Pregando o evangelho e preparando um povo

O que é a piedade?

Você está aqui

O que é a piedade?

Download (Baixar)
MP3 Audio (45.07 MB)

Download (Baixar)

O que é a piedade?

MP3 Audio (45.07 MB)
×

A piedade tem um significado mais profundo, acima do geralmente entendido. Este sermão aborda esse significado e demonstra como esse significado adicional nos ajuda entender esta "ponte" entre a fé e as obras.

Transcrição

Bom dia ou boa tarde, queridos irmãos! Aqui é Jorge de Campos.

O apóstolo Pedro falando deste mundo de escarnecedores diz em II Pedro 3:11:

Visto que todas essas coisas hão de ser assim desfeitas [Vamos ter um mundo novo no futuro], deveis ser tais como os que vivem em santo procedimento e piedade.

Queridos irmãos, devemos de viver em santo procedimento e piedade. Ora, como devemos de ser em piedade?

Existe um grande mal entendido que é ser piedoso: maneira de olhar, de pôr as mãos, uma maneira de agir muito piedoso, ostentar ser religioso, dizer a tudo “em nome de Jesus Cristo”, “paz, paz”. O que é a piedade?

Queridos irmãos, hoje devejo de lhes dar um entendimento mais profundo do que é realmente a piedade e o farei demonstrando na Bíblia, mas demonstrando o significado primeiro, provando da Bíblia que este é o significado da palavra piedade, e, depois, vamos ver aonde a piedade se enquandra no processo do crescimento cristão.

A palavra piedade na Bíblia, traduzida em português da palavra grega eusebeia é traduzida em inglês não usando a palavra inglesa para piedade porque sim, existe uma palavra inglesa para piedade, mas é traduzida do inglês para uma palavra que significa ser semelhante a Deus.

Ora isso me fez pensar o que é a piedade. Porque a palavra piedade por si própria tem, digamos assim, um entendimento, um parecer religioso, amor à coisas religiosas, uma certa atitude de aparentar, digamos assim, que pode ser em certos casos artificiais, talvez uma posição, um olhar, uns ares.

Então, piedade é um parecer simplesmente externo? É ser amoroso, carinhoso... o que é ser piedoso? Pois, piedade é uma prática, uma maneira de viver. Então qual prática Deus nos revela na Bíblia para sermos realmente, verdadeiramente, semelhantes a Deus? Ou digamos piedosos?

Por isso, é importante analisarmos o significado e vermos se as nossas práticas estão de acordo com o significado bíblico. Ora, quando não sabemos e fazemos algo em ignorância, tudo bem, Deus fecha os olhos. Pois, foi feito na ignorância. Mas Deus espera que nós aprendámos e que venhamos a praticar piedade. Por isso, uma vez que aprendemos esta maneira de ser e de viver, temos que mudar.

Por isso e uma vez mais, o que é a piedade?

Na Enciclopédia de Stronger a palavra 2150 que se traduz da palavra grega eusebeia refere-se desta maneira: “à semelhança de Deus, sagrado, bem venerável, bem religioso.” No Dicionário de Barnes, a palavra significa “uma tarefa ou responsabilidade que devemos a Deus”; no Dicionário de Ferneas “venerado respeito, piedade para com Deus, semelhança para com Deus”. O Dicionário de Warnes, diz “vem de Deus eusebeia que significa bem devotado e demonstra uma piedade característica para com Deus que faz o que é agradável diante de Deus”.

Por isso, todos estes Dicionários se referem a Piedade como respeito, tarefa que devemos a Deus, atitude para com Deus e o que fazemos que é agradável para com Deus e o que é semelhante a Deus.

Mas, é importante entender um bocadinho mais acerca do que que Paulo, por exemplo, e Pedro se referiam quando usavam a palavra eusebeia. O Dicionário complementário da Língua Portuguesa de Augusto Moreno diz temor as coisas religiosas, religiosidade, devoção, compaixão, dó, ternura.

O problema com esta definição é que é fácil pôr o entendimento correcto pondo simplesmente como uma coisa fora, uma exibição, uma maneira que podia ser vista como hipócrita. O verdadeiro significado interno dentro de nós.

