Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

O Domingo de Páscoa: Disfarçando Uma Verdade Bíblica

Você está aqui

O Domingo de Páscoa

Disfarçando Uma Verdade Bíblica

Em contraste com o público em geral, que considera o Natal o mais importante feriado cristão, muitos teólogos consideram o Domingo de Páscoa como uma festa de primazia, pois comemora a ressurreição de Jesus. Assim como acontece com o Natal, descobrimos que os costumes populares associados à celebração do Domingo de Páscoa—coelhos e ovos de páscoa—não têm nada a ver com o relato bíblico da vida de Cristo, neste caso a Sua ressurreição dos mortos.

Então, de onde surgiram essas práticas?

A Enciclopédia Britânica diz: “Como no Natal, assim também no Domingo de Páscoa, os costumes populares refletem muitos resquícios de costumes pagãos antigos—neste caso, estão ligados a ritos de fertilidade da primavera, como os símbolos do ovo de páscoa e do coelho da páscoa” (15 ª edição, Macropédia, Vol. 4, pág. 605, “Ano da Igreja”).

A história do Domingo de Páscoa na antiguidade

As raízes da celebração do Domingo de Páscoa datam de muito antes da vida, morte, e ressurreição de Jesus Cristo. Vários costumes do Domingo de Páscoa podem ser rastreados até as antigas celebrações da primavera em honra a Astarte, a deusa da primavera e da fertilidade. A Bíblia se refere a ela como “Astarote, a abominação dos sidônios” (2 Kings 23:13 2 Kings 23:13And the high places that were before Jerusalem, which were on the right hand of the mount of corruption, which Solomon the king of Israel had built for Ashtoreth the abomination of the Zidonians, and for Chemosh the abomination of the Moabites, and for Milcom the abomination of the children of Ammon, did the king defile.
American King James Version×
) e, como O Dicionário Expositivo Completo das Palavras do Antigo e do Novo Testamento de Vine menciona, “a Rainha do Céu”, cujo adoração Deus condenou (Jeremiah 7:18 Jeremiah 7:18The children gather wood, and the fathers kindle the fire, and the women knead their dough, to make cakes to the queen of heaven, and to pour out drink offerings to other gods, that they may provoke me to anger.
American King James Version×
; 44:24-28).

Francis Weiser, professor de filosofia no Colégio Boston, informa os seguintes fatos: “A origem do ovo de páscoa é baseado nas tradições da fertilidade das raças indo-europeias . . . O coelhinho da páscoa teve sua origem na tradição pré-cristã da fertilidade. As lebres e os coelhos eram os animais mais férteis que nossos antepassados ​​conheciam, assim serviram como símbolos da nova vida abundante na primavera” (Manual de Festas e Costumes Cristãos, 1958, págs. 233, 236). (Para mais informações sobre estes símbolos, consulte “Os Símbolos da Fertilidade: Inferiores à Nobreza de Deus” na página 33).

Os rituais e costumes da fertilidade foram incorporados às práticas religiosas no início da história humana. Depois que Adão e Eva rejeitaram a Deus no Jardim do Éden (Gênesis 3), a humanidade buscou outras explicações para a vida. As forças da natureza e as estações do ano, que não podiam ser controlados, começaram a ser vistos como deuses, deusas e poderes sobrenaturais a ser adorados e temidos. O homem logo criou seus próprios deuses, contrariando a instrução de Deus contra a idolatria (Exodus 20:3-6 Exodus 20:3-6 [3] You shall have no other gods before me. [4] You shall not make to you any graven image, or any likeness of any thing that is in heaven above, or that is in the earth beneath, or that is in the water under the earth. [5] You shall not bow down yourself to them, nor serve them: for I the LORD your God am a jealous God, visiting the iniquity of the fathers on the children to the third and fourth generation of them that hate me; [6] And showing mercy to thousands of them that love me, and keep my commandments.
American King James Version×
; Deuteronomy 5:7-10 Deuteronomy 5:7-10 [7] You shall have none other gods before me. [8] You shall not make you any graven image, or any likeness of any thing that is in heaven above, or that is in the earth beneath, or that is in the waters beneath the earth: [9] You shall not bow down yourself to them, nor serve them: for I the LORD your God am a jealous God, visiting the iniquity of the fathers on the children to the third and fourth generation of them that hate me, [10] And showing mercy to thousands of them that love me and keep my commandments.
American King James Version×
).

“As nações pagãs fizeram estátuas ou imagens para representar as forças que adoravam. A maioria desses ídolos estava sob a forma de animais ou seres humanos. Mas, às vezes, os ídolos representavam poderes celestiais, como o sol, a lua e as estrelas; as forças da natureza, como o mar e a chuva; ou as forças da vida, como morte e a verdade . . .

“Com o tempo, um elaborado sistema de crenças nessas forças naturais foi desenvolvido na mitologia. Cada civilização e cultura tinha sua própria estrutura mitológica, mas as estruturas muitas vezes eram muito semelhantes. Os nomes dos deuses podiam ser diferentes, mas as suas funções e ações eram sempre as mesmas. O mito mais importante que cruzava as linhas culturais era o do ciclo de fertilidade. Muitas culturas pagãs acreditavam que o deus da fertilidade morria a cada ano durante o inverno, mas depois renascia anualmente na primavera. Os detalhes diferem entre as culturas, mas a ideia principal era a mesma” (Novo Dicionário Bíblico Ilustrado de Nelson, 1995,”Deuses Pagãos”, pág. 508).

Na mitologia pagã o sol representava a vida. Supostamente, o sol morria por volta do solstício de inverno, o dia mais curto do ano. (Como discutido anteriormente, a data fixada para as celebrações do Natal está radicada nesse mito). Os rituais da fertilidade da primavera complementavam o renascimento do sol, cujos símbolos de sobrevivência estão entrelaçados nas celebrações pascais.

