Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

O Conceito Grego da Criação

O Conceito Grego da Criação

Dois poetas, Homero e Hesíodo, descreveram o sistema religioso grego, com seus respectivos deuses nacionais encarregados​​, enquanto viviam em uma corte real cheia de intrigas e paixões.

Em sua versão Hesíodo viu a origem do universo, como decorrente do caos, da vastidão do espaço que produziu a primeira deusa, Gaia (Terra). Ela criou Urano (o Céu), que se tornou seu marido, e eles produziram muitos deuses menores. A divisão entre o céu e a terra ocorreu quando um de seus filhos, Cronos, em um ataque de ciúmes atacou seu pai Urano. Zeus, que se tornou o deus principal, nasceu do colérico Cronos e de sua esposa Rhea.

Infelizmente, os únicos escritos sobreviventes sobre o cristianismo dos primeiros séculos depois dos apóstolos vieram principalmente de homens imersos no pensamento e na filosofia grega. Estes eram Justino Mártir (110-165), Clemente (160-220), Orígenes (185-254) e Agostinho (354-430), todos antigos discípulos do pensamento de Platão e Aristóteles. Desta forma, a filosofia grega entrou na igreja romana e formou grande parte da sua teologia.

“O problema com os cristãos gentios”, observa o historiador da igreja Samuele Bacchiocchi, “não foi apenas a falta de familiaridade com as Escrituras, mas também a sua fascinação excessiva com suas especulações filosóficas gregas, que condicionaram a sua compreensão das verdades bíblicas. Enquanto os cristãos judeus muitas vezes caminhavam em direção ao legalismo, os cristãos gentios frequentemente seguiam em direção às especulações filosóficas que separaram o cristianismo de suas raízes históricas” (Os Festivais de Deus na Escritura e na História, 1995, págs. 102-103).

Em particular, Orígenes e Agostinho começaram a interpretar muitas partes do livro de Gênesis como alegoria. Eles viam o relato de Gênesis como algo repleto de figuras simbólicas ficcionais representando a verdade, o comportamento humano ou a experiência. Gradualmente, este método alegórico se tornou a norma na compreensão católica de grande parte de Gênesis. Estes equívocos foram influenciando fortemente as autoridades da Igreja ao longo dos anos.