Por exemplo, nós podemos estar afectados de religião antiga ou anterior de onde viemos. Estamos afectados por uma tradição católica e por exemplo, o nosso entendimento, a nossa percepção do que é ser piedoso pode ser desfocado por causa de onde viemos, por causa do entendimento católico. Se temos o entendimento protestante ou evangélico é possível que nós, sem reparar, sem qualquer mal intenção, estejámos a trazer, a arrastar esse entendimento ou um entendimento incorrecto sem analisar cuidadosamente o que é ser piedoso. Se o entendimento incorrecto torna um impedimento à nossa compreensão do verdadeiro significado e assim vai afectar a nossa prática e na realidade o nosso crescimento espiritual e até pode causar uma separação e, ultimamente, pode causar uma barreira para não entrarmos no Reino de Deus.

Por isso, precisamos de estudar o significado mais profundo da palavra usada por Paulo, eusebeia, a qual foi traduzida por peidade em português e em inglês semelhante a Deus; pois este significado é importante porque senão entendermos profundamente o que isso quer dizer, o verdadeiro significado pode estar diluído, enfraquecido ou completamente esquecido pela prática comum.

Embora várias destas definições demonstradas não estarem incorrectas, não explicam suficientemente, na linguagem de hoje, o que devemos fazer para sermos pessoas com eusebeia, com piedade.

Existem outros dicaçdicionários, como o Dicionário da Oxford, diz o seguinte: “dedicação, fé, religião, isto é, religiosamente dedicado”. A Enciclopédia do T. Rogger diz que “é uma mentalidade religiosa devotado, fidelidade, obediência as nossas tarefas, o servo leal, o servo crente, o leal”

Agora estamos a ver pontos importantes. Aqui vê-se que é uma dedicação, devoção, é uma fidelidade, é uma lealdade que, está claro, é amor às coisas de Deus, é uma compaixão, misericórdia, ternura ... mas tem um significado mais significante e profundo.

Se estamos a ver simplesmente piedade como compaixão, ternura, misericórdia; temos um entendimento que não é completo, particularmente se a nossa experiência prévia era uma experiência católica ou protestante ou evangélica, pode ser que estejamos a arrastar o entendimento incorrecto para dentro da Igreja de Deus por causa do nosso antigo hábito que não é bíblico como veremos mais adiante. Por isso, a piedade torna-se uma forma incorrecta, não bíblica; invés de tomar o significado real, de fidelidade, lealdade, dedicação fiel e leal e devoção. Sim, é uma devoção a Deus. É sim ser semelhante a Deus. Mas é um significado que é de dedicação dos nossos compromissos na nossa palavra para sermos fiéis e leais a Deus como Deus é leal e fiel.

Assim, se não termos este entendimento, a palavra piedade pode ter simplesmente um significado externo de aparência religiosa, de maneirísmos religiosos que não tem nenhum valor para com Deus. É também preciso manter em mente, também é preciso pensar que as enciclopédias do grego estão a dizer acerca de eusebeia. Dizem que é uma tarefa que devemos a Deus. É uma atitude para com Deus, fazer o que é agradável a vista de Deus, o que é semelhante a Deus. Por isso, está correcto, mas temos que ver isso no contexto de fidelidade, lealdade, dedicação fiel e devoção a Deus. Ser fiel como ele é e assim é uma tarefa que devemos a ele, é uma atitude para com Deus, é fazer o que é agradável à vista de Deus.

Por isso, vemos que este entendimento mais profundo é vital, é vitalíssim para entendermos realmente o que é ser piedoso.

Pode-se concluir que a verdadeira piedade é uma dedicação, devoção, lealdade, tarefa que devemos a Deus. Uma atitude para com Deus que fazemos e é agradável à vista de Deus. Uma lealdade e fidelidade como Deus é leal e fiel a nós.

Do Dicionário novo do Dicionário Colegial Webster sutraímos um sumário que diz: “piedade é demonstrar uma fidelidade nas obrigaçoes naturais para com os nossos pais, uma obediência para com as nossas tarefas religiosas, devotado e diz finalmente que piedade   dá ênfase as obrigações consideradas naturais, fundamentais e o cumprimento ou guarda das tarefas determinadas por essa fidelidade.

Dito doutra maneira: a piedade é uma dedicação, fidelidade constante e rigorosa para com as obrigações e responsabilidades naturais e fundamentais para com Deus e é o desempenho fiel destas responsabilidades e acções que são necessárias para esta fidelidade que é agradável para com Deus. Esta fidelidade e lealdade é o compromisso, é uma fidelidade semelhante à que Deus tem para conosco.