Além de coelhos e ovos, outro costume popular do Domingo de Páscoa foi originado na era pré-cristã: “O presunto suíno também era popular entre os europeus e norte-americanos na páscoa, porque o porco era considerado um símbolo de sorte na cultura europeia pré-cristã” (A Enciclopédia da Religião [The Encyclopedia of Religion], 1987, pág. 558, “Easter” [Domingo de Páscoa]).

Rituais de sexo nas culturas antigas

Os antigos rituais da fertilidade giravam em torno da depravação e da imoralidade sexual explícita. Tais rituais foram referidos ao longo da Bíblia por uma variedade de nomes e descrições.

A deusa da fertilidade, babilônica e assíria, era Ishtar, de onde deriva o nome Astarte e Astarote, e muito provavelmente a deusa da primavera anglo-saxônica Eostre ou da germânica Ostara, e donde se originou a palavra inglesa Easter que significa [Domingo de] Páscoa (e que também nos deu origem à palavra Este, a direção do nascer do sol).

Ishtar simbolizava a Mãe Terra nos ciclos naturais da fertilidade terrena. Muitos mitos cresceram em torno desta divindade feminina. Ela era a deusa do amor, e a prática ritualística da prostituição se espalhou no culto da fertilidade dedicada ao seu nome.

“Os templos de Ishtar tinham muitas sacerdotisas, ou prostitutas sagradas, que, simbolicamente, realizavam os rituais da fertilidade do ciclo da natureza. Ishtar foi identificada como a deusa fenícia Astarte, a Astarote semita, e a Inanna suméria. Também existem fortes semelhanças entre Ishtar e a Isis egípcia, a grega Afrodite, e a Vênus romana.

“Associado a Ishtar estava o jovem deus Tamuz (Ezekiel 8:14 Ezekiel 8:14Then he brought me to the door of the gate of the LORD's house which was toward the north; and, behold, there sat women weeping for Tammuz.
American King James Version×
), considerado ambos divino e mortal. Na mitologia babilônica, Tamuz morria anualmente e renascia ano após ano, representando o ciclo anual das estações e das colheitas. Mais tarde, essa crença pagã foi identificada com os deuses pagãos Baal e Anat da terra de Canaã” (Novo Dicionário Bíblico Ilustrado de Nelson, “Deuses Pagãos”, pág. 509). Acreditava-se que Ishtar realizava o renascimento ou a ressurreição de Tamuz na primavera, coincidindo com o desabrochar da natureza. (Para mais detalhes, consulte “A Ligação com a Ressurreição” na página 30).

Em todo o Antigo Testamento, Deus manifestou sua ira contra Seu povo quando serviam a esses falsos deuses (Judges 2:13-14 Judges 2:13-14 [13] And they forsook the LORD, and served Baal and Ashtaroth. [14] And the anger of the LORD was hot against Israel, and he delivered them into the hands of spoilers that spoiled them, and he sold them into the hands of their enemies round about, so that they could not any longer stand before their enemies.
American King James Version×
; 10:6-7; 1 Kings 11:5-11 1 Kings 11:5-11 [5] For Solomon went after Ashtoreth the goddess of the Zidonians, and after Milcom the abomination of the Ammonites. [6] And Solomon did evil in the sight of the LORD, and went not fully after the LORD, as did David his father. [7] Then did Solomon build an high place for Chemosh, the abomination of Moab, in the hill that is before Jerusalem, and for Molech, the abomination of the children of Ammon. [8] And likewise did he for all his strange wives, which burnt incense and sacrificed to their gods. [9] And the LORD was angry with Solomon, because his heart was turned from the LORD God of Israel, which had appeared to him twice, [10] And had commanded him concerning this thing, that he should not go after other gods: but he kept not that which the LORD commanded. [11] Why the LORD said to Solomon, For as much as this is done of you, and you have not kept my covenant and my statutes, which I have commanded you, I will surely rend the kingdom from you, and will give it to your servant.
American King James Version×
; Ezekiel 8:14-18 Ezekiel 8:14-18 [14] Then he brought me to the door of the gate of the LORD's house which was toward the north; and, behold, there sat women weeping for Tammuz. [15] Then said he to me, Have you seen this, O son of man? turn you yet again, and you shall see greater abominations than these. [16] And he brought me into the inner court of the LORD's house, and, behold, at the door of the temple of the LORD, between the porch and the altar, were about five and twenty men, with their backs toward the temple of the LORD, and their faces toward the east; and they worshipped the sun toward the east. [17] Then he said to me, Have you seen this, O son of man? Is it a light thing to the house of Judah that they commit the abominations which they commit here? for they have filled the land with violence, and have returned to provoke me to anger: and, see, they put the branch to their nose. [18] Therefore will I also deal in fury: my eye shall not spare, neither will I have pity: and though they cry in my ears with a loud voice, yet will I not hear them.
American King James Version×
).

