Pregando o evangelho e preparando um povo

Epístolas de Paulo: 1 Tessalonicenses 2:5 - 2:13

Você está aqui

Epístolas de Paulo

1 Tessalonicenses 2:5 - 2:13

Download (Baixar)
MP3 Audio (41.33 MB)

Download (Baixar)

Epístolas de Paulo: 1 Tessalonicenses 2:5 - 2:13

MP3 Audio (41.33 MB)
×

Os ministros de Jesus Cristo são aprovados por Deus, a ponto dEle pôr a Sua sagrada confiança neles de pregarem o verdadeiro evangelho com carinho, como pais. Por isso Paulo exorta-nos, consola-nos e admoesta-nos para vivermos de modo digno de Deus. Ele igualmente dá graças a Deus por receberem a palavra do evangelho, que é a palavra de Deus.

Transcrição

Bom dia ou boa tarde queridos irmãos aqui é Jorge Campos.

Nós temos estado a ter um estudo acerca da carta aos tessalonicenses e nesse estudo que iniciamos a alguns sermões atrás nós cobrimos o propósito de Paulo escrever esta carta aos tessalonicenses e como vimos foi para encorajar e dar forças a estes irmãos quando estavam debaixo de perseguição e também foi para corrigir alguns irmãos, digamos assim, mal entendidos principalmente mal entendidos proféticos acerca da segunda vinda de Cristo e a razão é porque algumas pessoas esperavam que Jesus Cristo viesse imediatamente e por isso estavam a dizer: olha algumas pessoas morreram  e coitados eles não viram a vinda de Cristo.

E por isso ele estava a encorajá-los acerca disso e a corrigir alguns mal entendidos acerca desse assunto e igualmente porque alguns pensavam que Jesus Cristo estava à beira de vir a qualquer altura e pensavam que não era necessário trabalharem que agora era só esperar pela vinda de Cristo e ele então fala acerca desse assunto também.

E finalmente outro propósito foi que algumas tradições pagãs estavam a começar a infiltrar-se na igreja e ele teve que falar acerca disso.

Então nesta primeira carta aos tessalonicenses vemos que Paulo começa a agradecer os tessalonicenses pela fidelidade deles e a dizer a eles que Paulo, Silvano e Timóteo foram vê-los e pregar a eles mas que fizeram essa pregação e essas visitas e esse trabalho para com eles que não foi em vão, não foi por que queriam enganar a eles ou qualquer ilusionismo ou ilusão desse gênero.

Vejam por exemplo no capítulo 2 de 1 TS v. 1 diz assim: “porque vós irmãos sabeis pessoalmente que nossa estada entre vós não se tornou infrutífera (não foi em vão)”.

E vejam no v. 3: “pois a nossa exortação não procede de engano (ou de erro, não estamos a tentar dizer coisas erradas) nem de nenhuma impureza e nem se baseia em nenhum dolo (em nenhuma fraude) mas pelo contrário, diz assim no v. 4: “é porque eles receberam a sagrada confiança de Deus, a fazer esta obra”.

Quer dizer quando vemos aqui a palavra “a ponto de nos confiar o evangelho, isto é, uma confiança que Deus dá a eles [aos apóstolos e ministros de zjesdus crist] uma confiança sagrada ou uma sagrada confiança de Deus é um ato que Deus aprovou e confiou a eles fazer esta obra.

Aí é um ponto importante onde paramos no último estudo e é um ponto importante entendermos que Deus confiou a Paulo e a Silvano e a Timóteo assim como confia a nós ministros de Jesus Cristo com a propagação e pregação do evangelho.

Nós como ministros de Jesus Cristo temos uma grande responsabilidade e temos que ser aprovados por Deus como diz aqui: “fomos aprovados por Deus (no v. 4).

Aí foi onde paramos como disse que estamos a ver que o ministério tem que ser aprovado por Deus; não é a nossa decisão, não é a nossa escolha de virmos a ser ministros de Jesus Cristo e sim é Ele que nos chama e Ele que nos põem nessa posição.

Uma pessoa tem que ser chamada por Deus, está claro, através de Jesus Cristo, pois Jesus Cristo é o cabeça da igreja e Ele é o que está a atuar mas temos que ser chamados e selecionados por Jesus Cristo para sermos parte do ministério de Jesus Cristo; isso é uma seleção, é uma chamada e uma seleção.

Tal como ser um membro da igreja de Deus precisamos de ser chamados por Deus, JO 6:44: “NINGUÉM PODE VIR A MIM A NÃO SER QUE O PAI O ENVIE A MIM”, igualmente para ser um ministro de Jesus Cristo temos que ser selecionados por ele para essa responsabilidade e temos que ser aprovados por Ele e então vamos ver esse tema um bocadinho mais com detalhe adicional.

Vejam por exemplo em GL 1:15-16 diz assim: “quando, porém, ao que me separou antes de eu nascer e me chamou por sua graça, houve revelar seu Filho em mim para que eu o pregasse entre os gentios sem detença e não consultei carne e sangue”.

