Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

A Festa dos Pães Asmos: Substituindo o Pecado Pelo Pão da Vida

Você está aqui

A Festa dos Pães Asmos

Substituindo o Pecado Pelo Pão da Vida

Quando Deus libertou Israel da escravidão no Egito, Ele disse ao Seu povo: “Sete dias comereis pães asmos”, (Êxodo 12:15 Êxodo 12:15Por sete dias comereis pães ázimos; logo ao primeiro dia tirareis o fermento das vossas casas, porque qualquer que comer pão levedado, entre o primeiro e o sétimo dia, esse será cortado de Israel.
Almeida Atualizada×
). O versículo 39 explica mais: “E cozeram bolos asmos da massa que levaram do Egito, porque não se tinha levedado, porquanto foram lançados do Egito; e não se puderam deter, nem prepararam comida”.

O fermento é um agente de levedura que faz com que a massa de pão cresça. O processo de fermentação do pão leva tempo. Os israelitas não tiveram tempo para isso quando deixaram o Egito, por isso cozeram e comeram pães sem fermento. Aquilo que começou por uma necessidade continuou ao longo de uma semana. De forma apropriada, Deus chamou esse tempo de Festa dos Pães Asmos (Levítico 23:6 Levítico 23:6E aos quinze dias desse mês é a festa dos pães ázimos do Senhor; sete dias comereis pães ázimos.
Almeida Atualizada×
), ou Dias dos Pães Asmos (Atos 12:3 Atos 12:3Vendo que isso agradava aos judeus, continuou, mandando prender também a Pedro. (Eram então os dias dos pães ázimos.)
Almeida Atualizada×
).

Quando Jesus veio à Terra como ser humano, Ele observou esses sete dias da festa — às vezes chamada pelos judeus de Festa da Páscoa por causa da proximidade da Páscoa com os Dias dos Pães Asmos. Jesus observou-a quando criança e continuou depois de adulto (Lucas 2:41 Lucas 2:41Ora, seus pais iam todos os anos a Jerusalém, � festa da páscoa.
Almeida Atualizada×
; Mateus 26:17 Mateus 26:17Ora, no primeiro dia dos pães ázimos, vieram os discípulos a Jesus, e perguntaram: Onde queres que façamos os preparativos para comeres a páscoa?
Almeida Atualizada×
). A Igreja primitiva, seguindo o exemplo das práticas religiosas de Cristo, também a observou.

As primeiras instruções e ensinamentos de Cristo

Deus entregou Suas primeiras instruções referentes a essa festa quando os israelitas se preparavam para deixar o Egito. “E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao SENHOR; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo. Sete dias comereis pães asmos; ao primeiro dia, tirareis o fermento das vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado, desde o primeiro até ao sétimo dia, aquela alma será cortada de Israel. E, ao primeiro dia, haverá santa convocação; também, ao sétimo dia, tereis santa convocação; nenhuma obra se fará neles, senão o que cada alma houver de comer; isso somente aprontareis para vós” (Êxodo 12:14-16 Êxodo 12:14-16 [14] E este dia vos será por memorial, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; através das vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo. [15] Por sete dias comereis pães ázimos; logo ao primeiro dia tirareis o fermento das vossas casas, porque qualquer que comer pão levedado, entre o primeiro e o sétimo dia, esse será cortado de Israel. [16] E ao primeiro dia haverá uma santa convocação; também ao sétimo dia tereis uma santa convocação; neles não se fará trabalho algum, senão o que diz respeito ao que cada um houver de comer; somente isso poderá ser feito por vós.
Almeida Atualizada×
). Portanto, esta era uma festa que durava sete dias, sendo que o primeiro e o sétimo dia eram sábados ou dias santos anuais.

Anualmente, conforme os israelitas observavam esta festa, eles eram lembrados que Deus libertou seus antepassados da escravidão no Egito. O Criador instruiu: “Guardai, pois, a Festa dos Pães Asmos, porque naquele mesmo dia tirei vossos exércitos da terra do Egito” (Êxodo 12:17 Êxodo 12:17Guardareis, pois, a festa dos pães ázimos, porque nesse mesmo dia tirei vossos exércitos da terra do Egito; pelo que guardareis este dia através das vossas gerações por estatuto perpétuo.
Almeida Atualizada×
). O êxodo do Egito permanece uma razão fundamental para que se observar essa festa até hoje. Assim como Deus libertou a antiga Israel, Ele nos livra de nossos pecados e dificuldades.