O Domingo de Páscoa não era parte do culto da Igreja primitiva

O Novo Testamento não menciona uma celebração de Domingo de Páscoa. Os primeiros cristãos não tinham nada a ver com esse tipo de páscoa pagã. Em vez disso, eles celebraram a verdadeira Páscoa no 14o dia, instituída por Deus séculos antes na época do Êxodo (Exodus 12:6-14 Exodus 12:6-14 [6] And you shall keep it up until the fourteenth day of the same month: and the whole assembly of the congregation of Israel shall kill it in the evening. [7] And they shall take of the blood, and strike it on the two side posts and on the upper door post of the houses, wherein they shall eat it. [8] And they shall eat the flesh in that night, roast with fire, and unleavened bread; and with bitter herbs they shall eat it. [9] Eat not of it raw, nor sodden at all with water, but roast with fire; his head with his legs, and with the entrails thereof. [10] And you shall let nothing of it remain until the morning; and that which remains of it until the morning you shall burn with fire. [11] And thus shall you eat it; with your loins girded, your shoes on your feet, and your staff in your hand; and you shall eat it in haste: it is the LORD's passover. [12] For I will pass through the land of Egypt this night, and will smite all the firstborn in the land of Egypt, both man and beast; and against all the gods of Egypt I will execute judgment: I am the LORD. [13] And the blood shall be to you for a token on the houses where you are: and when I see the blood, I will pass over you, and the plague shall not be on you to destroy you, when I smite the land of Egypt. [14] And this day shall be to you for a memorial; and you shall keep it a feast to the LORD throughout your generations; you shall keep it a feast by an ordinance for ever.
American King James Version×
; Leviticus 23:5 Leviticus 23:5In the fourteenth day of the first month at even is the LORD's passover.
American King James Version×
). O próprio Jesus Cristo guardou esta festa (Matthew 26:17-18 Matthew 26:17-18 [17] Now the first day of the feast of unleavened bread the disciples came to Jesus, saying to him, Where will you that we prepare for you to eat the passover? [18] And he said, Go into the city to such a man, and say to him, The Master said, My time is at hand; I will keep the passover at your house with my disciples.
American King James Version×
) e lhe deu um significado mais claro sob a Nova Aliança, com a instituição dos símbolos do pão e do vinho, Seu corpo afligido e sangue derramado, que significa Seu sofrimento e morte a nosso favor (versículos 26-29). Ele é o Cordeiro de Deus, oferecido como o sacrifício da verdadeira Páscoa pelos pecados do mundo (John 1:29 John 1:29The next day John sees Jesus coming to him, and said, Behold the Lamb of God, which takes away the sin of the world.
American King James Version×
; 1 Corinthians 5:7 1 Corinthians 5:7Purge out therefore the old leaven, that you may be a new lump, as you are unleavened. For even Christ our passover is sacrificed for us:
American King James Version×
).

Jesus disse aos Seus seguidores para continuar observando-a em Sua memória e de Sua morte (1 Corinthians 11:23-26 1 Corinthians 11:23-26 [23] For I have received of the Lord that which also I delivered to you, That the Lord Jesus the same night in which he was betrayed took bread: [24] And when he had given thanks, he broke it, and said, Take, eat: this is my body, which is broken for you: this do in remembrance of me. [25] After the same manner also he took the cup, when he had supped, saying, This cup is the new testament in my blood: this do you, as oft as you drink it, in remembrance of me. [26] For as often as you eat this bread, and drink this cup, you do show the Lord's death till he come.
American King James Version×
). Logo, porém, começou a surgir pressões para substituir a verdadeira Páscoa [do 14o dia] pelos costumes populares do Domingo de Páscoa [Easter]. Este movimento foi a base para muitas contendas no decorrer dos próximos três séculos.

Observe como A Enciclopédia Britânica descreve este período: “Os primeiros cristãos celebravam a Páscoa do Senhor, ao mesmo tempo como os judeus, durante a noite da primeira lua cheia do primeiro mês da primavera (décimo quarto dia de Nisã [ou Abibe]). Em meados do segundo século, a maioria das igrejas havia transferido esta celebração para o domingo após a festa judaica. Mas certas igrejas da Ásia Menor apegaram-se ao antigo costume, por isso foram acusadas de “judaizantes” (Eusébio, História Eclesiástica, livro 5, capítulos 23-25). O primeiro Concílio Ecumênico de Nicéia, em 325 decretou que todas as igrejas deviam observar juntas a festa [Páscoa] num domingo” (15 ª edição, Macropédia, Vol. 4, págs. 604-605, “Ano da Igreja”).

“Depois de longas e ferozes controvérsias sobre a data (que é determinada pelo calendário lunar), definiu-se no Concílio de Nicéia, em 325, que a data para a Páscoa seria o primeiro domingo após a lua cheia que segue o equinócio da primavera. O Domingo de Páscoa se tornou o centro de uma estrutura litúrgica fixa dos tempos e festivais anuais da igreja” (ibidem, pág. 499, “Cristianismo”).

A pressão contra a Páscoa bíblica

Por que o Domingo de Páscoa substituiu a Páscoa bíblica do 14o dia?

Embora o Domingo de Páscoa fosse claramente de origem pagã, os líderes cristãos, dos primeiros dois séculos após a crucificação de Cristo, empregaram a mesma filosofia para estabelecer o novo feriado religioso, que mais tarde aplicaram ao estabelecimento do Natal. Acreditando que as pessoas são livres para escolher seus próprios tempos e os costumes para o culto a Deus, eles começaram a substituir gradualmente a Páscoa do décimo quarto dia, ordenada na Bíblia, pela celebração do Domingo de Páscoa criada por raciocínio humano.

Era mais fácil atrair adoradores pagãos ao cristianismo e manter a sua devoção através da identificação da festa da ressurreição da Primavera das religiões pagãs que era conhecida há muito tempo, com a ressurreição de Cristo.