Por isso vê-se que Paulo foi separado para esta missão, foi selecionado para esta missão.

Vejam também em AT 20:24 diz assim: “porém em nada considero a vida preciosa para mim mesmo contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o Evangelho da graça de Deus”.

O ministério que recebi e esta responsabilidade que recebi por Jesus Cristo e para que? Para testemunhar este Evangelho da graça de Deus! Este Evangelho da boa nova de Deus, desta bondade de Deus.

Veja no v. 28 do mesmo capítulo de AT 20:28 diz assim: atendei por vós e por todo o rebanho do qual o Espírito Santo vos constituiu bispos”.

Paulo está aqui a falar aos ministros de Éfeso que tinha chamado para se despedir deles e está a dizer a eles, está a dar a eles uma instrução a esses ministros dizendo: “atendei por vós e por todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos para pastoreares a igreja de Deus a qual Ele comprou com seu próprio sangue”.

E por isso vê-se aqui que foram constituídos bispos pela instrução de Deus e através do Espírito Santo e vê-se aqui portanto que não é uma responsabilidade que Paulo e que estes ministros tomaram por decisão deles próprios e foi uma chamada de Deus que deu a eles.

Vejam também em 1 TM 2:7 diz assim: “para isso fui designado (Fui designado, eu não me designei a mim mesmo, está aqui Paulo a dizer a Timóteo) pregador e apóstolo, afirmo a Verdade e não minto”.

“Fui selecionado, não minto, por isso fui designado pastor e apóstolo mestre dos gentios na fé da Verdade”.

Isto é professor aquele que ensina a eles que vai como mestre a ensinar a eles e por isso ele foi como diz aqui em 1 TM capítulo 2:7: “foi designado”; foi designado e não foi ele que se designou a si próprio.

Vejam também em HB 5:4 falando acerca do próprio Cristo diz assim: “ninguém tome esta própria honra a si mesmo”; qual a honra? Honra de ser sacerdote e neste caso Jesus Cristo, sumo sacerdote, ninguém toma esta honra por si mesmo, uma pessoa não se pode declarar a si mesmo eu sou um ministro de Jesus Cristo!

Para ser um verdadeiro ministro de Jesus Cristo tem que ser selecionado e chamado por Jesus Cristo.

Diz assim: “pois ninguém tome esta honra para si mesmo se não quando chamado por Deus como aconteceu com Arão, assim também Cristo a si mesmo não se glorificou”.

Sim Arão foi selecionado por Deus para ser a linha dos sacerdotes e seus filhos, aqueles que eram daquela descendência tinham essa responsabilidade e ninguém mais! Ninguém mais! E era só os Homens, os homens dessa descendência, os varões, ninguém mais!

“Assim também (v. 5) Cristo a si mesmo não se glorificou para se tornar sumo sacerdote”.

Cristo não tomou essa posição por si próprio mas quem o glorificou? Aquele que lhe disse: “Tu és meu Filho e hoje te gerei”, foi Aquele Pai que disse a Jesus Cristo: Tu és meu filho e hoje te gerei” e em outro lugar também diz, isto é, o Pai: “Tu és sacerdote para sempre segundo a ordem de Melquisedeque”.

Foi o Pai! Foi o Pai que o pôs nessa posição.

Por isso vemos até o próprio Cristo não, digamos assim, se apontou, se declarou a si mesmo nessa posição de glória, não, e depois vemos em EF 1:22-23 diz assim: “e pôs (o Pai) todas as coisas debaixo dos pés (Jesus Cristo) e ser o cabeça (Jesus Cristo) sobre todas as coisas o deu à Igreja (deu Jesus Cristo à Igreja) o qual o seu corpo (a igreja é o corpo de Cristo) a plenitude Daquele que a tudo enche todas as coisas”.

Jesus Cristo é o corpo da igreja, é o cabeça da igreja e vê-se aqui que foi o Pai que fez tudo debaixo de Cristo, foi decisão do Pai, e por isso o Pai deu a Cristo essa responsabilidade e por isso Cristo é o cabeça da igreja.

Vejam também em EF 4: 11-13 diz assim: “e Ele mesmo concebeu uns para apóstolos, outros para profetas, outros para evangelistas, e outros para pastores e mestres”.

Ele mesmo, isto é, Cristo como o cabeça, o cabeça da igreja que foi posto nessa posição pelo Pai e então Cristo seguiu e concedeu posições de autoridade na igreja no corpo de Cristo, uns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas e outros como pastores e mestres; pastores e aqueles que ensinam

“Com que propósito? (v. 12) Com vistas ao aperfeiçoamento dos santos”.

Jesus Cristo estabeleceu esta hierarquia na igreja de Deus, sim, está aqui uma hierarquia que vem do Pai, depois é o Filho, do Filho depois para os outros debaixo Dele e vê-se aqui “com vistas ao aperfeiçoamento dos santos, para o desempenho do seu serviço na edificação do corpo de Cristo”.