Agora observe o ensinamento de Jesus Cristo sobre o fermento, que expande o significado dessa festa. Durante o Seu ministério Cristo realizou dois milagres nos quais alimentou milhares de pessoas. Depois de um desses incidentes, os Seus discípulos, que estavam contornando o Mar da Galileia, se esqueceram de trazer pão. Então, Jesus disse-lhes: “Adverti e acautelai-vos do fermento dos fariseus e saduceus” (Mateus 16:6 Mateus 16:6E Jesus lhes disse: Olhai, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e dos saduceus.
Almeida Atualizada×
).

Os discípulos pensaram que Jesus se referia à falta de pão. Mas, Ele estava aproveitando a ocasião para ensiná-los, chamando à atenção para o simbolismo do fermento. Cristo perguntou-lhes: “Como não compreendestes que não vos falei a respeito do pão, mas que vos guardásseis do fermento dos fariseus e saduceus? Então, compreenderam que não dissera que se guardassem do fermento do pão, mas da doutrina dos fariseus” (Mateus 16:5-12 Mateus 16:5-12 [5] Quando os discípulos passaram para o outro lado, esqueceram- se de levar pão. [6] E Jesus lhes disse: Olhai, e acautelai-vos do fermento dos fariseus e dos saduceus. [7] Pelo que eles arrazoavam entre si, dizendo: É porque não trouxemos pão. [8] E Jesus, percebendo isso, disse: Por que arrazoais entre vós por não terdes pão, homens de pouca fé? [9] Não compreendeis ainda, nem vos lembrais dos cinco pães para os cinco mil, e de quantos cestos levantastes? [10] Nem dos sete pães para os quatro mil, e de quantas alcofas levantastes? [11] Como não compreendeis que não nos falei a respeito de pães? Mas guardai-vos do fermento dos fariseus e dos saduceus. [12] Então entenderam que não dissera que se guardassem, do fermento dos pães, mas da doutrina dos fariseus e dos saduceus.
Almeida Atualizada×
).

Alguns dos membros da elite religiosa do tempo de Cristo ensinavam e praticavam tradições criadas pelo homem que eram realmente contrárias à lei de Deus e, portanto, pecaminosas. E Jesus disse-lhes o seguinte: “E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus. Hipócritas…” (Mateus 15:6-7 Mateus 15:6-7 [6] E assim por causa da vossa tradição invalidastes a palavra de Deus. [7] Hipócritas! bem profetizou Isaias a vosso respeito, dizendo:
Almeida Atualizada×
).

Os Dias dos Pães Asmos nos fazem lembrar que, com a ajuda de Deus, devemos remover e evitar todos os tipos de pecado — simbolizado pelo fermento — e viver de acordo com os mandamentos de Deus em todos os aspectos de nossa vida.

Esses dias continuam sendo importantes

Durante a Festa dos Pães Asmos, ao usar também a comparação do pecado ao fermento, o apóstolo Paulo ensinou as mesmas lições espirituais que Jesus tinha ensinado Ao repreender a congregação dos coríntios por causa de suas divisões, invejas e tolerância ao comportamento sexual impróprio, Paulo escreveu-lhes: “Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento faz levedar toda a massa? Limpai-vos, pois, do fermento velho, para que sejais uma nova massa, assim como estais sem fermento. Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós. Pelo que façamos festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da maldade e da malícia, mas com os asmos da sinceridade e da verdade” (1 Coríntios 5:6-8 1 Coríntios 5:6-8 [6] Não é boa a vossa jactância. Não sabeis que um pouco de fermento leveda a massa toda? [7] Expurgai o fermento velho, para que sejais massa nova, assim como sois sem fermento. Porque Cristo, nossa páscoa, já foi sacrificado. [8] Pelo que celebremos a festa, não com o fermento velho, nem com o fermento da malícia e da corrupção, mas com os ázimos da sinceridade e da verdade.
Almeida Atualizada×
).