O preconceito contra os judeus também parece ter sido um fator importante na decisão dos líderes da igreja para fazer tais alterações. De acordo com R.K. Bishop: “O desenvolvimento inicial da celebração do Domingo de Páscoa e as disputas associadas sobre o calendário, foram, em grande parte, resultado da tentativa do cristianismo de emancipar-se do judaísmo. O domingo já tinha substituído o Sábado judaico no início do segundo século, e apesar dos esforços na Ásia Menor para manter a data da Páscoa judaica, 14 de Nisã para a Páscoa [a verdadeira Páscoa], o Concílio de Nicéia, adotou o domingo anual seguinte à lua cheia após o equinócio primaveril (21 de março)” (Walter Elwell, editor, Dicionário Evangélico de Teologia [Evangelical Dictionary of Theology], 1984,”Easter “ [Domingo de Páscoa]).

Antes de 70 d.C., o cristianismo era “considerado pelo governo romano e pelas pessoas em geral como um ramo da religião judaica” (Jesse Lyman Hurlbut, A História da Igreja Cristã, 1954, pág. 34). O cristianismo e o judaísmo compartilhavam os dias de festas bíblicas, embora os cristãos as observassem com significados adicionais, introduzidos por Jesus e pelos apóstolos.

No entanto, duas revoltas judaicas contra o Império Romano, em 64-70 e 132-135, conduziram à perseguição generalizada dos judeus e à supressão de suas práticas religiosas. Os judeus foram expulsos de Jerusalém e proibidos de voltar, sob pena de morte. Por causa dessa grande pressão, alguns cristãos começaram a abandonar as crenças e práticas, que eram vistas como sendo bastante judaicas. Ao longo do tempo muitos abandonaram o descanso e o culto semanal do dia de Sábado em favor do culto no Domingo, o dia pagão do sol, e também abandonaram a Páscoa bíblica [do décimo quarto dia] em favor do Domingo de Páscoa para se distanciar dos judeus.

A Nova Enciclopédia Católica explica: “Originalmente, ambas as observâncias [a Páscoa bíblica do 14o dia e o Domingo de Páscoa] eram permitidas, mas aos poucos se percebeu que era um absurdo os cristãos celebrarem a Páscoa numa festa judaica, e foi exigido comemorar em unidade essa principal festa cristã” (1967, Vol. 5., pág. 8, “A Controvérsia do Domingo de Páscoa”).

O debate da Páscoa bíblica do 14o dia e o Domingo de Páscoa

A aceitação do Domingo de Páscoa em vez da Páscoa bíblica do 14o dia não aconteceu sem resistência. Dois líderes religiosos da metade do segundo século—Policarpo, bispo de Esmirna, na Ásia Menor, e Aniceto, bispo de Roma—debateram muito este assunto.

Aniceto argumentava pelo Domingo de Páscoa, enquanto Policarpo, um estudioso do apóstolo João, defendia a observância da “Páscoa cristã, no dia 14 de Nisã, o primeiro mês do calendário eclesiástico judaico, independentemente do dia da semana” (A Enciclopédia Britânica, 15 ª edição, Macropédia, vol. 8, pág. 94, “Policarpo”).

Policarpo ensinou a observância da Páscoa como a Igreja primitiva tinha observado. Eusébio mencionou que Policarpo disse que este era o caminho que “ele sempre tinha observado com João, o discípulo do Senhor, e o resto dos apóstolos, com quem estivera associado” (A História Eclesiástica de Eusébio, 1995, págs. 210-211). Esses cristãos do segundo século ainda estavam seguindo o exemplo de Jesus Cristo em observar a Páscoa bíblica (comparar 1 Corinthians 11:1 1 Corinthians 11:1Be you followers of me, even as I also am of Christ.
American King James Version×
; 1 Peter 2:21 1 Peter 2:21For even hereunto were you called: because Christ also suffered for us, leaving us an example, that you should follow his steps:
American King James Version×
; 1 John 2:6 1 John 2:6He that said he stays in him ought himself also so to walk, even as he walked.
American King James Version×
).

Várias décadas depois, outro líder da igreja na Ásia Menor, Polícrates, discutiu o mesmo assunto com o novo bispo de Roma, Victor. Eusébio escreveu sobre a continuidade do debate:

“Houve uma discussão considerável nessa ocasião, em conseqüência de uma diferença de opinião com respeito à observância da temporada pascal [a Páscoa bíblica]. As igrejas de toda a Ásia, seguindo uma tradição mais antiga, acreditavam que eles deveriam manter o décimo quarto dia da lua para a festa da Páscoa do Salvador, no mesmo dia que os judeus receberam a ordem de matar o cordeiro pascal . . .

“Os bispos . . . da Ásia, perseverando a observação do costume que lhes fora transmitido por seus pais, eram liderados por Polícrates. Aliás, ele também havia reafirmado a tradição transmitida a eles numa carta dirigida a Victor e à Igreja de Roma. ‘Nós’, disse ele, ‘portanto, observamos o dia legítimo, sem tirar nem colocar nada. Pois, na Ásia grandes luzes caíram no sono, que acordarão novamente no dia do retorno Senhor, no qual Ele virá com glória do céu, e levantará todos os santos do Senhor . . .

“Além disso, João, que descansava sobre o seio de nosso Senhor . . . também Policarpo de Esmirna, bispo e mártir. Thraseas . . . Sagaris . . . Papirius e Melito . . . Todos estes observavam o décimo quarto dia da Páscoa, segundo o Evangelho, sem desviar em nenhum aspecto, mas seguindo a regra da fé. Além disso, eu, Polícrates, que sou o menor de todos vocês, de acordo com a tradição dos meus parentes, alguns dos quais tenho seguido. E lá eram sete parentes meus [que eram] bispos, e eu sou o oitavo, e eles sempre observaram o dia em que as pessoas (ou seja, os judeus) removiam o fermento”.

