Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

Uma Parábola Que Demonstra a Magnitude da Graça de Deus

Você está aqui

Uma Parábola Que Demonstra a Magnitude da Graça de Deus

Como vimos várias vezes nesse envolvente capítulo, Jesus exemplificou a graça de Deus em tudo que fez enquanto estava na Terra. E os Evangelhos estão repletos de muitos outros exemplos. Mas Jesus também contou uma extraordinária história que ilustra a magnitude da graça de Deus para conosco. Ela é conhecida como a Parábola do Filho Pródigo, encontrada em Lucas 15:11-32 Lucas 15:11-32 [11] Disse-lhe mais: Certo homem tinha dois filhos. [12] O mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me toca. Repartiu-lhes, pois, os seus haveres. [13] Poucos dias depois, o filho mais moço ajuntando tudo, partiu para um país distante, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. [14] E, havendo ele dissipado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a passar necessidades. [15] Então foi encontrar-se a um dos cidadãos daquele país, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos. [16] E desejava encher o estômago com as alfarrobas que os porcos comiam; e ninguém lhe dava nada. [17] Caindo, porém, em si, disse: Quantos empregados de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! [18] Levantar-me-ei, irei ter com meu pai e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e diante de ti; [19] já não sou digno de ser chamado teu filho; trata-me como um dos teus empregados. [20] Levantou-se, pois, e foi para seu pai. Estando ele ainda longe, seu pai o viu, encheu-se de compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. [21] Disse-lhe o filho: Pai, pequei conta o céu e diante de ti; já não sou digno de ser chamado teu filho. [22] Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lha, e ponde-lhe um anel no dedo e alparcas nos pés; [23] trazei também o bezerro, cevado e matai-o; comamos, e regozijemo-nos, [24] porque este meu filho estava morto, e reviveu; tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a regozijar-se. [25] Ora, o seu filho mais velho estava no campo; e quando voltava, ao aproximar-se de casa, ouviu a música e as danças; [26] e chegando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo. [27] Respondeu-lhe este: Chegou teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. [28] Mas ele se indignou e não queria entrar. Saiu então o pai e instava com ele. [29] Ele, porém, respondeu ao pai: Eis que há tantos anos te sirvo, e nunca transgredi um mandamento teu; contudo nunca me deste um cabrito para eu me regozijar com os meus amigos; [30] vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado. [31] Replicou-lhe o pai: Filho, tu sempre estás comigo, e tudo o que é meu é teu; [32] era justo, porém, regozijarmo-nos e alegramo-nos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; tinha-se perdido, e foi achado.
Almeida Atualizada×
.

Jesus começou, dizendo: “Certo homem tinha dois filhos. E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte da fazenda que me pertence”.

Na cultura daquela época, seria extremamente ofensivo um filho tratar seu pai assim. Pedir a herança enquanto o pai ainda estava vivo significava rejeitá-lo — na verdade, seria desejar que ele estivesse morto e fora de cena. Portanto, era praticamente incomum alguém desonrar seu pai dessa maneira. Essa ilustração deve ter sido chocante para os ouvintes de Jesus, levando-os a prestar muita atenção.

Ele continuou: “E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua e ali desperdiçou a sua fazenda, vivendo dissolutamente” — um estilo de vida imprudente e desenfreado.

Para aqueles galileus, ouvintes de Jesus, o país longínquo, e outro fator que veremos em breve, trazia à mente a área gentia a leste do mar da Galileia, a área pagã de Decápolis, onde os gregos haviam fundado uma série de cidades alguns séculos antes. Aquela cultura era totalmente pagã e pecaminosa, caracterizada pela idolatria e todos os tipos de pecados sexuais. Basicamente, aquele jovem desperdiçou sua herança em bebidas, mulheres e festas. Um equivalente moderno seria ir para Las Vegas e gastar centenas de milhares de dólares em jogos, mulheres e festas.

Essa história é bastante cáustica, pois quem aquele pai simboliza nessa história? Deus Pai, é claro. E quem é o filho perdido? Somos todos nós, aqueles que, em algum momento da vida, decidiram seguir seu próprio caminho longe de Deus. O pai na parábola, representando a Deus, está de luto e com o coração completamente partido pelas atitudes tolas de seu filho. Mas ele sabe que não pode viver a própria vida do filho ou forçá-lo a mudar de ideia.

Voltando à parábola: “E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. E foi e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos a apascentar porcos”.

