Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

Antigos Deuses Trinitários Influenciaram a Aprovação da Trindade

Você está aqui

Antigos Deuses Trinitários Influenciaram a Aprovação da Trindade

Download (Baixar)
MP3 Audio (7.58 MB)

Download (Baixar)

Antigos Deuses Trinitários Influenciaram a Aprovação da Trindade

MP3 Audio (7.58 MB)
×

Marie Sinclair, condessa de Caithness, em seu livro de 1876, Antigas Verdades sob Uma Nova Luz, afirma: “Geralmente, embora erroneamente, se supõe que a doutrina da trindade é de origem cristã. Quase todas as nações da antiguidade possuíam uma doutrina similar. [O antigo teólogo católico] São Jerônimo atesta de forma inequívoca: ‘Todas as nações antigas acreditavam na trindade’” ([Old Truths in a New Light] pág. 382).

Observe como trechos dos documentos a seguir citam a crença em uma trindade divina em muitas regiões e religiões do mundo antigo.

Suméria

“O universo foi dividido em três regiões cada uma dos quais tornou-se o domínio de um deus. Anu regia o céu. A terra foi dada a Enlil. Ea se tornou o governante das águas. Juntos, eles constituem a tríade dos Grandes Deuses” (A Enciclopédia Larousse de Mitologia [The Larousse Encyclopedia of Mythology], 1994, págs. 54-55)

Babilônia

“Os antigos babilônios reconheceram a doutrina de uma trindade, ou três pessoas em um deus―como aparece em um deus composto de três cabeças que fazem parte de sua mitologia, e o uso do triângulo equilátero, também, como um emblema da trindade como unidade” (Thomas Dennis Rock, A Mulher Mística e as Cidades das Nações [The Mystical Woman and the Cities of the Nations], 1867, págs. 22-23).

Índia

“Os Puranas, uma das bíblias hindu de mais de três mil anos atrás, contém a seguinte passagem: ‘Ó três Senhores! sabes que eu reconheço um só Deus. Dizei-me, portanto, qual de vós sois a verdadeira divindade, para que eu possa recorrer somente a ele em minha adorações’. Os três deuses, Brahma, Vishnu e Shiva [ou Siva], tornando-se manifesto a ele, responderam: ‘Aprendei, Ó devoto, que não há distinção real entre nós. O que lhe surge é somente a semelhança. O único ser aparece sob três formas pelos atos de criação, preservação e destruição, mas ele é um só’”.

“Por isso, o triângulo foi adotado por todas as nações antigas como um símbolo da Divindade . . . O três foi considerado entre todas as nações pagãs como o principal dos números místicos, porque, como Aristóteles observou, ele contém dentro de si um começo, um meio e um fim. Por isso achamos que ele designa alguns dos atributos de quase todos os deuses pagãos” (Sinclair, pág. 382-383).

Grécia

“No século IV a.C. Aristóteles escreveu: “Todas as coisas são três, e três vezes é tudo, e vamos usar esse número na adoração dos deuses, pois, como dizem os pitagóricos, tudo e todas as coisas são limitadas por três, o fim, o meio e o início têm este número em tudo, e este compõe o número da trindade” (Arthur Weigall, Paganismo no Nosso Cristianismo [Paganism in Our Christianity], 1928, pág. 197-198).

Egito

O Hino a Amon ordena que ‘Nenhum deus surgiu antes dele (Amon)’ e que ‘Todos os deuses são três: Amon, Ré e Ptah, e não existe um segundo a eles. Oculto é o seu nome como Amon, ele é Ré na face, e seu corpo é Ptah’... Esta é uma declaração de trindade, os três principais deuses do Egito agrupados em um deles, Amon. Claramente, o conceito de união orgânica dentro da pluralidade alcançou um impulso extraordinário com esta formulação. Teologicamente, de uma forma tosca e surpreendente isso se aproxima da posterior forma cristã de monoteísmo trinitário plural” (Simson Najovits, Egito: O Tronco da Árvore, vol. 2, 2004, págs. 83-84).