“Eu, pois, irmãos, agora tenho sessenta e cinco anos no Senhor, tendo conferido com irmãos em todo o mundo, e tendo estudado todas as Escrituras Sagradas acerca do assunto, não fico nada espantado com essas coisas com que estou sendo ameaçado e intimidado. Pois os que são maiores do que eu disseram, que ‘devemos obedecer a Deus antes que a homens’” (págs. 207-209).

Infelizmente, o raciocínio das pessoas venceu em vez das instruções de Deus e do exemplo de Jesus Cristo e seus discípulos originais.

Um novo tema no culto

Conforme o domingo de Páscoa substituiu a Páscoa bíblica, não apenas uma nova data foi marcada (o primeiro domingo após o equinócio da primavera ao invés do dia bíblico de 14 de Nisã), mas um novo tema foi introduzido. Ao invés de comemorar a morte de Cristo, conforme indicado nas Escrituras (1 Corinthians 11:26 1 Corinthians 11:26For as often as you eat this bread, and drink this cup, you do show the Lord's death till he come.
American King James Version×
), o novo feriado foi criado para celebrar a Sua ressurreição. Este novo tema adaptava-se facilmente aos símbolos de fertilidade dos pagãos. E também ajudava a distinguir a comunidade cristã dos judeus, um dos principais objetivos dos líderes da igreja nessa época.

Embora a ressurreição de Cristo seja uma base importante da esperança que temos de sermos também ressuscitados (1 Corinthians 15:17 1 Corinthians 15:17And if Christ be not raised, your faith is vain; you are yet in your sins.
American King James Version×
; Romans 5:10 Romans 5:10For if, when we were enemies, we were reconciled to God by the death of his Son, much more, being reconciled, we shall be saved by his life.
American King James Version×
), e fundamental para a continuação do plano de salvação de Deus, nem Deus Pai nem Cristo e muito menos as Escrituras nos orienta expressamente a celebrar este evento.

Na verdade, o amor de Deus é, antes de tudo, expresso a toda a humanidade através da crucificação de Jesus Cristo (John 3:16 John 3:16For God so loved the world, that he gave his only begotten Son, that whoever believes in him should not perish, but have everlasting life.
American King James Version×
; Hebrews 9:28 Hebrews 9:28So Christ was once offered to bear the sins of many; and to them that look for him shall he appear the second time without sin to salvation.
American King James Version×
). Sua morte, pela qual nossos pecados podem ser perdoados, é o foco principal da Páscoa, e não a Sua ressurreição. Muitos dos detalhes de Sua morte e dos eventos que conduziram e rodearam essa morte foram profetizados precisamente nas Escrituras Hebraicas com centenas de anos de antecedência.

A decisão voluntária de Deus Pai de entregar Seu Filho Unigênito—e o consentimento de Jesus Cristo em entregar Sua vida à tortura e execução como sacrifício pelos pecados da humanidade—foram ações muito mais exigentes do que a demonstração do poder de Deus sobre a morte mediante a ressurreição.

A humanidade necessita de um Salvador

Não há muito que discutir. A Bíblia descreve o pecado e nossa necessidade de perdão e reconciliação com Deus (o tema da Páscoa biblicamente ordenada e dos Dias dos Pães Asmos) com muito mais frequência do que o assunto da ressurreição. Dentro da versão da Bíblia Almeida Revista e Corrigia, a palavra pecado é usada 559 vezes em comparação com a palavra ressurreição, que aparece apenas 41 vezes. Não se esqueça de que o pecado foi a causa da morte de Cristo. Somente por meio do arrependimento de nossos pecados e reconciliação com Deus pela morte de Cristo podemos ter certeza de sermos ressuscitados (Acts 2:38 Acts 2:38Then Peter said to them, Repent, and be baptized every one of you in the name of Jesus Christ for the remission of sins, and you shall receive the gift of the Holy Ghost.
American King James Version×
; John 5:29 John 5:29And shall come forth; they that have done good, to the resurrection of life; and they that have done evil, to the resurrection of damnation.
American King James Version×
; John 11:25 John 11:25Jesus said to her, I am the resurrection, and the life: he that believes in me, though he were dead, yet shall he live:
American King James Version×
).

Isso não significa minimizar a importância da ressurreição de Cristo. Pois, ela também é um passo crucial no processo de salvação (1 Coríntios 15). Depois de sermos reconciliados com Deus Pai, pela morte de Seu Filho, por fim, somos salvos pela vida de Cristo, sendo que Ele intercede por nós como nosso Sumo Sacerdote e vive em nós através do Espírito Santo, nos ajudando a vencer o pecado (Romans 5:10 Romans 5:10For if, when we were enemies, we were reconciled to God by the death of his Son, much more, being reconciled, we shall be saved by his life.
American King James Version×
; Hebrews 4:14-16 Hebrews 4:14-16 [14] Seeing then that we have a great high priest, that is passed into the heavens, Jesus the Son of God, let us hold fast our profession. [15] For we have not an high priest which cannot be touched with the feeling of our infirmities; but was in all points tempted like as we are, yet without sin. [16] Let us therefore come boldly to the throne of grace, that we may obtain mercy, and find grace to help in time of need.
American King James Version×
; 1 John 2:1 1 John 2:1My little children, these things write I to you, that you sin not. And if any man sin, we have an advocate with the Father, Jesus Christ the righteous:
American King James Version×
; Galatians 2:20 Galatians 2:20I am crucified with Christ: nevertheless I live; yet not I, but Christ lives in me: and the life which I now live in the flesh I live by the faith of the Son of God, who loved me, and gave himself for me.
American King James Version×
). O processo de nossa saída do pecado é retratado na festa bíblica imediatamente após a Páscoa, os Dias dos Pães Asmos, durante os quais ocorreu a ressurreição de Cristo.