Por esta razão sabemos que o filho foi para uma área pagã dos gentios, porque ele acaba alimentando suínos — que eram comumente criados para alimentação e também para sacrifícios nos diversos templos pagãos. O filho dele atingiu o fundo do poço. Depois que acabou o dinheiro de sua herança, as novas amizades dele também chegaram ao fim. Agora ele não tinha mais nada. O dinheiro se foi, os amigos se foram, a diversão se foi e a festa acabou. A realidade chegou — ele estava com fome, e o único trabalho que conseguiu encontrar foi o de alimentar os porcos naquela terra pagã.

Ele estava tão desesperado que o que ele estava alimentando os porcos começou a lhe parecer algo bom: “E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. E, caindo em si, disse: Quantos trabalhadores de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!”.

Aqui está a chave: “cair em si”. Ele se perdera e agora começara a voltar a si. Ele percebe que os funcionários de seu pai tinham mais do que ele, então tomou uma decisão que mudou sua vida.

“Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus trabalhadores".

Ele reconhece que pecou tanto contra Deus quanto contra seu próprio pai. Ele sabe que perdeu todo o direito de ser chamado de filho ou de receber qualquer herança — ele havia desistido disso há muito tempo. Agora ele só quer um emprego como servo, que é algo melhor do que tinha agora.

“E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão, e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço, e o beijou”.

O pai, que retrata ao próprio Deus, estava olhando para a estrada, aguardando esperançosamente que aquele filho voltasse um dia. E, então, ele o vê de longe e corre para encontrar-se com aquele filho perdido há muito tempo e o demonstra-lhe carinho e amor! Ele demonstrou isso antes de o filho chegar e fazer seu discurso ensaiado.

"E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti e já não sou digno de ser chamado teu filho”.

Contudo, o pai não aceitaria nada daquilo. "Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa, e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão e sandálias nos pés".

A túnica e o anel eram símbolos de aceitação de volta como filho na família. Ele não estava sendo aceito de volta como um servo — que era o melhor que ele poderia esperar ou talvez nem isso — mas como um filho pleno novamente.

“Trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos e alegremo-nos, porque este meu filho estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado. E começaram a alegrar-se".

A principal lição dessa parábola é que nosso Deus é um Pai amoroso que não desiste de Seus filhos. Mesmo quando, nesciamente, O rejeitamos e lhe viramos as costas, Ele ainda nos ama e deseja, ansiosamente, que voltemos para Ele.

Entretanto, Deus não vai nos forçar a voltar para Ele, pois nos deu liberdade de escolher. Mas, às vezes, todos nós precisamos sofrer as consequências de nossos erros para crescer em sabedoria e juízo, aprendendo a colocar o amor e os caminhos de Deus acima dos caminhos que nos parece corretos.

E quando nos voltamos para Deus — independentemente da gravidade de nossos pecados e erros — Ele estará pronto para nos acolher, nos encher de amor e carinho e nos receber em Sua família. Esse é um retrato surpreendentemente belo de Seu amor por nós!

Aqui também há outra lição. A parábola continua descrevendo a mui distinta reação do outro filho, que era fiel e nunca se afastou de seu pai. Este filho não reconhece seu próprio irmão. E para o pai, ele o chama de "este teu filho". Ele não aceita seu irmão de volta, mas o rejeita e se ressente e fica irritado com o amor de seu pai por seu irmão recém-chegado.

Gentilmente, o pai lhe responde: “Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas. Mas era justo alegrarmo-nos e regozijarmo-nos, porque este teu irmão estava morto e reviveu; tinha-se perdido e foi achado”.

Essa também é uma lição importante para nós. Ninguém deve agir como esse outro filho, estando pronto para lançar a primeira pedra em alguém que talvez vejamos como pecador, mas devemos amá-los como Deus os ama e sempre nos alegrar quando uma pessoa volta para Deus. Contudo, observe que o pai também é misericordioso com esse filho inconformado, sendo gentil com ele e assegurando-lhe as bênçãos e ensinando-lhe a atitude e o caminho de vida corretos.

Em tudo isso, vemos que Deus nos ama profundamente e nos perdoa muito mais do que jamais poderíamos merecer — e que também devemos aprender a ser misericordiosos e perdoadores para com os outros, como Jesus Cristo ensinou diversas vezes nos Evangelhos. Isso é graça em ação.