Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

Os Cientistas, a Criação e a Evolução

Os Cientistas, a Criação e a Evolução

Ninguém deve supor que os cientistas concordam unanimemente que Deus não existe e que o mundo em nosso redor é produto de um processo evolutivo sem sentido. Considere o que alguns renomados da ciência disseram sobre a criação e  a evolução:

“Porque eu estou bem ciente que dificilmente um único ponto é discutido neste volume [A Origem das Espécies] em que os fatos não possam ser apresentados, muitas vezes,  aparentemente, levando a conclusões diretamente opostas àquelas a que cheguei”.

— Charles Darwin (1809-1882), naturalista britânico que popularizou a teoria da evolução através da seleção natural.

“Quanto mais eu estudo a natureza, mais fico impressionado com a obra do Criador. Em suas menores criaturas, Deus colocou propriedades extraordinárias que transformou-as em agentes de destruição de matéria morta”.

“Um pouco de ciência distancia uma pessoa de Deus, mas muita ciência a aproxima dEle”.

— Louis Pasteur (1822-1895), cientista francês, desenvolvedor do processo de pasteurização do leite e das vacinas para o antraz, cólera aviária e a raiva.

“A teoria da evolução, com a qual nossos jovens estudantes têm sido enganados, constitui, na verdade, um dogma que todo o mundo continua a ensinar, mas cada um, na sua especialidade, o zoólogo ou botânico, sabe que nenhuma das explicações dadas é adequada”.

“A teoria da evolução é impossível. Como um ponto de partida, apesar das aparências, ninguém mais acredita nela . . . A evolução é uma espécie de dogma que os sacerdotes já não acreditam, mas que mantêm para o seu povo”.

— Paul Lemoine (1878-1940), diretor do Museu de História Natural de Paris, presidente da Sociedade Geológica da França e editor da Enciclopédia Francesa

“Postular que o desenvolvimento e a sobrevivência do mais apto é absolutamente uma consequência de mutações casuais me parece uma hipótese baseada em nenhuma prova e incompatível com os fatos. Essas teorias evolutivas clássicas são uma simplificação grosseira de uma massa extremamente complexa e intrincada de fatos, e espanta-me que sejam engolidas tão acrítica e prontamente, e por um tempo tão longo, por tantos cientistas sem um murmúrio de protesto”.

— Sir Ernst Cadeia (1906-1979), co-vencedor do Prêmio Nobel de isolamento e purificação de penicilina de 1945, diretor do Centro Internacional de Pesquisa de Roma para Microbiologia Química, professor de bioquímica do Colégio Imperial, Universidade de Londres.

“Os voos tripulados ao espaço são uma conquista incrível, mas só abriram para a humanidade, até agora, apenas uma pequena porta para ver as profundezas impressionantes do espaço. Uma perspectiva através deste olho mágico nos vastos mistérios do universo só deve confirmar a nossa crença na certeza do  seu Criador”.

“É com honestidade científica que apoio a apresentação de teorias alternativas para a origem do universo, da vida e do homem na sala de aula de ciências. Seria um erro negligenciar a possibilidade de que o universo foi planejado, em vez de ter acontecido por acaso”.

“Os ateus de todo o mundo têm . . . chamado a ciência como sua coroa testemunhal contra a existência de Deus. Mas à medida que eles tentam, com o abuso arrogante do raciocínio científico, provar que Deus não existe, surge a verdade simples e esclarecedora de que seus argumentos são como um bumerangue. Uma das leis mais fundamentais da ciência natural diz que nada no mundo físico nunca acontece sem causa. Simplesmente não pode haver uma criação sem algum tipo de Criador Espiritual . . . No mundo em nossa volta, podemos contemplar as manifestações óbvias do plano divino do Criador”.

— Dr. Wernher von Braun (1912-1977), diretor da NASA e pai do programa espacial norte-americano.

“Para mim as respostas fundamentais sobre o sentido da vida não vêm de ciência, mas de uma reflexão sobre as origens do nosso senso exclusivamente humano do certo e do errado e do registro histórico da vida de Cristo na Terra”.

— Francis Collins, ex-ateu e atualmente diretor do Instituto Nacional de Pesquisa do Genoma Humano.

“Estou convencido de que simplesmente está fora de questão que a primeira matéria viva tenha evoluído de matéria morta e então se desenvolveu em uma criatura extraordinária”.

— Antony Flew, professor de filosofia emérito da Universidade de Reading, anteriormente um dos principais defensores mundial do ateísmo.