Porém, a Bíblia novamente nada instrui aos cristãos quanto a realizar uma comemoração especial da ressurreição de Cristo e não há nenhum registro bíblico de que os primeiros cristãos tenham feito isso. Mas está muito claro que, tanto Jesus Cristo como também o apóstolo Paulo esperam que os discípulos de Cristo comemorem Sua morte sacrificial por nós numa cerimônia especial (Matthew 26:26-28 Matthew 26:26-28 [26] And as they were eating, Jesus took bread, and blessed it, and broke it, and gave it to the disciples, and said, Take, eat; this is my body. [27] And he took the cup, and gave thanks, and gave it to them, saying, Drink you all of it; [28] For this is my blood of the new testament, which is shed for many for the remission of sins.
American King James Version×
; 1 Corinthians 5:7 1 Corinthians 5:7Purge out therefore the old leaven, that you may be a new lump, as you are unleavened. For even Christ our passover is sacrificed for us:
American King James Version×
; 11:23-28).

No entanto, a celebração do Domingo de Páscoa prevaleceu. Aqueles que permaneceram fiéis ao exemplo de Cristo em guardar a Páscoa (no dia 14) e os Dias dos Pães Asmos diminuíram em número e foram perseguidos por aqueles que escolheram o Domingo de Páscoa.

Como é que Deus considera estas mudanças, de cunho puramente humano, na adoração ordenada por Ele, será considerado no capítulo seguinte. Mas agora vamos examinar como é que as tradições desse feriado religioso não coincidem com o registro bíblico.

Ressurreição no domingo de manhã?

A escolha de um Domingo para o dia de Páscoa foi baseada na suposição de que Cristo ressuscitou do sepulcro cedo numa manhã de domingo.

A crença popular diz que Cristo foi crucificado numa sexta-feira e ressuscitou no domingo. Mas nenhuma destas suposições é apoiada pelo registro bíblico.

Matthew 12:38 Matthew 12:38Then certain of the scribes and of the Pharisees answered, saying, Master, we would see a sign from you.
American King James Version×
mostra alguns dos escribas e fariseus pedindo a Jesus um sinal para provar que Ele era o Messias. Jesus disse-lhes que o único sinal que daria era o do profeta Jonas: “Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do Homem três dias e três noites no seio da terra” (versículo 40).

Mas como podemos encaixar “três dias e três noites no seio da terra” entre a crucificação numa sexta-feira à tarde e a ressurreição num domingo de manhã? O conceito tradicional de Sua crucificação e ressurreição só possibilita que Jesus tenha ficado enterrado apenas um dia e meio. [Ver págs. 26 e 27].

Alguns tentam conciliar as palavras de Cristo com sua crença numa crucificação na sexta-feira e ressurreição no domingo, arrazoando que a declaração de Cristo sobre “três dias e três noites” não exige literalmente um período de 72 horas. Eles argumentam que parte de um dia pode ser contado como um dia inteiro. Assim, uma vez que Jesus morreu à tarde—por volta da “hora nona” depois do amanhecer, ou cerca de três horas da tarde (Matthew 27:46-50 Matthew 27:46-50 [46] And about the ninth hour Jesus cried with a loud voice, saying, Eli, Eli, lama sabachthani? that is to say, My God, my God, why have you forsaken me? [47] Some of them that stood there, when they heard that, said, This man calls for Elias. [48] And straightway one of them ran, and took a sponge, and filled it with vinegar, and put it on a reed, and gave him to drink. [49] The rest said, Let be, let us see whether Elias will come to save him. [50] Jesus, when he had cried again with a loud voice, yielded up the ghost.
American King James Version×
)—eles acham que o restante da sexta-feira comporia o primeiro dia, o Sábado, o segundo, e parte do domingo, o terceiro.

No entanto, eles não levam em consideração que apenas duas noites— noite de sexta e noite de sábado—são contadas nessa explicação. Afinal, a Bíblia deixa claro que Jesus já havia ascendido antes da parte iluminada do domingo (John 20:1 John 20:1The first day of the week comes Mary Magdalene early, when it was yet dark, to the sepulcher, and sees the stone taken away from the sepulcher.
American King James Version×
). Obviamente, alguma coisa está errada com esta conclusão comum a respeito de quando Cristo esteve no túmulo.

Cristo se refere especificamente a Jonah 1:17 Jonah 1:17Now the LORD had prepared a great fish to swallow up Jonah. And Jonah was in the belly of the fish three days and three nights.
American King James Version×
, onde afirma: “Esteve Jonas três dias e três noites nas entranhas do peixe”. Não temos razão para pensar que esses dias e noites eram fracionados. E nem há nenhuma base para pensar que Jesus quis dizer apenas duas noites e um dia, e partes de dois dias, quando Ele predisse o tempo que estaria no túmulo. Este tipo de raciocínio compromete a integridade das palavras de Jesus.

O sinal de Cristo foi cumprido?

Se Jesus estivesse no túmulo somente a partir da tarde de sexta-feira até a manhã de domingo, então o sinal dado de que Ele era o Messias prometido não foi cumprido. A afirmação de Sua messianidade repousa sobre o cumprimento de Suas palavras, e isso é uma questão muito séria.

Vamos examinar cuidadosamente os detalhes daqueles dias fatídicos. Cada um dos escritores dos Evangelhos informa sobre os eventos, mas também cada um apresenta diferentes aspectos que precisam ser sincronizados e harmonizados corretamente para gerar uma sequência e uma compreensão clara do que aconteceu. Veremos que, quando cada relato é considerado, os detalhes cronológicos se ajustam perfeitamente.

