para ser preservado e usado pelos cristãos. Jesus deixa bem claro que nem mesmo parte de uma única letra do texto original deve ser excluído ou alterado. Ele veio para fazer acontecer o que Deus havia prometido ou anunciado na Sua Palavra, não para descartá-la ou anulá-la. Até mesmo as seções que descrevem os aspectos cerimoniais da Aliança do Sinai ainda nos ensinam lições valiosas sobre a importância da obra e sacrifício de Jesus Cristo por nós, como o livro de Hebreus explica em muitos detalhes.

Jesus confirmou enfaticamente que a Sua pregação nunca deve ser interpretada como uma tentativa de anular qualquer parte das escrituras do Antigo Testamento: "Todo aquele que desobedecer a um desses mandamentos, ainda que dos menores, e ensinar os outros a fazerem o mesmo, será chamado menor [por aqueles] no Reino dos céus; mas todo aquele que praticar e ensinar estes mandamentos será chamado grande [por aqueles] no Reino dos céus" (Mateus 5:19 Mateus 5:19Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus.
Almeida Atualizada×
, NVI).

E no restante de Mateus 5, Ele dá muitos exemplos mostrando que os requisitos da lei são ainda mais obrigatórios para os cristãos e não menos. Ele faz isso ao ilustrar a intenção espiritual da lei que deve reger nossos pensamentos e atitudes, além de nossas ações.

Paulo concorda com Jesus sobre o Antigo Testamento

Paulo, como Jesus, corajosamente nos diz: "Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra" (2 Timóteo 3:16-17 2 Timóteo 3:16-17 [16] Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça; [17] para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra.
Almeida Atualizada×
, NVI).

"Toda a Escritura é o sopro de Deus" é a tradução literal da primeira parte da declaração de Paulo. Jesus e Paulo apresentaram todo o corpo de escrituras do Antigo Testamento como divinamente inspirado e essencial para que todo o cristão “seja apto e plenamente preparado” para servir a Deus.

No entanto, Paulo não disse que os cristãos são obrigados a cumprir — precisamente como está escrito — detalhadamente tudo que foi dado para a antiga Israel. Sua ênfase é que tudo isso é proveitoso e útil — embora nem todos os detalhes sejam exigidos dos cristãos, pelos motivos explicados acima.

Então, o que não é necessário? Tudo isso também ficou muito claro. Muitos dos aspectos simbólicos e instruções do Antigo Testamento agora não são obrigatórios. Eles eram "baseados somente em comidas, e bebidas, e diversas abluções, impostas até ao tempo oportuno de reforma" (Hebreus 9:10 Hebreus 9:10sendo somente, no tocante a comidas, e bebidas, e várias abluções, umas ordenanças da carne, impostas até um tempo de reforma.
Almeida Atualizada×
, ARA).

O sacrifício de Jesus Cristo substituiu os aspectos simbólicos da lei, que eram apenas rituais temporários. Embora não fossem mandamentos espirituais, ainda permanece o seu valor em explicar o papel de Jesus como nosso Sumo Sacerdote e sacrifício pelo pecado. Eles ainda servem como importantes instrumentos de ensino.

Esta distinção de seu uso hoje é importante! Os aspectos temporários da legislação do Antigo Testamento nunca definiu o pecado. Eles geralmente representavam como Jesus Cristo iria pagar pelos pecados ou, como o significado simbólico da circuncisão, como a nossa inclinação carnal do pecado precisa a ser removido.

Quando Deus bradou os Dez Mandamentos do Monte Sinai, Ele declarou que iria demonstrar "misericórdia em milhares aos que me amam e guardam os Meus mandamentos" (Êxodo 20:6 Êxodo 20:6e uso de misericórdia com milhares dos que me amam e guardam os meus mandamentos.
Almeida Atualizada×
). Sua paciência misericordiosa diante da constante desobediência da antiga Israel sob a Aliança do Sinai é um tipo de nível muito elevado da misericórdia e da redenção que a "nova aliança no sangue [de Cristo]" (Lucas 22:20 Lucas 22:20Semelhantemente, depois da ceia, tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o novo pacto em meu sangue, que é derramado por vós.
Almeida Atualizada×
, ARA) agora oferece para aqueles que se arrependem.

