Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

O Darwinismo Não é o Mesmo que Evolução

O Darwinismo Não é o Mesmo que Evolução

Os dicionários primeiro definem evolução como um processo de transformação de um estado inferior para um estado mais elevado, e em segundo lugar, como a teoria defendida por Darwin. Mas seus significados não são iguais. A Evolução significa literalmente apenas o surgimento sucessivo de vida perfeitamente formada sem levar em conta como ocorreu. Esse significado não tem que se referir ao darwinismo, que é um preceito de que a mudança gradual levou uma espécie a tornar-se em outra através do processo de seleção natural.

Uma espécie geralmente é definida como algo vivo que pode se reproduzir apenas segundo a sua própria espécie. Assim, embora a maioria dos cientistas se refira ao darwinismo quando usa esse termo, as duas definições do termo não são sinônimos e devem ser cuidadosamente definidos pelo contexto.

“Por que”, pergunta o físico Alan Hayward, “os termos ‘darwinismo’ e ‘evolução’ são usados (incorretamente) com tanta frequência como se quisessem dizer a mesma coisa? Simplesmente porque foi Darwin quem pôs de pé a antiga ideia de evolução. Antes de Darwin, a evolução era considerada pela maioria das pessoas como uma noção selvagem e inconcebível. Depois de Darwin, a evolução passou a ser uma ideia razoável que as pessoas em geral logo tomaram como certa”.

“Muitas pessoas desde dias de Darwin têm tentado encontrar uma explicação alternativa para a evolução, mas nenhuma foi bem sucedida. Assim como quando ele a propôs, o darwinismo se apresenta com o único método concebível de evolução. Sendo assim parece que o darwinismo e a evolução devem permanecer ou cair juntos” (Criação e Evolução, 1985, pág. 5).

Esta é uma das razões que muitos darwinistas são tão inflexíveis sobre sua teoria. Eles sabem das implicações se ela cair: O Dogma da Evolução: “Nossa fé na doutrina da evolução depende de nossa relutância em aceitar a antagônica doutrina da criação especial [por Deus]” (citado por Francis Hitching, O Pescoço da Girafa, 1982, pág. 109).