Por exemplo, John 19:31 John 19:31The Jews therefore, because it was the preparation, that the bodies should not remain on the cross on the sabbath day, (for that sabbath day was an high day,) sought Pilate that their legs might be broken, and that they might be taken away.
American King James Version×
preserva um ponto crucial que dá discernimento sobre as outras narrativas. O dia de preparação em que Jesus foi crucificado é descrito como a véspera do sábado. Mas João esclarece afirmando que “era grande” este sábado que se aproximava. Isto não se refere ao sábado semanal (ocaso de sexta-feira ao ocaso de sábado), mas ao primeiro dia dos Pães Asmos, que é um dos grandes dias, ou sábados, de Deus (Exodus 12:16-17 Exodus 12:16-17 [16] And in the first day there shall be an holy convocation, and in the seventh day there shall be an holy convocation to you; no manner of work shall be done in them, save that which every man must eat, that only may be done of you. [17] And you shall observe the feast of unleavened bread; for in this selfsame day have I brought your armies out of the land of Egypt: therefore shall you observe this day in your generations by an ordinance for ever.
American King James Version×
; Leviticus 23:6-7 Leviticus 23:6-7 [6] And on the fifteenth day of the same month is the feast of unleavened bread to the LORD: seven days you must eat unleavened bread. [7] In the first day you shall have an holy convocation: you shall do no servile work therein.
American King James Version×
), que poderia—e geralmente acontece—cair em outros dias da semana.

Alguns acreditam que, naquele ano, este grande dia caiu no sétimo dia da semana, coincidindo com o sábado semanal, de tal modo que o dia da preparação era na sexta-feira. Mas o relato de Lucas mostra que este não foi o caso. Observe a sequência de eventos descritos em Lucas 23.

O momento da morte de Jesus, assim como Seu sepultamento apressado por causa do sábado imediato, é narrado nos versículos 46-53. O versículo 54, em seguida, afirma: “Era o Dia da Preparação, e estava para começar o sábado” (NVI).

A menção de dois sábados

Muitos presumiram que aqui se estava mencionando o sábado semanal. Mas é uma ideia errada. Na verdade, era um sábado, que ocorreu numa quinta-feira, visto que o versículo 56 mostra que as mulheres, depois de verem o corpo de Cristo ser colocado no sepulcro, voltaram e “prepararam especiarias e unguentos” para o preparativo final do corpo.

Esse trabalho não poderia ser feito num dia de sábado, pois seria sido considerado uma violação do sábado. Isto pode ser verificado no relato de Marcos, que afirma: “E, passado o sábado, Maria Madalena, Salomé e Maria, mãe de Tiago, compraram aromas [que não podiam ser comprados naquele grande dia de sábado] para irem ungi-Lo” (Mark 16:1 Mark 16:1And when the sabbath was past, Mary Magdalene, and Mary the mother of James, and Salome, had bought sweet spices, that they might come and anoint him.
American King James Version×
).

As mulheres tiveram que esperar até este sábado terminasse para poderem comprar e preparar as especiarias que seriam utilizadas para ungir o corpo de Jesus. Então, como diz Luke 23:56 Luke 23:56And they returned, and prepared spices and ointments; and rested the sabbath day according to the commandment.
American King James Version×
, foi depois de comprar e preparar as especiarias e óleos na sexta-feira que elas “descansaram no sábado, em obediência ao mandamento” (NVI). Este segundo sábado mencionado nos relatos dos Evangelhos é o sábado semanal regular, observado a partir do pôr-do-sol da sexta-feira até o pôr-do-sol do sábado.

Na comparação dos detalhes em ambos os Evangelhos—onde Marcos diz que as mulheres compraram especiarias após o sábado e Lucas relata que elas prepararam as especiarias e então descansaram no sábado—podemos ver claramente que são mencionados dois sábados diferentes. O primeiro foi um “grande dia” (John 19:31 John 19:31The Jews therefore, because it was the preparation, that the bodies should not remain on the cross on the sabbath day, (for that sabbath day was an high day,) sought Pilate that their legs might be broken, and that they might be taken away.
American King James Version×
)—o primeiro dia da Festa dos Pães Asmos —que naquele ano, 31d.C., caiu numa quinta-feira. O segundo foi o sábado semanal do sétimo dia. (Veja abaixo “A Cronologia da Crucificação e Ressurreição de Cristo”).

O sinal do Messias

Depois que as mulheres descansaram no sábado semanal regular, então elas foram cedo ao sepulcro de Jesus no primeiro dia da semana (domingo), “sendo ainda escuro” (John 20:1 John 20:1The first day of the week comes Mary Magdalene early, when it was yet dark, to the sepulcher, and sees the stone taken away from the sepulcher.
American King James Version×
), e descobriram que Ele já havia sido ressuscitado (Matthew 28:1-6 Matthew 28:1-6 [1] In the end of the sabbath, as it began to dawn toward the first day of the week, came Mary Magdalene and the other Mary to see the sepulcher. [2] And, behold, there was a great earthquake: for the angel of the Lord descended from heaven, and came and rolled back the stone from the door, and sat on it. [3] His countenance was like lightning, and his raiment white as snow: [4] And for fear of him the keepers did shake, and became as dead men. [5] And the angel answered and said to the women, Fear not you: for I know that you seek Jesus, which was crucified. [6] He is not here: for he is risen, as he said. Come, see the place where the Lord lay.
American King James Version×
; Mark 16:2-6 Mark 16:2-6 [2] And very early in the morning the first day of the week, they came to the sepulcher at the rising of the sun. [3] And they said among themselves, Who shall roll us away the stone from the door of the sepulcher? [4] And when they looked, they saw that the stone was rolled away: for it was very great. [5] And entering into the sepulcher, they saw a young man sitting on the right side, clothed in a long white garment; and they were affrighted. [6] And he said to them, Be not affrighted: You seek Jesus of Nazareth, which was crucified: he is risen; he is not here: behold the place where they laid him.
American King James Version×
; Luke 24:1-3 Luke 24:1-3 [1] Now on the first day of the week, very early in the morning, they came to the sepulcher, bringing the spices which they had prepared, and certain others with them. [2] And they found the stone rolled away from the sepulcher. [3] And they entered in, and found not the body of the Lord Jesus.
American King James Version×
). Quando permitimos que as Escrituras interpretem a si mesmas, todos os quatro relatos do Evangelho entram em harmonia e atestam a validade da promessa de Jesus de que estaria no túmulo por três dias e três noites—não apenas parte desse tempo.