Para que nós, seres humanos, pudéssemos receber essa misericórdia, o Filho de Deus teve que se tornar nosso sacrifício pelo pecado. Nas epístolas do Novo Testamento, a palavra morte é usada mais de sessenta vezes, em referência tanto à pena pelo pecado ou ao sacrifício expiatório de Jesus Cristo. Todo o sistema sacrificial do antigo Israel foi dado para enfatizar que o perdão do pecado exige o derramamento de sangue (Hebreus 9:22 Hebreus 9:22E quase todas as coisas, segundo a lei, se purificam com sangue; e sem derramamento de sangue não há remissão.
Almeida Atualizada×
).

Nunca devemos esquecer que toda a Escritura é inspirada e vital para as nossas vidas. Tudo isso está estabelecido com uma base sólida na doutrina cristã. Tudo isso é proveitoso para nos instruir na justiça. Sem isso, nunca poderíamos ter certeza do que é a justiça.

Aqui está um princípio importante: Para compreender corretamente o Novo Testamento, primeiro devemos entender o Antigo Testamento. O Novo Testamento não foi escrito como um substituto para o Antigo Testamento. Pelo contrário, o Antigo Testamento é a base e o fundamento do Novo Testamento (Mateus 5:17-20 Mateus 5:17-20 [17] Não penseis que vim destruir a lei ou os profetas; não vim destruir, mas cumprir. [18] Porque em verdade vos digo que, até que o céu e a terra passem, de modo nenhum passará da lei um só i ou um só til, até que tudo seja cumprido. [19] Qualquer, pois, que violar um destes mandamentos, por menor que seja, e assim ensinar aos homens, será chamado o menor no reino dos céus; aquele, porém, que os cumprir e ensinar será chamado grande no reino dos céus. [20] Pois eu vos digo que, se a vossa justiça não exceder a dos escribas e fariseus, de modo nenhum entrareis no reino dos céus.
Almeida Atualizada×
; Atos 28:23 Atos 28:23Havendo-lhe eles marcado um dia, muitos foram ter com ele � sua morada, aos quais desde a manhã até a noite explicava com bom testemunho o reino de Deus e procurava persuadí-los acerca de Jesus, tanto pela lei de Moisés como pelos profetas.
Almeida Atualizada×
).

Somente se aplicarmos os princípios da justiça, revelados em todas as Escrituras, ao nosso pensamento e comportamento seremos capazes de desenvolver a maturidade espiritual que Deus deseja! Só então seremos considerados "perfeitos e perfeitamente habilitados para toda boa obra", como Paulo nos instrui (2 Timóteo 3:17 2 Timóteo 3:17para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente preparado para toda boa obra.
Almeida Atualizada×
).

Jesus ainda expressou este ponto com muito mais ênfase. "Está escrito", Ele disse: "Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus" (Mateus 4:4 Mateus 4:4Mas Jesus lhe respondeu: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus.
Almeida Atualizada×
, citando Deuteronômio 8:3 Deuteronômio 8:3Sim, ele te humilhou, e te deixou ter fome, e te sustentou com o maná, que nem tu nem teus pais conhecíeis; para te dar a entender que o homem não vive só de pão, mas de tudo o que sai da boca do Senhor, disso vive o homem.
Almeida Atualizada×
). A única Palavra de Deus na época era a que hoje chamamos de escrituras do Antigo Testamento.

De acordo com ambos, Paulo e Jesus, as Escrituras são essenciais para o nosso crescimento e desenvolvimento cristão. Devemos estudá-las cuidadosamente para aprender o pensamento de Deus, que está contido nelas. Através de sua instrução Deus quer mudemos nossas atitudes e pensamentos, nossos corações e mentes, dando-nos a compreensão de Seu pensamento.

Ele diz: "Porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos. Porque, assim como descem a chuva e a neve dos céus e para lá não tornam, mas regam a terra e a fazem produzir, e brotar... assim será a palavra que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia; antes, fará o que me apraz e prosperará naquilo para que a enviei" (Isaías 55:9-11 Isaías 55:9-11 [9] Porque, assim como o céu é mais alto do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos. [10] Porque, assim como a chuva e a neve descem dos céus e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir e brotar, para que dê semente ao semeador, e pão ao que come, [11] assim será a palavra que sair da minha boca: ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei.
Almeida Atualizada×
).