Agora vamos provar isto da Bíblia.

I Timóteo 5 versículos 3 e 4:

Honra as viúvas verdadeiramente viúvas.

Mas, se alguma viúva tem filhos ou netos, que estes aprendam primeiro a exercer piedade [eusebeia] para com a própria casa e a recompensar a seus progenitores; pois isto é aceitável diante de Deus.

Neste caso, exercer piedade, é uma fidelidade às nossas obrigações e responsabilidades naturais para com a nossa família, para com os nossos pais e desempenhar fielmente estas acções que são necessárias; desta maneira fazendo o que é agradável a Deus. Veja também no versículo 8:

Ora, se alguém não tem cuidado dos seus [se não demonstra fidelidade aos seus parentes] e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente.

Aqui vemos como Paulo está a explicar, está a definir que piedade é uma fidelidade àqueles que temos uma responsabilidade de ser fiel.

Peidade para com Deus, é ser fiel às nossas responsabilidades para com Deus e assim fazemos o que é agradável a Deus. Sim! É amor, é ternura, em prática e não é só em demonstração exterior. Não é só um parecer mas é uma prática.

Vejemos em I Timóteo 4 versículos 6 a 9:

Expondo estas coisas aos irmãos, serás bom ministro de Cristo Jesus, alimentado com as palavras da fé e da boa doutrina que tens seguido.

Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas caducas. Exercita-te, pessoalmente, na piedade.

Pois o exercício físico para pouco é proveitoso, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser [promessa da vida eterna].

Fiel é esta palavra e digna de inteira aceitação.

A piedade é exercitar, praticar, ser fiel aos nossos compromissos diante de Deus. Exercita-te, pessoalmente, na piedade.

Aonde a piedade se enquadra no processo do crescimento cristão?

Ora, há uma outra referência que eu quero que tomem nota no livro entitulado Uma nova teologia do Novo Testamento por Roy Bezuck publicado pela imressão Mudi que diz: “Paulo viu eusebeia (piedade) como uma ponte da fé e das boas obras. As boas obras procedem da fé genuína.” Ponto importante.

A piedade é uma ponte entre a fé e as boas obras. Ponte entre estes dois. Noutras palavras: a fidelidade começa pela fé. O que é a fé? Fé é acreditar que Deus é fiel. Acreditar no que Deus diz porque ele é fiel e isto nos encoraja, nos instiga a completar as nossas obrigações e compromissos a Deus. É também ser fiel fazendo o que Deus quer que nós façamos. Por isso, é o desempenho destas responsabilidades que são agradáveis a Deus. Assim, produz frutos, produz resultados. Estes frutos, estes resultados, desse serviço dedicado a Deus são obras – boas obras. É uma corrente com seus elos um ligado para outro, para outro, para outro... ligados do lado da corrente a outro lado da corrente por eusebeia (piedade).

Vamos então ver esta corrente. Esta progressão de fé às boas obras. Isto  está em II Pedro 1 vamos começar a ler no versículo 5, a outra parte inicial leremos mais tarde.

Por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé [acreditam em Deus porque Deus é fiel] a virtude [virtude é uma conduta com altos padrões de moralidade de acordo com as normas de Deus; conduta de moralidade, moral]; com a virtude, o conhecimento;

Estamos a ver esta corrente, digamos, esta professão da diligência, fé, da fé à virtude, da virtude ao conhecimento. O que é o conhecimento? A palavra de Deus, a Bíblia – é a fundação de todo o conhecimento, de toda a sabedoria, de toda a ciência verdadeira. É a Bíblia.

Com o conhecimento, o domínio próprio; com o domínio próprio, a perseverança; com a perseverança [fazer mesmo contra a nossa vontade], a piedade [eusebeia – uma devoção, uma fidelidade, aos nossos compromissos com Deus e que vamos manter fiéis, agarrados à isto e manter-se inquebravelmente fiéis];

Sabemos que Deus é fiel e com o conhecimento da sua palavra, aquilo que Deus diz para fazermos, precisamos ter o domínio próprio – fazer o que sabemos que temos que fazer.

Com a piedade, a fraternidade [amor para com os irmãos, boas obras de amar o próximo]; com a fraternidade, o amor [amor ágape – amor como o de Deus].