Outras regiões

Muitas outras áreas tinham suas próprias trindades divinas. Na Grécia eram Zeus, Poseidon e Adonis. Os fenícios adoraram Ulomus, Ulosuros e Eliun. Em Roma adoravam Júpiter, Netuno e Plutão. Nas nações germânicas eram chamados de Wodan, Thor e Fricco. E sobre os celtas, uma fonte diz: ‘As divindades pagãs antigas do irlandeses pagãos, Criosan, Biosena e Seeva, ou Sheeva, são sem dúvida o Creeshna [Krishna], Veeshnu [Vishnu], [ou o todo incluso] Brahma, e Siva [Shiva], dos hindus’” (Thomas Maurice, A História do Hinduísmo, vol. 2, 1798, pág. 171).

“A origem do conceito é inteiramente pagã”

O egiptólogo Arthur Weigall, enquanto ele próprio um trinitário, resumiu a influência das crenças antigas sobre a adoção da doutrina da trindade pela Igreja Católica no seguinte trecho de seu livro, já citado: “Não se deve esquecer que Jesus Cristo nunca mencionou tal fenômeno [a trindade], e em nenhum lugar do Novo Testamento a palavra ‘trindade’ aparece. A ideia só foi adotada pela Igreja trezentos anos após a morte de nosso Senhor; e a origem deste conceito é inteiramente pagã . . .

Os antigos egípcios, cuja influência sobre o pensamento religioso primitivo era profunda, geralmente organizavam seus deuses ou deusas em trindades: Havia a trindade de Osíris, Isis e Hórus, a trindade do Amen,

“Os primeiros cristãos, no entanto, no início não pensaram em aplicar essa ideia em sua própria fé. Eles prestavam suas devoções a Deus Pai e Jesus Cristo, o Filho de Deus, e reconheciam a existência misteriosa e indefinida do Espírito Santo, mas não havia nenhum pensamento destes três serem uma trindade real, co-iguais e unidos em Um . . .

“A aplicação desse antigo conceito pagão da trindade na teologia cristã foi possível graças ao reconhecimento do Espírito Santo como a necessária terceira ‘Pessoa’, co-igual com as outras ‘Pessoas’ . . .

“A ideia do Espírito sendo não foi plenamente reconhecida até a segunda metade do século IV d.C. . . . No ano 381 do Concílio de Constantinopla acrescentou ao Credo Niceno anterior uma descrição do Espírito Santo como ‘o Senhor e doador da vida, que procede do Pai, que com o Pai e o Filho é adorado e glorificado’ . . .

“Assim, o credo atanasiano, composto mais tarde, que reflete os conceitos gerais de Atanásio [o trinitário do quarto século, cuja opinião se tornou doutrina oficial] e sua escola, formulou o conceito de um Espírito Santo co-igual e trinitário onde ele era a terceira ‘pessoa’, e assim foi criado o dogma de

“Hoje, um pensador cristão a definição é obviamente pagã em sua origem e não foi adotada pela Igreja até quase trezentos anos depois de Cristo” (págs. 197-203).

James Bonwick resumiu bem a história na página 396 de sua obra de 1878, A Crença Egípcia e o Pensamento Moderno: “É um fato inquestionável que mais ou menos em todo o mundo as deidades são apresentadas em tríades. Esta regra aplica-se aos hemisférios oriental e ocidental, ao norte e sul.

“Além disso, observa-se que, de alguma forma mística, a tríade de três pessoas é uma delas. A primeira é como o segundo ou o terceiro, o segundo como o primeiro ou o terceiro, o terceiro como o primeiro ou o segundo; na verdade, eles estão uns nos outros, e um mesmo ser individual. A definição de Atanásio, que viveu no Egito, aplica-se às trindades de todas as religiões pagãs”.