O objetivo de Deus é desenvolver em nós a mente de Cristo (Filipenses 2:5 Filipenses 2:5Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus,
Almeida Atualizada×
) — para que possamos ter o mesmo pensamento e visão que Ele tem. Para que isso aconteça, temos que ter a mesma confiança e um profundo respeito pela Palavra de Deus inspirada, como tinham Jesus Cristo e Paulo (comparar Isaías 66:2 Isaías 66:2A minha mão fez todas essas coisas, e assim todas elas vieram a existir, diz o Senhor; mas eis para quem olharei: para o humilde e contrito de espírito, que treme da minha palavra.
Almeida Atualizada×
). Quando fazemos isso, as Escrituras tornam-se instrumentos que transformam nosso pensamento e comportamento como pretende Ele, se tornamo-las parte de nós com a ajuda e poder disponíveis do Espírito de Deus.

Outros aperfeiçoamentos da Nova Aliança

Paulo também explicou que alguns aspectos das Escrituras precisarão, necessariamente, ser aplicados "não da letra, mas do Espírito" (2 Coríntios 3:6 2 Coríntios 3:6o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.
Almeida Atualizada×
). O que ele quis dizer? O que distingue a "letra" da lei do "espírito" da lei? E quais condições tornam necessária essa distinção?

Uma mudança crucial — a mudança no sacerdócio — nos dá o ponto de partida para a compreensão dessa distinção. Jesus Cristo substituiu o sacerdócio dos descendentes de Arão, tornando-se nosso Sumo Sacerdote permanente (Hebreus 7:11-28 Hebreus 7:11-28 [11] De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico (pois sob este o povo recebeu a lei), que necessidade havia ainda de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e que não fosse contado segundo a ordem de Arão? [12] Pois, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. [13] Porque aquele, de quem estas coisas se dizem, pertence a outra tribo, da qual ninguém ainda serviu ao altar, [14] visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, tribo da qual Moisés nada falou acerca de sacerdotes. [15] E ainda muito mais manifesto é isto, se � semelhança de Melquisedeque se levanta outro sacerdote, [16] que não foi feito conforme a lei de um mandamento carnal, mas segundo o poder duma vida indissolúvel. [17] Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque. [18] Pois, com efeito, o mandamento anterior é ab-rogado por causa da sua fraqueza e inutilidade [19] (pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou), e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual nos aproximamos de Deus. [20] E visto como não foi sem prestar juramento (porque, na verdade, aqueles, sem juramento, foram feitos sacerdotes, [21] mas este com juramento daquele que lhe disse: Jurou o Senhor, e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre), [22] de tanto melhor pacto Jesus foi feito fiador. [23] E, na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque pela morte foram impedidos de permanecer, [24] mas este, porque permanece para sempre, tem o seu sacerdócio perpétuo. [25] Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, porquanto vive sempre para interceder por eles. [26] Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, e feito mais sublime que os céus; [27] que não necessita, como os sumos sacerdotes, de oferecer cada dia sacrifícios, primeiramente por seus próprios pecados, e depois pelos do povo; porque isto fez ele, uma vez por todas, quando se ofereceu a si mesmo. [28] Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens que têm fraquezas, mas a palavra do juramento, que veio depois da lei, constitui ao Filho, para sempre aperfeiçoado.
Almeida Atualizada×
). Isto faz uma grande diferença na forma como determinadas partes das leis do Antigo Testamento são aplicadas.

Os versículos 18 e 19 explicam porque as regras do Antigo Testamento para a nomeação de um sumo sacerdote tiveram de ser modificadas: "Portanto, por um lado, se revoga a anterior ordenança [especificamente limitando o sacerdócio aos descendentes de Arão] por causa de sua fraqueza e inutilidade (pois a lei [que exige nomeações de sumos sacerdotes descendentes de Aarão] nunca aperfeiçoou coisa alguma), e, por outro lado, se introduz esperança superior [nomeação de Jesus Cristo como nosso Sumo Sacerdote permanente], pela qual nos chegamos a Deus" (ARA).

Esta mudança foi predita nas escrituras do Antigo Testamento. Deus prometeu que o Messias se assentaria à Sua direita antes de retornar à Terra como o Rei dos Reis: "Disse o SENHOR ao meu Senhor: Assenta-te à minha mão direita, até que ponha os Teus inimigos por escabelo dos Teus pés" (Salmo 110:1).