Vimos que a piedade é uma corrente porque começou na diligência e estes actos de fé, de virtude, conhecimento, domínio próprio, perseverança; chega nesta ponte de ser fiel para dar resultados de boa obra que é a fraternidade e o amor

Versículo 8:

Porque estas coisas, existindo em vós e em vós aumentando, fazem com que não sejais nem inativos, nem infrutuosos [sem frutos] no pleno conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.

Por isso que ao fim desta carta, Pedro diz: cresçam na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo ... é o que está aqui a dizer. Temos que crescer na graça. Venham capítulo 1 versículo 2:

Graça e paz vos sejam multiplicadas, no pleno conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor.

Está aqui a falar da mesma coisa no versículo 8. Pondo isto em prática esta graça, esta gentileza, amor, fé, esta fidelidade – fazer o que Deus quer que nós façamos com virtude e com domínio próprio, com perseverança porque Deus é fiel e nós vamos ser fiéis igualmente, vamos ser piedosos – vamos ser semelhantes a Deus e assim o resultado vai ser frutos de amor, de fraternidade, de cuidado como falamos com as outras pessoas, de carinho. Versículo 10:

Por isso, irmãos, procurai, com diligência [dedicação] cada vez maior, confirmar a vossa vocação [profissão. Qual é nossa profissão? De sermos verdadeiros cristãos] e eleição [chamada. Deus nos chamou]; porquanto, procedendo assim, não tropeçareis em tempo algum.

Por isso, a piedade, esta fidelidade, esta lealdade, esta dedicação a sermos como Deus é, aos nossos compromissos para com Deus, é um passo crítico no crescimento cristão. Se praticarmos a verdadeira piedade nunca tropeçaremos como lemos no versículo 10. É a mesma coisa que dizer: se praticarmos a verdadeira piedade de sermos fiéis, leais, estarmos dedicados a Deus como Deus fez um compromisso e mantém-se fiel a ele; se formos de facto assim, nunca deixaremos a Igreja de Deus. Está a dizer que nunca tropeçaremos, nunca cairemos.

Não é somente fé. “oh, só precisamos de ter fé...” temos que acrescentar fé a virtude, conhecimento, perseverança, domínio próprio, pôr tudo isto em prática, sendo fiéis a fazer o que aprendemos, acerca das virtudes e conhecimento de Deus, temos que fazer fielmente estas obrigações e responsabilidades que realmente são naturais e fundamentais para com Deus porque são amor. Temos que desempenhar estas responsabilidades para com Deus do amor ao próximo e do amor de Deus. Quando fazemos isto, então estamos a fazer o qe é agradável a Deus e nunca tropeçaremos.

A piedade é como se fosse uma ponte entre a fé e as boas obras. A fé e as obras não estão em oposição. Não! Mas a lealdade, a fidelidade aos nossos compromissos, a nossa dedicação é um passo vitalíssimo no crescimento cristão. Versículo 11:

Pois desta maneira é que vos será amplamente suprida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

É assim que entraremos no reino de Deus.

Depois, no versículo 12:

Por esta razão, sempre estarei pronto para trazer-vos lembrados acerca destas coisas, embora estejais certos da verdade já presente convosco e nela confirmados.

Queridos irmãos, eu tenho tentado seguir este exemplo de Pedro de nos lembrar continuamente de serem fiéis a Deus, porem Jesus Cristo primeiro e de demonstrar esta fidelidade, obedecer os mandamentos de Deus. Versículo 13:

Também considero justo,enquanto estou neste tabernáculo [também considero justo nesta vida para vos ensinar isto, despertar-vos com estas lembranças, para repetir-vos, irmãos, têm que acordar, têm que ser fiéis até ao fim], despertar-vos com essas lembranças,

certo de que estou prestes a deixar o meu tabernáculo, como efectivamente nosso Senhor Jesus Cristo me revelou.

Pedro sabia que ia morrer brevemente. Versículo 15:

Mas, de minha parte, esforçar-me-ei, diligentemente, por fazer que, a todo tempo, mesmo depois da minha partida, conserveis lembrança de tudo.

Pedro se esforçou e este facto que estamos a ler hoje. Isto é um cumprimento desta profecia de que ele se esforçou e estamos a lembrar-nos porque Pedro nos deixou esta lembrança.