Para edificar a nós como membros da igreja de Deus, isto é, membros do corpo de Cristo e até quando? “Até que cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do filho de Deus”;

Até que venhamos a compreender como Cristo se conduz e como Ele quer viver, como são os padrões Dele, da maneira de ser, para nós termos de seguir a Cristo, por isso sabemos o que Cristo faria e faz, como Ele reage e como Ele se conduz nós vamos segui-lo, copiá-lo e vamos imitá-lo “até que cheguemos a perfeita (isto é, o homem perfeito) varonilidade à medida da estatura e plenitude de Cristo”.

Até que cheguemos a esse nível de padrão que Cristo é e por isso vemos que vimos até aqui que Paulo foi posto numa posição para pregar a BOA NOVA para os gentios, Paulo também disse que recebeu esta responsabilidade e ele também diz que foi posto nessa posição que não se pôs a si próprio e depois vimos que até Cristo não se glorificou, não se apontou a essa posição por si próprio, foi pelo Pai e então Jesus Cristo por seu lado então deu ou estabeleceu uma autoridade na igreja e pôs essas pessoas em autoridades na igreja e por isso como vimos agora Cristo como o cabeça da igreja pôs alguns em autoridade sendo alguns como apóstolos, outros como profetas, outros como evangelistas e assim adiante e foi através disso que Cristo estabeleceu esta, digamos assim, hierarquia de Cristo estabelecida por Ele na igreja de Deus.

Vejam aqui em JO 15:16 é Jesus Cristo a falar aos apóstolos na noite que foi traído depois da ação dos lava pés e então em JO 15:16 diz assim: “não fostes vós que me escolhestes a MIM, vocês não decidiram ser CRISTÃOS, pelo contrário, Eu vos escolhi”.

E não ser só cristãos mas serem líderes na igreja de Deus.

“Eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e dês frutos”, ou seja, para que vão pregar o evangelho e que estejam a produzir fruto.

“E que o vosso fruto permaneça a fim de tudo quanto pedirdes ao Pai em meu nome Ele vô-la conceda”

E por isso Cristo é que escolheu os apóstolos como vimos e é bem claro.

Vejam também em AT 14:23 diz assim: “e promovendo-lhes em cada igreja a relação de presbíteros, isto é, de anciãos e ministros depois de orar com Jesus os encomendaram ao Senhor em quem tinham crido”.

E por isso vemos aqui tal como o Pai deu responsabilidade a Cristo e Cristo deu essa responsabilidade aos apóstolos, estes por outro lado tiveram responsabilidade quando estava falando aqui acerca de Paulo e Barnabé vê-se aqui no v. 14 eles tinham responsabilidade depois de promover em cada igreja a eleição dos presbíteros; eles apontaram ministros e essa responsabilidade continuou de ministros para ministros.

Os ministros são postos separados, são postos numa responsabilidade de autoridade pelo Pai através de Cristo e do seu ministério existente.

Vejam também em Tt 1:5 diz assim: “por esta causa te achei em Creta e pusesses em ordem as coisas restantes bem como em cada cidade constituísses presbíteros e anciãos conforme escrevi”.

De acordo com o processo de uma certa maneira mas para apontares esses presbíteros caso fossem necessários e ele então deu essa instrução.

Vejam também no v. 7-9 diz assim: “que é indispensável que o bispo e aqueles ministros sejam irrepreensíveis como dispenseiro de Deus”.

Está a servir a Deus e está claro por isso a fazer o que Deus quer que ele faça e por isso: “esse ministro não pode ser arrogante, não pode ser irascível (isto é, não pode ficar zangado), nem violento, nem cobiçoso de torpe ganância”; quer dizer, não quer  servir para ganhar dinheiro pois está claro todos nós tínhamos outra profissão e estamos aqui para servir e não é por dinheiro por certeza; “antes hospitaleiro, muito bom, sóbrio e justo, piedoso que tenha domínio de si próprio”.

Domínio de si próprio e por isso para nós como ministros apontarmos outro ministro na fé temos que saber que essa pessoa é apegada a palavra fiel, temos que ter conhecimento dessa pessoa, temos que ver que essa pessoa tenha essas características de domínio próprio, de registro pessoal, não é arrogante, não é irascível, não é dado ao vinho nem mileto, temos que conhecer essa pessoa, essa pessoa tem que estar a praticar o caminho e tem que saber o caminho e o que diz aqui no v. 9: “apegado à palavra fiel que é segundo a doutrina” e por isso essa pessoa tem que saber a doutrina e por isso nós ministros antes de escolhermos e selecionarmos e submetermos essa pessoa através da oração junto a outros ministros para depois através do conselho de anciãos aprovarmos que o ministro seja apontado como disse é debaixo de oração e jejum, isto é, pedindo a Deus a sua ajuda e a sua guia e depois apresentando a outros ministros de Deus e de Jesus Cristo para termos um consenso de por essa pessoa nessa responsabilidade do ministério e diz assim: “de modo que tenha poder tanto para exortar o reto ensino como para convencer os que contradizem”.