A igreja em Corinto óbvia e indubitavelmente guardava a Festa dos Pães Asmos, a qual Paulo sempre aludia. Contudo, Paulo serviu-se da obediência fiel dos coríntios em guardar fisicamente a festa (removendo o fermento de suas casas) para encorajá-los a celebrá-la com o devido entendimento e intuito espiritual.

Hoje em dia, o ato de remover fermento de nossas casas por sete dias, lembra-nos que, através da oração, da ajuda e da compreensão divina, também devemos reconhecer, expulsar e evitar o pecado. A Festa dos Pães Asmos é, portanto, um período de reflexão pessoal. Devemos meditar em nossas atitudes e conduta e pedir a Deus que nos ajude a reconhecer e superar nossas fraquezas.

Em 2 Coríntios 13:5 2 Coríntios 13:5Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados.
Almeida Atualizada×
, Paulo falou dessa autorreflexão extremamente necessária quando disse à igreja de Corinto: “Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis, quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados”.

Praticando as lições espirituais

Nós aprendemos praticando. Nós aprendemos lições espirituais fazendo coisas físicas. Cumprir a tarefa de retirar o fermento de nossas casas nos lembra de vigiar atentamente os pensamentos e ações pecaminosos para que possamos evitá-los. Deus sabe que, apesar das nossas boas intenções, todos nós pecamos.

Muitos anos depois de sua conversão, Paulo descreveu a poderosa tendência humana ao pecado: “Acho, então, esta lei em mim: que, quando quero fazer o bem, o mal está comigo. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus. Mas vejo nos meus membros outra lei que batalha contra a lei do meu entendimento e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros. Miserável homem que eu sou! Quem me livrará do corpo desta morte? Dou graças a Deus por Jesus Cristo, nosso Senhor. Assim que eu mesmo, com o entendimento, sirvo à lei de Deus, mas, com a carne, à lei do pecado” (Romanos 7:21-25 Romanos 7:21-25 [21] Acho então esta lei em mim, que, mesmo querendo eu fazer o bem, o mal está comigo. [22] Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; [23] mas vejo nos meus membros outra lei guerreando contra a lei do meu entendimento, e me levando cativo � lei do pecado, que está nos meus membros. [24] Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? [25] Graças a Deus, por Jesus Cristo nosso Senhor! De modo que eu mesmo com o entendimento sirvo � lei de Deus, mas com a carne � lei do pecado.
Almeida Atualizada×
).

Paulo sabia que a vida em si mesma é uma batalha contra o pecado. A Bíblia fala do “pecado que tão de perto nos rodeia” (Hebreus 12:1 Hebreus 12:1Portanto, nós também, pois estamos rodeados de tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com perseverança a carreira que nos está proposta,
Almeida Atualizada×
). Nós temos a nossa parte na luta para vencer o pecado. Contudo, devemos confiar na ajudar de Deus. Paulo explicou isso aos filipenses, dizendo-lhes: “Operai a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a Sua boa vontade” (Filipenses 2:12-13 Filipenses 2:12-13 [12] De sorte que, meus amados, do modo como sempre obedecestes, não como na minha presença somente, mas muito mais agora na minha ausência, efetuai a vossa salvação com temor e tremor; [13] porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade.
Almeida Atualizada×
).

De fato, Paulo não encerrou sua discussão sobre a luta contra o pecado, no sétimo capítulo do livro de Romanos, nessa observação, aparentemente sem esperança, de permanecer escravizado ao pecado. Ele prosseguiu no próximo capítulo para mostrar que podemos nos libertar do caminho do pecado e da morte — com a ajuda de Cristo e através do Espírito Santo de Deus.

O fato de guardar os Dias dos Pães Asmos nos ajuda a entender a necessidade crucial da ajuda de Jesus Cristo para vencermos as nossas fraquezas. E isso se reflete no segundo aspecto de como Deus ordena que essa festa seja observada — comer pão sem fermento durante sete dias. Mas qual é o significado desse pão sem fermento que comemos?

A lição sobre comer pão sem fermento

Para remover efetivamente o pecado e impedi-lo de voltar para nossas vidas, precisamos fazer algo — devemos substituir nossas fraquezas humanas e tendências pecaminosas por algo muito melhor. E aprendemos isso com as instruções de Deus para comer pão sem fermento durante toda a festa.