Esta profecia também confirma por um juramento de que o Messias (Jesus) seria o novo e permanente Sumo Sacerdote: "Jurou o SENHOR e não se arrependerá: Tu és um sacerdote eterno, segundo a ordem de Melquisedeque" (versículo 4).

Vemos que o Antigo Testamento tanto previu como autorizou a mudança quanto ao Sumo Sacerdote e como Ele iria administrar Seu ministério. O livro de Hebreus explica a importância dessa mudança na aplicação das leis que regem a nomeação e os deveres do sumo sacerdote.

"E isso não aconteceu sem juramento! Outros [descendentes de Arão] se tornaram sacerdotes sem qualquer juramento, mas ele [Jesus] se tornou sacerdote com juramento, quando Deus [o Pai] lhe disse: O Senhor jurou e não se arrependerá: ‘Tu és sacerdote para sempre’. Jesus tornou-se, por isso mesmo, a garantia de uma aliança superior.

"Ora, daqueles sacerdotes tem havido muitos, porque a morte os impede de continuar em seu ofício, mas, visto que vive para sempre, Jesus tem um sacerdócio permanente. Portanto, ele é capaz de salvar definitivamente aqueles que, por meio dele, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles" (Hebreus 7:20-25 Hebreus 7:20-25 [20] E visto como não foi sem prestar juramento (porque, na verdade, aqueles, sem juramento, foram feitos sacerdotes, [21] mas este com juramento daquele que lhe disse: Jurou o Senhor, e não se arrependerá: Tu és sacerdote para sempre), [22] de tanto melhor pacto Jesus foi feito fiador. [23] E, na verdade, aqueles foram feitos sacerdotes em grande número, porque pela morte foram impedidos de permanecer, [24] mas este, porque permanece para sempre, tem o seu sacerdócio perpétuo. [25] Portanto, pode também salvar perfeitamente os que por ele se chegam a Deus, porquanto vive sempre para interceder por eles.
Almeida Atualizada×
, NVI).

Esta mudança no sacerdócio exige que a lei de nomeação dos descendentes de Arão para esse ofício seja alterada. Mas isso não quer dizer que o ofício ou o papel fundamental de um sumo sacerdote foi abolido.

É necessário apenas que as leis relativas a esse cargo sejam modificadas, de modo a ser aplicada corretamente a Jesus Cristo como nosso Sumo Sacerdote permanente. Assim sendo, as leis ainda são aplicáveis ​​e proveitosas​​, mas agora de acordo com o "espírito" da lei em vez de precisamente a "letra" do texto original.

Como Hebreus 7:12-16 Hebreus 7:12-16 [12] Pois, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei. [13] Porque aquele, de quem estas coisas se dizem, pertence a outra tribo, da qual ninguém ainda serviu ao altar, [14] visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, tribo da qual Moisés nada falou acerca de sacerdotes. [15] E ainda muito mais manifesto é isto, se � semelhança de Melquisedeque se levanta outro sacerdote, [16] que não foi feito conforme a lei de um mandamento carnal, mas segundo o poder duma vida indissolúvel.
Almeida Atualizada×
explica: "Certo é que, quando há mudança de sacerdócio, é necessário que haja mudança de lei. Ora, aquele de quem se dizem estas coisas pertencia a outra tribo, da qual ninguém jamais havia servido diante do altar, pois é bem conhecido que o nosso Senhor descende de Judá, tribo da qual Moisés nada fala quanto a sacerdócio.

"O que acabamos de dizer fica ainda mais claro quando aparece outro sacerdote semelhante a Melquisedeque [como profetizado no Salmo 110:4], alguém que se tornou sacerdote, não por regras relativas à linhagem, mas segundo o poder de uma vida indestrutível" (NVI).

Uma abordagem superior

Paulo dedica a maior parte de 2 Coríntios 3 a explicar esta diferença importante na administração de algumas das leis escritas no Antigo Testamento. Elas não foram abolidas. Mas a aplicação do seu texto, às vezes, tem de ser praticado de uma forma que seja compatível com a realidade da Nova Aliança.

Em tais casos, o "espírito" da lei prevalece sobre a letra da lei — com a clara compreensão de que o "espírito" da lei preserva fielmente a intenção original pela qual qualquer lei especial foi dada. Dois princípios importantes se destacam.