Por isso essa pessoa tem que ter o poder e para dar ou exortar o reto ensino; ora se essa pessoa nem sabe o reto ensino como é que pode estar numa posição desse gênero?

Por isso nós temos muito cuidado quando pessoas me escrevem com muito interesse serem ministros eu digo: bem, primeiro eu quero ver você  praticar, quero ver a viver o caminho, a praticar, queremos ter conhecimento de você seguir este caminho porque como é que eu posso: olha esta pessoa, como é que eu posso dizer que ela não é arrogante, que essa pessoa não é irascível, que essa pessoa não é dada ao vinho, como posso dizer que essa pessoa não é violenta, como posso dizer que essa pessoa não é cobiçosa, como posso dizer que é amigo do bem e que é sóbrio, é justo, que é piedoso, tem que ter domínio de si próprio? Conheço essa pessoa que me escreveu? Claro que não posso conhecer.

Irmãos essa é a abordagem que nós tomamos na igreja de Deus, é desta maneira e depois são enviados. Vejamos em RM 10:15 diz assim: “e como pregarão se não foram enviados? Como está escrito: quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas”.

Estes ministros são enviados por Deus para pregar e por isso que diz: “como pregarão? Se não forem enviados?” como está escrito, são enviados e não se apontaram a si próprios.

Olha eu quero ser ministro e vou a um clube, a uma igreja ou escola e aprender umas certas coisas de teologia (que até podem estar erradas) mas olha eu estudei este curso e pronto agora eu sou um pastor!!

Não irmãos, você pode se chamar pastor mas não é um verdadeiro pastor de Jesus Cristo porque é Jesus Cristo que escolhe, que seleciona e que aponta pessoas como seus ministros!

Isso é importante entendermos e vejam também aqui em 1 PE 5:1-4 diz assim: “rogo pois a vós presbíteros (isto é, aos ministros) que há entre vós (os ministros que foram apontados pela igreja nesta responsabilidade agora) e estou a pedir a vocês ministros e eu também presbítero como eles e testemunha dos sofrimentos de Cristo e ainda coparticipante da glória que há desenrolada (sim, ainda vamos ser coparticipantes da glória que há de ser revelada e está a dizer aos presbíteros) e pastorai o rebanho”.

“Pastoreai o rebanho, temos que ser pastores para alimentar, apascentar, pastorear o rebanho de Deus”; não é o meu rebanho, não são as minhas pessoas, não, vocês são o rebanho de Deus e Cristo é o chefe pastor e eu estou a pastorear como presbítero, como ministro, como servo de Jesus Cristo.

Por isso pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós não por constrangimento mas espontaneamente como Deus quer e nem por sórdida ganância mas de boa vontade”.

Não é porque querem ganhar dinheiro, não, estamos aqui para servir a igreja e os irmãos.

“Nem como dominadores dos que vos foram confiados”.

Em primeiro lugar não devemos ser dominadores, não é uma questão de domínio sobre as pessoas é uma questão de servos para ajudar as pessoas, ou seja, não é dominadores “dos que nos foram confiados” pois foram confiados a nós por Jesus Cristo e por isso temos que ter muito cuidado que os irmãos na igreja não pertencem a mim, não foi o meu sangue que rogou por eles e sim foi o sangue de Cristo e por isso temos que entender que não estamos a dominar as pessoas e sim estamos a servir porque foi Cristo que morreu por eles, foi o sangue de Cristo que foi dado pelos irmãos.

Por isso continuando a ler no v. 3: “nem como dominadores foram confiados tornando-vos modelos do rebanho”; quer dizer devemos ser um exemplo ao rebanho de como nos conduzir.

“Ora logo que o Supremo Pastor (isto é, Jesus Cristo, Ele é o Supremo Pastor, sim, nós somos pastores mas estamos debaixo do Supremo Pastor, da autoridade do Supremo Pastor que é Jesus Cristo) se manifestar (isto é, quando Jesus Cristo vier na sua segunda vinda) recebereis a inacessível coroa da glória”.

Vais receber então a tua recompensa mas não é agora e por isso é bem claro quando Paulo está aqui a dizer em 1 TS 2:4 diz assim: “pelo contrário visto que fomos aprovados por Deus aponto de nos confiar Ele o Evangelho”.

Deus nos confiou a Boa Nova do reino de Deus e por isso temos que ter muito cuidado de dizer a verdade da Bíblia sem desviar para a esquerda ou para a direita, e sem adicionar e sem tirar; temos que ter muito cuidado porque fomos primeiro aprovados mas Deus está sempre a aprovarmos dia a dia a ponto de nos confiar, é Deus que nos confia ou em outras palavras é Deus que nos dá essa sagrada confiança.