O que representa esse pão asmo? O próprio Jesus explica no sexto capítulo do livro de João. À medida que a Festa dos Pães Asmos se aproximava, e pouco depois de Cristo realizar um grande milagre para alimentar milhares de pessoas (versículos 4-13), observe o que Ele disse à multidão que O seguia, além de algumas declarações no último capítulo da Páscoa:

“Trabalhai não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do Homem vos dará…Moisés não vos deu o pão do céu, mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo…

“Eu Sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome; e quem crê em mim nunca terá sede…Eu Sou o pão da vida. Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra”.

“Eu Sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer desse pão, viverá para sempre; e o pão que eu der é a minha carne, que eu darei pela vida do mundo…Este é o pão que desceu do céu; não é o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre” (João 6:27-58 João 6:27-58 [27] Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; pois neste, Deus, o Pai, imprimiu o seu selo. [28] Pergutaram-lhe, pois: Que havemos de fazer para praticarmos as obras de Deus? [29] Jesus lhes respondeu: A obra de Deus é esta: Que creiais naquele que ele enviou. [30] Perguntaram-lhe, então: Que sinal, pois, fazes tu, para que o vejamos e te creiamos? Que operas tu? [31] Nossos pais comeram o maná no deserto, como está escrito: Do céu deu-lhes pão a comer. [32] Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: Não foi Moisés que vos deu o pão do céu; mas meu Pai vos dá o verdadeiro pão do céu. [33] Porque o pão de Deus é aquele que desce do céu e dá vida ao mundo. [34] Disseram-lhe, pois: Senhor, dá-nos sempre desse pão. [35] Declarou-lhes Jesus. Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim, de modo algum terá fome, e quem crê em mim jamais tará sede. [36] Mas como já vos disse, vós me tendes visto, e contudo não credes. [37] Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora. [38] Porque eu desci do céu, não para fazer a minha vontade, mas a vontade daquele que me enviou. [39] E a vontade do que me enviou é esta: Que eu não perca nenhum de todos aqueles que me deu, mas que eu o ressuscite no último dia. [40] Porquanto esta é a vontade de meu Pai: Que todo aquele que vê o Filho e crê nele, tenha a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. [41] Murmuravam, pois, dele os judeus, porque dissera: Eu sou o pão que desceu do céu; [42] e perguntavam: Não é Jesus, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como, pois, diz agora: Desci do céu? [43] Respondeu-lhes Jesus: Não murmureis entre vós. [44] Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. [45] Está escrito nos profetas: E serão todos ensinados por Deus. Portanto todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim. [46] Não que alguém tenha visto o Pai, senão aquele que é vindo de Deus; só ele tem visto o Pai. [47] Em verdade, em verdade vos digo: Aquele que crê tem a vida eterna. [48] Eu sou o pão da vida. [49] Vossos pais comeram o maná no deserto e morreram. [50] Este é o pão que desce do céu, para que o que dele comer não morra. [51] Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém comer deste pão, viverá para sempre; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne. [52] Disputavam, pois, os judeus entre si, dizendo: Como pode este dar-nos a sua carne a comer? [53] Disse-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo: Se não comerdes a carne do Filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis vida em vós mesmos. [54] Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no último dia. [55] Porque a minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida. [56] Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. [57] Assim como o Pai, que vive, me enviou, e eu vivo pelo Pai, assim, quem de mim se alimenta, também viverá por mim. [58] Este é o pão que desceu do céu; não é como o caso de vossos pais, que comeram o maná e morreram; quem comer este pão viverá para sempre.
Almeida Atualizada×
).

Observe os diferentes termos que Jesus aplicou a Si mesmo — “o verdadeiro pão do céu”, “o pão de Deus”, “o pão da vida” e “o pão vivo que desceu do céu”. Ele enfatizou que esse “pão” providenciado por Deus faria muito mais do que satisfazer sua fome física, como Ele fez ao alimentá-los, de forma milagrosa. Isso satisfaria a fome espiritual, que é muito mais profunda, e preencheria o vazio espiritual que existe em todo ser humano.