Primeiro, a nova ênfase é sobre onde a lei está escrita — no coração daqueles a quem Deus chama e não apenas em tábuas de pedra (2 Coríntios 3:3 2 Coríntios 3:3sendo manifestos como carta de Cristo, ministrada por nós, e escrita, não com tinta, mas com o Espírito do Deus vivo, não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne do coração.
Almeida Atualizada×
).

Em segundo lugar, os princípios básicos, a intenção e o propósito da lei ainda são permanentemente úteis e aplicáveis a toda a humanidade (ver Tiago 1:25 Tiago 1:25Entretanto aquele que atenta bem para a lei perfeita, a da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas executor da obra, este será bem-aventurado no que fizer.
Almeida Atualizada×
; 2:8-12). Ainda mais significativo é o fato de que a provisão para tal mudança já havia sido revelado e divinamente aprovado no Salmo 110:4.

Também é importante notar que nem tudo do ofício do sumo sacerdote tinha de ser alterado — mas somente os regulamentos necessários para acomodar a nomeação de Jesus Cristo como nosso Sumo Sacerdote permanente.

O mesmo princípio aplica-se aos sacrifícios e às cerimônias. Uma alteração de sacrifícios de animais meramente simbólicos para o sacrifício verdadeiro e permanente de Jesus Cristo necessita de um ajuste na lei. Mas não extingue a necessidade de um sacrifício. A lei requer que um sacrifício seja feito pelo pecado para permanecer intacta. Mas agora é o sacrifício de Cristo, que cumpre esse requisito (Hebreus 10:4 Hebreus 10:4porque é impossível que o sangue de touros e de bodes tire pecados.
Almeida Atualizada×
, 10-14, 18).

Portanto, algumas mudanças na lei foram necessárias para acomodar o que já estava na lei, para que fosse atualizada. A lei de Deus não foi abolida pela Nova Aliança, mas agora ela contém importantes revisões que acomodam as "melhores promessas" preditas nessas mesmas Escrituras.

A administração da lei na Nova Aliança

Deus dá especialmente a seus ministros verdadeiros e fiéis, através do poder do Seu Espírito, a compreensão de que precisam para discernir corretamente a intenção da lei sob o legítimo contexto da Nova Aliança (comparar Mateus 18:18 Mateus 18:18Em verdade vos digo: Tudo quanto ligardes na terra será ligado no céu; e tudo quanto desligardes na terra será desligado no céu.
Almeida Atualizada×
; Atos 15:1-29 Atos 15:1-29 [1] Então alguns que tinham descido da Judéia ensinavam aos irmãos: Se não vos circuncidardes, segundo o rito de Moisés, não podeis ser salvos. [2] Tendo Paulo e Barnabé contenda e não pequena discussão com eles, os irmãos resolveram que Paulo e Barnabé e mais alguns dentre eles subissem a Jerusalém, aos apóstolos e aos anciãos, por causa desta questão. [3] Eles, pois, sendo acompanhados pela igreja por um trecho do caminho, passavam pela Fenícia e por Samária, contando a conversão dos gentios; e davam grande alegria a todos os irmãos. [4] E, quando chegaram a Jerusalém, foram recebidos pela igreja e pelos apóstolos e anciãos, e relataram tudo quanto Deus fizera por meio deles. [5] Mas alguns da seita dos fariseus, que tinham crido, levantaram-se dizendo que era necessário circuncidá-los e mandar-lhes observar a lei de Moisés. [6] Congregaram-se pois os apóstolos e os anciãos para considerar este assunto. [7] E, havendo grande discussão, levantou-se Pedro e disse-lhes: Irmãos, bem sabeis que já há muito tempo Deus me elegeu dentre vós, para que os gentios ouvissem da minha boca a palavra do evangelho e cressem. [8] E Deus, que conhece os corações, testemunhou a favor deles, dando-lhes o Espírito Santo, assim como a nós; [9] e não fez distinção alguma entre eles e nós, purificando os seus corações pela fé. [10] Agora, pois, por que tentais a Deus, pondo sobre a cerviz dos discípulos um jugo que nem nossos pais nem nós pudemos suportar? [11] Mas cremos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus, do mesmo modo que eles também. [12] Então toda a multidão se calou e escutava a Barnabé e a Paulo, que contavam quantos sinais e prodígios Deus havia feito por meio deles entre os gentios. [13] Depois que se calaram, Tiago, tomando a palavra, disse: Irmãos, ouvi-me: [14] Simão relatou como primeiramente Deus visitou os gentios para tomar dentre eles um povo para o seu Nome. [15] E com isto concordam as palavras dos profetas; como está escrito: [16] Depois disto voltarei, e reedificarei o tabernáculo de Davi, que está caído; reedificarei as suas ruínas, e tornarei a levantá-lo; [17] para que o resto dos homens busque ao Senhor, sim, todos os gentios, sobre os quais é invocado o meu nome, [18] diz o Senhor que faz estas coisas, que são conhecidas desde a antiguidade. [19] Por isso, julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus, [20] mas escrever-lhes que se abstenham das contaminações dos ídolos, da prostituição, do que é sufocado e do sangue. [21] Porque Moisés, desde tempos antigos, tem em cada cidade homens que o preguem, e cada sábado é lido nas sinagogas. [22] Então pareceu bem aos apóstolos e aos anciãos com toda a igreja escolher homens dentre eles e enviá-los a Antioquia com Paulo e Barnabé, a saber: Judas, chamado Barsabás, e Silas, homens influentes entre os irmãos. [23] E por intermédio deles escreveram o seguinte: Os apóstolos e os anciãos, irmãos, aos irmãos dentre os gentios em Antioquia, na Síria e na Cicília, saúde. [24] Portanto ouvimos que alguns dentre nós, aos quais nada mandamos, vos têm perturbado com palavras, confundindo as vossas almas, [25] pareceu-nos bem, tendo chegado a um acordo, escolher alguns homens e enviá-los com os nossos amados Barnabé e Paulo, [26] homens que têm exposto as suas vidas pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo. [27] Enviamos portanto Judas e Silas, os quais também por palavra vos anunciarão as mesmas coisas. [28] Porque pareceu bem ao Espírito Santo e a nós não vos impor maior encargo além destas coisas necessárias: [29] Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição; e destas coisas fareis bem de vos guardar. Bem vos vá.
Almeida Atualizada×
).