É uma confiança sagrada que vem de Deus para nós pregarmos a Boa Nova e vimos aqui que Ele nos prova que somos aprovados por Deus; não para que agrademos a homens, não é para nossa satisfação ou glorificação, não, e sim a Deus que está através disto sempre provando o nosso coração.

Sim, porque um ministro pode estar indo direito no caminho mas isto sobe à cabeça e depois desviasse, infelizmente acontece porque somos seres humanos e precisamos estar sempre a orar com humildade para nos mantermos submissos a Deus a todo ponto sempre e sempre.

Continuando então no v. 5: “na verdade é que nunca usamos linguagem de bajulação (isto é, de maneira lisonjeira, oh eu sou para falar bem de certas pessoas ou para ganhar o favor de outros, coisas assim) como sabeis nem de muitos nem de intuitos gananciosos”; também não estamos a fazer isso por causa de cobiça e isto Deus é testemunha.

Nós não estamos aqui a pregar com bajulação e não é para agradar aos homens e não temos, digamos assim, uma capa de cobiça, não estamos aqui pelo dinheiro e vemos aqui que até o próprio Paulo trabalhava e vejam aqui no v. 9 diz assim: “porque vos recordais irmãos do nosso labor e fadiga de como noite e dia labutando para não viver à custa de nenhum de vós e vos proclamamos o Evangelho de Deus”.

Não estamos a viver de vós, queridos irmãos eu não vivo dos irmãos do Brasil e dos irmãos em Angola, por exemplo, o dinheiro que recebo de parte dos dízimos e das ofertas que recebemos do Brasil são usadas para fazer a obra e não é para pagar a mim um salário; e sim eu recebo um salário da igreja dos Estados Unidos mas vocês estão a receber de graça, outros me enviaram e estão a pagar por mim para poder servir a vocês e para dedicar um tempo inteiro, por um tempo inteiro, e tudo bem assim eu posso servir a vocês e posso produzir ajudar com mais material e sermões, material todo que estamos a produzir na igreja eu posso estar a dedicar a isso o tempo todo, dedicado a isso a tempo inteiro.

Mas, como diz Paulo aqui: “não vivemos à custa de nenhum de vós”, não estou a viver à custa de nenhum de vocês no Brasil, ou em Angola, ou em Portugal, não, não estou!

Mas nós proclamamos o Evangelho de Deus como serviço, como vossos servos e para vos servir de livre vontade, e não é por ganância, não é para a minha auto glorificação mas é para servir a vocês, é para que vocês se arrependam e haja mudança na vida e para que? Para vocês estejam a seguir a Cristo e para que vocês entendam melhor um conhecimento de Jesus Cristo para poderem segui-lo corretamente.

E por isso aqui vemos que Paulo era sincero, completamente sincero e continuando então a ler no v. 7:

embora pudéssemos (sim podíamos estar a viver dos vossos dízimos por exemplo de Angola, do Brasil, Portugal, mas não vivemos desses dízimos) ... (mas) como enviados de Cristo (sim, somos enviados de Cristo e por isso como enviados de Cristo temos direito aos dízimos, mas, não estamos a ...) exigir de vós a nossa manutenção todavia nos tornamos carinhosos entre vós qual ama que acaricia a seus filhos”.

Por isso vemos aqui que Paulo podia ter recebido dízimo deles pois a lei dos dízimos não mudou e isso é outro assunto mas os dízimos continuam, sim eu tenho pessoas que dizem: “ah, não! Os dízimos mudaram!”

E vocês sabem que a lei dos dízimos mudou e porquê?

Mudou para não pagar aos sacerdotes de Arão, mas para pagar aos sacerdotes, digamos assim, aos ministros de Jesus Cristo!

É isso que foi a mudança da lei como lemos em HB, e não foi mais nada!

Leiam com cuidado: a mudança da lei foi que ao invés de direcionar os dízimos para os sacerdotes da linha de Arão, agora os dízimos são direcionados para os ministros de acordo com a ordem de Melquisedeque como ministros de Jesus Cristo.

Mas o dízimo continuou é uma lei permanente, a lei não mudou, a lei existe e simplesmente mudou, porque a administração mudou, e por isso a administração é diferente!

Mudou de ser administrada desta linha de sacerdotes de Arão para a linha de sacerdotes de acordo com a ordem de Melquisedeque, isto é, para a linhagem dos ministros de Jesus Cristo!

Simplesmente uma mudança de administração mas os dízimos continuam e não pararam.

E por isso está aqui a dizer embora pudéssemos (receber salário como enviados de Cristo) ele (Paulo) não está a fazer isso (receber salário) e nós não estamos a fazer isso com os dízimos (não estamos a receber salário com os dízimos no Brasil).