Várias traduções da Bíblia reconhecem que esses eventos mostram que havia mais de um sábado. Em Matthew 28:1 Matthew 28:1In the end of the sabbath, as it began to dawn toward the first day of the week, came Mary Magdalene and the other Mary to see the sepulcher.
American King James Version×
algumas versões da Bíblia, incluindo o Novo Testamento Paralelo em Grego e Inglês de Alfred Marshall, a Tradução de Ferrar Fenton e a Tradução Literal de Green, traduzem corretamente esta frase como “depois dos sábados”. A Tradução Literal de Young e O Dicionário Completo de Estudo de Palavras do Novo Testamento (1992, pág. 1270) do mesmo modo reconhecem que aqui se refere a vários sábados.

O texto de Mark 16:1-2 Mark 16:1-2 [1] And when the sabbath was past, Mary Magdalene, and Mary the mother of James, and Salome, had bought sweet spices, that they might come and anoint him. [2] And very early in the morning the first day of the week, they came to the sepulcher at the rising of the sun.
American King James Version×
é confuso para alguns porque parece sugerir que as especiarias foram adquiridas após o sábado semanal, em vez de antes, na sexta-feira. No entanto, isso é explicado por Luke 23:56 Luke 23:56And they returned, and prepared spices and ointments; and rested the sabbath day according to the commandment.
American King James Version×
, que mostra claramente que as mulheres compraram as especiarias antes e não depois do sábado semanal, “e descansaram no sábado segundo o mandamento”.  Marcos não mencionou este sábado semanal de descanso em seu relato, mas Lucas, que, mais tarde, também escreveu seu relato desses eventos, fez isso.

Alguns também tropeçam em Mark 16:9 Mark 16:9Now when Jesus was risen early the first day of the week, he appeared first to Mary Magdalene, out of whom he had cast seven devils.
American King James Version×
ao não levar em conta que não existe pontuação no original grego. Portanto, para ficar em harmonia com o texto apresentado nos outros evangelhos, uma melhor tradução seria:

“E Jesus, tendo ressuscitado, apareceu na manhã do primeiro dia da semana, primeiramente a Maria Madalena . . .”. Estes versículos não estão dizendo que Jesus ressuscitou cedo, na manhã de domingo, mas que Ele apareceu cedo, na manhã de domingo, a Maria Madalena, tendo já ressuscitado algum tempo antes.

Quando analisamos os detalhes em todos os quatro relatos dos Evangelhos, o quadro se torna claro. Jesus foi crucificado e sepultado no final da tarde de quarta-feira, pouco antes de um sábado, que começava ao entardecer. No entanto, este era um grande sábado, caindo naquele ano, no quinto dia da semana, do pôr-do-sol de quarta-feira ao pôr-do-sol de quinta-feira, ao invés de um sábado semanal, que é do pôr-do-sol de sexta-feira ao pôr-do-sol sábado. Ele permaneceu sepultado do pôr-do-sol de quarta-feira até o pôr-do-sol do sábado, depois de ser ressuscitado dos mortos. Assim, quando Maria Madalena chegou ao sepulcro, no domingo pela manhã antes do amanhecer, “enquanto ainda estava escuro”, ela encontrou a pedra removida e o sepulcro vazio.

Sem dúvida nenhuma, a duração do sepultamento de Cristo, antes de Sua ressurreição, que Ele predisse como prova de Seu caráter messiânico, foi exatamente o tempo que Ele disse que seria—igual aos “três dias e três noites [que Jonas ficou] na barriga do grande peixe” (Matthew 12:40 Matthew 12:40For as Jonas was three days and three nights in the whale's belly; so shall the Son of man be three days and three nights in the heart of the earth.
American King James Version×
). Assim, Jesus se levantou na tarde de sábado, próximo ao entardecer—não no domingo ao amanhecer—perfazendo assim, exatamente três dias e três noites depois que foi colocado no túmulo antes do pôr-do-sol da quarta-feira.

A profecia de Cristo sobre o tempo que Ele ficaria no túmulo foi cumprida com precisão. Como a maioria das pessoas não entende os grandes dias bíblicos observados por Jesus Cristo e seus seguidores, então elas não conseguem entender os detalhes cronológicos precisos, que foram preservados para nós nos Evangelhos [Ver págs. 28 e 29].

Um caminho melhor

Como vimos, o Domingo de Páscoa e seus costumes não se originaram da Bíblia, mas em rituais pagãos de fertilidade. É uma curiosa mescla de antigas práticas mitológicas e datação discricionária que obscurece e macula a prova da messianidade de Jesus Cristo e Sua ressurreição.

Agora que aprendemos sobre as fontes e origens desses dois importantes feriados religiosos, portanto, já estamos prontos para entender corretamente quais são os dias que o cristão deve observar. Deus, em Sua Palavra, nos mostra um melhor caminho de vida e com melhores dias de adoração que Ele escolheu para o Seu povo. O próximo capítulo revela os dias ordenados por Deus.