Como Paulo explicou, "Ele nos capacitou para sermos ministros de uma nova aliança, não da letra, mas do Espírito; pois a letra mata, mas o Espírito vivifica" (2 Coríntios 3:6 2 Coríntios 3:6o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.
Almeida Atualizada×
, NVI).

O foco principal do "ministério" ou sacerdócio da Aliança do Sinai — seu serviço ao povo em nome de Deus — era lembrar constantemente ao povo que Deus condena tanto mal quanto os malfeitores. O ministério da Nova Aliança é mais focado em trazer os pecadores para o arrependimento sincero, para que possam escapar da condenação no juízo vindouro (Atos 17:30-31 Atos 17:30-31 [30] Mas Deus, não levando em conta os tempos da ignorância, manda agora que todos os homens em todo lugar se arrependam; [31] porquanto determinou um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do varão que para isso ordenou; e disso tem dado certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.
Almeida Atualizada×
).

Paulo descreve como "glorioso" a abordagem da Aliança do Sinai. Ele nunca a menospreza ou a deprecia. Deus projetou ambas as alianças para cumprir gloriosamente os objetivos pretendidos. Mas a Nova Aliança é uma melhor aliança porque oferece o perdão eterno com a vida eterna, e não apenas o perdão simbólico e temporário dentro da comunidade de Israel em prol de apenas de bênçãos físicas.

"Se era glorioso o [antigo] ministério que trouxe condenação, quanto mais glorioso será o [novo] ministério que produz justificação [apagando os pecados através da morte de Cristo e levando as pessoas à obediência e à vida eterna]!

"Pois o que outrora foi glorioso, agora não tem glória, em comparação com a glória insuperável [da nova administração de justiça]. E se o que estava se desvanecendo [lembranças físicas da pena de morte para o pecado na Aliança do Sinai] se manifestou com glória, quanto maior será a glória do que permanece!" (2 Coríntios 3:9-11 2 Coríntios 3:9-11 [9] Porque, se o ministério da condenação tinha glória, muito mais excede em glória o ministério da justiça. [10] Pois na verdade, o que foi feito glorioso, não o é em comparação com a glória inexcedível. [11] Porque, se aquilo que se desvanecia era glorioso, muito mais glorioso é o que permanece.
Almeida Atualizada×
, NVI).