Por exemplo no Brasil (com os dízimos do Brasil) estamos a ajudar a propagação da Obra de pregar o Evangelho no Brasil! É o que estamos a fazer! É o propósito dos dízimos no Brasil!

E por isso quando vocês dão o dízimo ou uma oferta à Igreja (de Deus Unida) no Brasil [e na última página da revista a Boa Nova tem um endereço e o nome do banco para, se quiserem dar uma oferta tudo bem] ... mas não estamos a pedir!

E se você quer dar uma oferta? Obrigado mas não estamos a pedir: “olha agora você tem que dar o dinheiro!”  Não, porque recebemos de graça e de graça damos e isso é nosso desejo de dar a vocês de graça!

E se vocês querem ajudar e contribuir tudo bem, se é o vosso desejo seguir a lei de Deus que não mudou! Tudo bem! E então estão a dar aqueles na realidade que estão a pregar o verdadeiro Evangelho de Deus, melhor, porque estão a dar aos ministros de Jesus Cristo! E ainda melhor, o importante é que a lei não mudou.

E por isso vemos continuando aqui que Paulo poderia ter usado a sua autoridade mas diz assim: “tornamo-nos carinhosos entre vós” vemos aqui no v. 7 nos tornamos carinhosos entre vós, não usou a autoridade mas foi carinhoso e porquê? Foi como um pai, um chefe da família, como um parente a cuidar das crianças, os filhos, isto é, da igreja dos membros da igreja e tornou-se assim como um pai, ora sim os pais tem as vezes que usar a autoridade mas geralmente os pais preferem não usar a Porque autoridade mas a mostrar amor para que os filhos obedeçam de livre vontade e porque amam os pais.

Continuando então a ler no v. 8: “assim querendo muito estávamos prontos a oferecer-vos não somente o Evangelho de Deus mas igualmente a nossa própria vida por isso que vos tornastes muito amados de nós”.

E aqui vê-se ele, Paulo, está aqui a descrever que por isso que ele sofreu e teve quase a ponto de morrer e porquê? Porque ele estava não só a pregar o Evangelho mas estava pronto a dar a vida dele pelos irmãos, pela igreja e ao fim de contas acabou por dar quando chegou a hora de dar a sua vida.

Continuando a ler no v. 9: “porque vos recordais irmãos do nosso labor e fadiga e como de dia e de noite labutando para não viver à custa de nenhum de vós e vos proclamamos o Evangelho de Deus”, isto já li a pouco mas estamos aqui a ver que ele pregou o Evangelho livremente e é a mesma coisa que nós fazemos hoje em dia.

Vocês não pagam pela revista A Boa Nova, vocês não pagam pelos nossos guias de estudo, pois são enviados gratuitamente e muitas pessoas perguntam: “mas como é que é possível nem pagamos o frete?” Não – não pagam, é enviado gratuitamente e por isso é que diz, vos proclamamos o Evangelho de Deus de graça porque de graça recebemos e de graça damos.

Continuando então a ler no v. 10 diz assim: “vós e Deus sois testemunhas do modo que piedosa, justa e irrepreensivelmente procedemos em relação a vós outros e credes”; por isso vemos aqui e vocês podem observar que ele praticou o que ele pregava, ele era um exemplo, era um bom exemplo humano.

Diz assim: “procedemos em relação a vós que credes, quer dizer, de uma maneira piedosa, de uma maneira justa e de uma maneira irrepreensível” e vemos que era um bom exemplo.

Continuando nos v. 11-12 diz assim: “e sabeis ainda de que maneira como pai a seus filhos cada um de nós exortamos, consolamos e admoestamos para viveres do modo digno de Deus que vos chama para o seu reino e glória”.

E por isso ele diz por isso como um pai porque vocês sabem como um pai para seus filhos o amor de pai, o amor paterno, este amor de carinho, exortamos, consolamos e admoestamos.

Exortamos para chamar para o lado para conversar, sim para admoestar, para exortar, para implorar, por favor, suplicar, instruir, encorajar; todas estas palavras são sinônimas a esta aqui que exortamos, ir para o lado, conversar, implorar, pedir por favor, suplicar, instruir, encorajar a fazer, isto tudo é exortar e nós como ministros de Jesus Cristo estamos sempre a exortar a vocês a chamar de lado, a conversar, a mostrar, a encorajar, implorar para seguirem o caminho de Deus.

O Espírito Santo para nós também, digamos assim, é também um Espírito de exortação, é um Espírito que nos encoraja de uma maneira gentil, de uma maneira gentil que nos guia e nunca nos força, nos guia, é o nosso guia e nós devemos ser da mesma maneira para com os irmãos.

A segunda palavra que diz depois de exortar diz assim: consolamos, palavra grega, paraceiamal, que quer dizer confortar ou consolar, para falar de uma maneira que acalme, vai acalmar as pessoas, sim, consolar, confortar, acalmar, dar um senso de paz quando estão a ouvir um ministro de Deus veem isto é verdade?