As lembranças da condenação pela culpa através de sacrifícios simbólicos da gloriosa Aliança do Sinai foram substituídas por uma administração mais gloriosa e permanente da misericórdia e da verdadeira justiça através de Jesus Cristo como nosso novo e permanente Sumo Sacerdote.

Através do Espírito Santo, Cristo dá aos Seus servos, em cujos corações a lei já está escrita, a capacidade de discernir a maneira correta de aplicar as leis de Deus em suas vidas (Jeremias 31:33 Jeremias 31:33Mas este é o pacto que farei com a casa de Israel depois daqueles dias, diz o Senhor: Porei a minha lei no seu interior, e a escreverei no seu coração; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo.
Almeida Atualizada×
; 1 Coríntios 2:11-14 1 Coríntios 2:11-14 [11] Pois, qual dos homens entende as coisas do homem, senão o espírito do homem que nele está? assim também as coisas de Deus, ninguém as compreendeu, senão o Espírito de Deus. [12] Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, mas sim o Espírito que provém de Deus, a fim de compreendermos as coisas que nos foram dadas gratuitamente por Deus; [13] as quais também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com palavras ensinadas pelo Espírito Santo, comparando coisas espirituais com espirituais. [14] Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente.
Almeida Atualizada×
; Filipenses 1:9-10 Filipenses 1:9-10 [9] E isto peço em oração: que o vosso amor aumente mais e mais no pleno conhecimento e em todo o discernimento, [10] para que aproveis as coisas excelentes, a fim de que sejais sinceros, e sem ofensa até o dia de Cristo;
Almeida Atualizada×
).

"Porque não me envergonho do evangelho de Cristo", escreve Paulo, "pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê... Porque nele se descobre a justiça de Deus de fé em fé, como está escrito: Mas o justo viverá da fé" (Romanos 1:16-17 Romanos 1:16-17 [16] Porque não me envergonho do evangelho, pois é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê; primeiro do judeu, e também do grego. [17] Porque no evangelho é revelada, de fé em fé, a justiça de Deus, como está escrito: Mas o justo viverá da fé.
Almeida Atualizada×
).

Ensinar as pessoas a viverem em retidão, por confiar verdadeiramente em Deus, era um aspecto vital do ministério de Paulo. E o mesmo deve acontecer hoje.

O discernimento espiritual adequado

Como Paulo e os outros apóstolos discerniam que partes da lei podiam ter aplicações diferentes sob a Nova Aliança do que era praticado sob a Aliança do Sinai?

Todo o discernimento piedoso deve estar dentro dos limites que são legalmente permitidos pelas Escrituras. Em outras palavras, a aplicação adequada da lei é determinada pelas diretrizes reveladas nas Escrituras e não pelos nossos próprios sentimentos ou opiniões. Jamais devemos permitir que as opiniões daqueles que confiam na tradição humana que contradiz as Escrituras para nos convencer de ficar contra a lei de Deus.

Paulo diz enfaticamente que "a lei é boa, se alguém dela usa legitimamente" (1 Timóteo 1:8 1 Timóteo 1:8Sabemos, porém, que a lei é boa, se alguém dela usar legitimamente,
Almeida Atualizada×
). Portanto, os cristãos precisam ser cautelosos para não aceitar ou adotar premissas que as próprias Escrituras não apoiam.

Falando em termos mais simples, a Bíblia interpreta a Bíblia. Isto é especialmente importante no estudo dos escritos do apóstolo Paulo, que escreveu algumas passagens que muitas pessoas não entendem e distorcem (ver 2 Pedro 3:15-16 2 Pedro 3:15-16 [15] e tende por salvação a longanimidade de nosso Senhor; como também o nosso amado irmão Paulo vos escreveu, segundo a sabedoria que lhe foi dada; [16] como faz também em todas as suas epístolas, nelas falando acerca destas coisas, mas quais há pontos difíceis de entender, que os indoutos e inconstantes torcem, como o fazem também com as outras Escrituras, para sua própria perdição.
Almeida Atualizada×
).

Porque todos os novos cristãos precisam de orientação, Paulo explica os meios adequados através dos quais essa orientação é oferecida por Jesus Cristo. Ele nos diz: "E ele [Jesus] designou alguns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres, com o fim de preparar os santos para a obra do ministério, para que o corpo de Cristo seja edificado, até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo.