E dá-me assim um senso de paz, paz, de conforto e por isso os ministros devem de exortar e confortar mas não é só isso, é admoestar, admoestamos, palavra grega martureo, que quer dizer ser uma testemunha, dar testemunho, dar um depoimento, depor, afirmar que viu, é dizer sim isto é assim, isto é, desta maneira e por isso admoestar, isto é, dar um testemunho, ser testemunha, dar um depoimento, afirmar que é assim.

Queridos irmãos não há maior alegria quando estamos andando na VERDADE, não há maior alegria do que estarmos andando na verdade.

Vejam comigo, se faz favor, na terceira carta/epístola de JO no v. 4 diz assim: “não tenho maior alegria do que esta de ouvir que os meus filhos andam na verdade”.

Queridos irmãos se vocês me querem fazer alegre, nós como ministros de Jesus Cristo ficamos muito contentes quando vemos os irmãos a seguirem o Caminho mas por outro lado, o oposto, ficamos muito tristes e nos magoa muito quando irmãos se desviam da Verdade.

Muito tristes quando irmãos, por exemplo, se querem auto denominar como pastores e decidem que já sabem tudo e que agora vão ser pastores e separam-se e fazem as suas próprias coisas.

Queridos irmãos e isto acontece porque vivemos no mundo em que nem todo mundo e nem todas as pessoas mesmo na igreja estejam a seguir o Caminho sinceramente e infelizmente e existe de tudo e estamos de estar cientes e estar sóbrios e estar a seguir a Cristo, e por isso eu digo e já disse muitas vezes e digo de novo para que não estejam a seguir a mim, não estejam a seguir Jorge Campos mas estejam a seguir a Cristo.

Sim até podem seguir o meu exemplo conforme eu sigo a Cristo e isso é o que eu me esforço mas sigam a Cristo, sigam a mim conforme eu sigo a Cristo, mas se eu não seguir a Cristo então não sigam a mim, isso não quer dizer que eu não faça erros pois de vez em quando possa fazer erros.

Às vezes posso dizer alguma coisa que não devia ter dito dessa maneira, talvez a maneira não saiu muito bem, mas no grande contexto  das coisas vocês podem ver, sim, que na realidade foi um erro. Mas precisamos de ver que a pessoa foi sincera e que Paulo foi sincero e que era sincero pois estava a falar aqui com sinceridade e por isso ele diz como estamos a ler em Tessalonicenses no v. 12: “exortamos, consolamos e admoestamos”; quer dizer imploramos, por favor, suplicamos, encorajamos a vocês a seguirem o caminho, confortamos, consolamos, fazemos com que sejam calmos, tenham calma e que sigam o Caminho e admoestamos, isto é, somos testemunhas de que o Caminho na verdade é este, que este é o Caminho de Deus, este é o Caminho de Jesus Cristo.

Temos que o seguir e para o que? Para vivermos de modo digno e digno de Deus, para vocês viverem de uma maneira que seja digna de Deus e que Deus nos chama para o seu Reino.

A palavra aqui, interessante, uma palavra grega que é EIS que quer dizer para dentro, para dentro de, e por isso que vos chama para dentro, para entrares para dentro de, do seu Reino e Glória.

A chamada de Deus para nós é entrarmos no Reino de Deus.

Ora aqui vemos que ainda não estamos no Reino de Deus, carne e sangue não vai herdar o Reino de Deus pois ainda não estamos no Reino de Deus e vemos também em 2 PE que devíamos estar a pôr a natureza divina e se fizermos isso e tivermos conhecimento do verdadeiro Jesus Cristo então assim nos será dada uma entrada no Reino de Deus e está bem escrito ali.

Por isso ainda não estamos no Reino de Deus MAS estamos debaixo das Leis, dos princípios, das práticas, dos ensinos do Reino de Deus e estamos a nos comportar como cidadãos do Reino de Deus.

Se estamos a nos comportar como embaixadores do Reino de Deus, estamos sujeitos às leis de Deus e por isso estamos debaixo, digamos assim, da jurisdição, da autoridade do Reino de Deus.

Vejam por exemplo em CL 1:13 diz assim: “Ele nos libertou do império das trevas e nos transportou para o Reino do filho do seu amor”.

Queridos irmãos, nós não estamos debaixo das leis deste mundo, das práticas deste mundo e viver como este mundo – mas nos transportou para estarmos debaixo da jurisdição das leis e do governo do Reino de Deus embora não estejamos dentro do Reino de Deus e ainda não tenhamos herdado o Reino de Deus porque carne e sangue não herda o Reino de Deus, mas estamos debaixo dessas leis por isso somos transportados do império das trevas para o Reino do Filho do seu amor.

O Reino de Jesus Cristo é o Reino de Deus.

Por isso queridos irmãos vemos que temos que viver de uma maneira que seja digna desse governo e desse reino e dessa glória, digna da família de Deus.