"O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro" (Efésios 4:11-14 Efésios 4:11-14 [11] E ele deu uns como apóstolos, e outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres, [12] tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; [13] até que todos cheguemos � unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, � medida da estatura da plenitude de Cristo; [14] para que não mais sejamos meninos, inconstantes, levados ao redor por todo vento de doutrina, pela fraudulência dos homens, pela astúcia tendente � maquinação do erro;
Almeida Atualizada×
, NVI) .

Um ministério de ensinamento espiritualmente capaz é essencial para a nossa saúde espiritual e crescimento pessoal na Igreja edificada por Jesus. Todos nós precisamos da orientação de ministros de Jesus Cristo espiritualmente qualificados.

Para garantir que as decisões da Igreja sobre a aplicação da Escritura nas situações atuais sejam sólidas e precisas, a sua compatibilidade com toda a Palavra de Deus deve ser verificada cuidadosamente. Como Paulo explicou a Timóteo: "Procure apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem do que se envergonhar e que maneja corretamente a palavra da verdade" (2 Timóteo 2:15 2 Timóteo 2:15Procura apresentar-te diante de Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.
Almeida Atualizada×
, NVI).

Portanto, devemos ter o cuidado de procurar aconselhamento espiritual apenas de ministros que acreditam fielmente em "toda palavra de Deus" (Lucas 4:4 Lucas 4:4Jesus, porém, lhe respondeu: Está escrito: Nem só de pão viverá o homem.
Almeida Atualizada×
) e ensinam fielmente que "toda Escritura" é "proveitosa para ensinar, para redarguir, para corrigir, para instruir em justiça" (2 Timóteo 3:16 2 Timóteo 3:16Toda Escritura é divinamente inspirada e proveitosa para ensinar, para repreender, para corrigir, para instruir em justiça;
Almeida Atualizada×
).

É por isso que Paulo escreveu: "Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados?" (Romanos 10:14-15 Romanos 10:14-15 [14] Como pois invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram falar? e como ouvirão, se não há quem pregue? [15] E como pregarão, se não forem enviados? assim como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas!
Almeida Atualizada×
).

Precisamos ser muito cuidadosos quando procuramos orientação espiritual de ministros e mestres, pois estes têm que conhecer bem a Bíblia e ensiná-la com exatidão — ao invés de interpretá-la de acordo com as tradições dos homens. Paulo nos adverte para ter cuidado com aqueles que são "falsos apóstolos [que] são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo" (2 Coríntios 11:13 2 Coríntios 11:13Pois os tais são falsos apóstolos, obreiros fraudulentos, disfarçando-se em apóstolos de Cristo.
Almeida Atualizada×
).

Com base em princípios fundamentais

Infelizmente, até mesmo alguns dos primeiros cristãos foram negligentes em discernir, compreender e aplicar corretamente a intenção das Escrituras. O autor de Hebreus disse-lhes: "Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite e não de sólido mantimento”.

"Porque qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino. Mas o mantimento sólido é para os perfeitos, os quais, em razão do costume, têm os sentidos exercitados para discernir tanto o bem como o mal" (Hebreus 5:12-14 Hebreus 5:12-14 [12] Porque, devendo já ser mestres em razão do tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar os princípios elementares dos oráculos de Deus, e vos haveis feito tais que precisais de leite, e não de alimento sólido. [13] Ora, qualquer que se alimenta de leite é inexperiente na palavra da justiça, pois é criança; [14] mas o alimento sólido é para os adultos, os quais têm, pela prática, as faculdades exercitadas para discernir tanto o bem como o mal.
Almeida Atualizada×
). Essa capacidade vem do estudo regular da "palavra da justiça" e de usar essa habilidade durante um longo período de tempo.

Como mencionado anteriormente, tudo o que Deus nos revelou através da Sua lei tem um objetivo central — ensinar-nos a amar como Ele ama. De acordo com a lei, esse amor é focado em duas direções distintas: primeiro em direção a Deus e depois para com os nossos semelhantes, os quais foram criados à imagem de Deus.

Os Dez Mandamentos expandiram os princípios do amor. Deus deseja escrever a plenitude desses princípios em nossos corações.

Agora, vamos voltar nossa atenção especificamente para o modo como Jesus Cristo auxilia pessoalmente aqueles que recebem o Espírito Santo — especialmente quanto à aplicação e discernimento dos princípios da lei de Deus sob a Nova Aliança com um coração puro.