Vejam então aqui em 1 PE 5:10 diz assim: “ora o Deus de toda a graça que em Cristo vos chamou a eterna glória (sim somos chamados a eterna glória mas ainda não recebemos) depois de ter sofrido”.

Se somos chamados para a glória e vamos receber a glória depois de sofrermos e por um pouco.

Queridos irmãos este mundo os sofrimentos podem ser muito grandes mas é um pouco tempo não é muito tempo mas sim parece uma eternidade para nós como seres humanos.

Queridos irmãos diz assim: “temos que sofrer por um pouco e Ele mesmo nos há de aperfeiçoar, firmar, fortificar e fundamentar”; sim, estamos a passar por estes sofrimentos, por estas dificuldades mas Ele nos vai aperfeiçoar através disto, nos vai firmar através destes sofrimentos, nos vai fortificar e nos vai fundamentar.

Vejam no mesmo livro da Epístola de Pedro mas uma página ou duas antes no capítulo 2 e v. 21, 1 PE 2:21 diz assim: “porquanto para isso mesmo fostes chamados pois que também Cristo sofreu em vosso lugar deixando-vos exemplo para seguir os seus passos”.

Portanto irmãos porque que fomos chamados?

Vejam no v. 20 ao fim dele; “se, entretanto, quando praticais o bem fores igualmente afligidos suportais com paciência e agradecei a Deus, porquanto para isso mesmo foste chamados”.

Fomos chamados para sofrermos e sermos afligidos quando praticamos o bem e sem razão; quando fazemos o bem e sem razão, sofremos  - é essa que foi a razão porque fomos chamados pois que Cristo também sofreu em vosso lugar.

Sim, Cristo também sofreu por nós e Ele mereceu isso? Não!! Mas sofreu por nós e foi um exemplo para seguirmos seus passos, Cristo nos deixou um exemplo para seguir seus passos, isto é, Cristo deu um exemplo para seguirmos seus passos e ver que Ele sofreu e sem culpa! Sem culpa!

“Qual não cometeu pecado nem dolo algum se achou em sua boca pois quando ultrajado não revidava com ultraje, quando maltratado não fazia ameaças mas entregava-se Aquele que julga retamente carregando ele mesmo em seu corpo o madeiro por nossos pecados para que nós mortos para os pecados vivamos por justiça e por suas chagas fostes sarados”.

E nós a nossa responsabilidade é de fazer o mesmo como Ele fez por nós e por esta razão somos chamados, v. 21, por esta razão fostes mesmo chamados e então vamos continuar então em 1 TS 2:13 diz assim: “outra razão ainda temos nós para incessantemente darmos glórias a Deus é que tendo vós recebido a Palavra que de nós ouvistes e que é de Deus a acolhestes não como palavra de homens  e sim como verdade é a Palavra de Deus a qual com efeito está operando eficazmente em vós os que credes”.

Vocês ouviram de nós, vocês estão a ouvir a Boa Nova de nós e tem que ser pregada, tem que ser pregada e não é só a Palavra escrita mas é a Palavra ouvida!

E diz assim: “e com efeito está operando eficazmente em vós”.

Quando as pessoas ouvem reforçam a Palavra escrita de Deus e então as pessoas tem que praticar, tem que praticar.

Queridos irmãos então hoje vimos que precisamos de respeitar aqueles ministros que Deus chamou, os ministros de Jesus Cristo, e vimos que temos uma responsabilidade de como ministros de pregar a Boa Nova fielmente, a Boa Nova do reino de Deus e nós como membros da igreja temos uma responsabilidade de responder a essa chamada como diz aqui: “vocês receberam a palavra que de nós ouvistes e que é de Deus e acolhestes não só como palavra de homens e sim como verdade é a Palavra de Deus”.

E por isso irmãos vamos deixar neste ponto aqui hoje e vamos continuar nos v. 13-14 no próximo estudo de 1 TS mas lembrem-se que a nossa responsabilidade não é de estar a ser um ditador e dominador sobre vocês e estamos aqui para encorajar os irmãos como Paulo teve de encorajar os irmãos em Tessalônica e todos nós irmãos precisamos de encorajamento.

Vai haver perseguições irmãos, vai haver grande perseguição.

Queridos irmãos isto é só, hoje em dia, o começo das dores.

Queridos irmãos vai ficar muito pior e dentro dos próximos dias e meses e não estou a falar de dezenas de anos, queridos irmãos a pressão aos irmãos da igreja, as dificuldades, os problemas, os testes, as provações estão maiores que jamais.

Quando eu ouço os problemas que os irmãos estão a ter são piores que jamais.

E todos os problemas aparecem ao mesmo tempo, situações completamente diferentes e por isso queridos irmãos sejam fortalecidos debaixo desta perseguição e não podemos desistir agora pouco antes do fim pois temos que continuar a corrida e que o Senhor vos dê força e vos encoraje nestes dias difíceis a nossa frente.

AMÉM!!