Queridos irmãos, Deus não mente, ele é fiel. Se o homem for infiel, isto é o homem. Romanos 3:3-4 Romanos 3:3-4 [3] Pois quê? Se alguns foram infiéis, porventura a sua infidelidade anulará a fidelidade de Deus? [4] De modo nenhum; antes seja Deus verdadeiro, e todo homem mentiroso; como está escrito: Para que sejas justificado em tuas palavras, e venças quando fores julgado.
Almeida Atualizada×
. Mas Deus não é infiel. Então, o que Deus prometeu?

Vejamo em Efésios 1 versículos 4 e 5:

Assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo [Deus decidiu, antes da fundação do mundo, escolher alguns primeiro e nós somos parte destes alguns, graças a Deus, você e eu que fomos chamados], para sermos santos [separados diante do mundão] e irreprensíveis [não ser pecador] perante ele; e em amor

Nos predestinou para ele [virmos a ser filhos], para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade,

 Irmãos, é Deus que nos escolhe, é Deus que nos chama. Quantas vezes eu faço referência a João 6 versículo 44? Que é Deus que nos chama? É Deus que nos chama. E, sabes? Muitas pessoas ouvem isto e continuam a actuar como se nunca tivessem ouvido.

Para louvor da glória de sua graça, que ele nos concedeu gratuitamente no Amado,

Por isso que precisamos crescer na graça e no conhecimento de Jesus Cristo.

No qual temos a redenção [comprados de volta], pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça,

Queridos irmãos, qual é a vontade de Deus? A vontade de Deus é que nós venhamos a ser filhos e filhas de Deus. Lemos no versículo 5. Virmos a ser filhos e filhas, membros da Família de Deus. Ele é o Pai. Esse é o grande mistério que o mundo não entende. Leia no versículo 9:

Desvendando-nos o mistério da sua vontade [virmos a ser filhos de Deus], segundo o seu beneplácito [bom prazer] que propusera em Cristo,

Vejam também como Pedro descreve isto em II Pedro 1 versículo 2:

Graça e paz vos sejam multiplicadas, no pleno conhecimento de Deus e de Jesus, nosso Senhor.

Temos que conhecer para podermos imitar, para podermos ser semelhantes a ele, para sermos fiéis como ele é. Isto é um enorme conhecimento, é um grande mistério que as pessoas não entendem. Versículo 3:

Visto como, pelo seu divino poder [poder do Espirito Santo de Deus], nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à Vida e à piedade [Deus através do seu Espírito, nos dá todas as coisas para nos conduzir à Vida Eterna e á piedade (ser semelhante à Deus), ser fiel como ele é fiel], pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude,

Pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas [Deus concedeu-nos todos os atributos do Espírito Santo. São grandes promessas. Porque a meta, é sermos filhos e filhas de Deus e herdarmos tudo], para que por elas [através de todas as ferramentas que nos são dadas, as capacidades do poder do Espírito Santo, para sermos santos pela santificação do Espírito de Deus] vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo, [vencendo fielmente até ao fim]

Por isso mesmo, vós, reunindo toda a vossa diligência, associai com a vossa fé a virtude; com a virtude, o conhecimento;

Por isso, esforçai-vos, por causa da fidelidade de Deus, nós acreditamos nele, acreditamos nestas promessas, nós vamos ser moralmente correctos, vamos aprender mais, vamos ter o domínio próprio, vamos perseverar até ao fim, vamos ter a piedade, vamos ser fiéis até ao fim para sermos semelhantes a Deus, vamos imitar a Deus no que fazemos, na maneira como fazemos para termos amor de irmandade e o amor de Deus. Veja em Hebreus 3, começar a ler no versículo 1:

Por isso, santos irmãos, que participais da vocação celestial, considerai atentamente o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus,

O qual é fiel [Deus é fiel. Jesus Cristo é fiel. Nós temos que ser fiéis, semelhantes a eles] àquele que o constituiu, como também o era Moisés em toda a casa de Deus.

Jesus, todavia, tem sido considerado digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a estabeleceu.

Veja um bocadinho adiante  no versículo 12:

Tende cuidado, irmãos, jamais aconteça haver em qualquer de vós perverso coração de incredulidade [não acreditar, de não ter fé, não terem fé que Deus é fiel e quando não temos fé que Deus é fiel, não vamos obedecer. Porque quando temos fé, quando cremos – obedecemos ] que vos afaste do Deus vivo;

Pelo contrário, exortai-vos mutuamente cada dia, durante o tempo que se chama Hoje [aqui está a falar especificamente do sábado], a fim de que nenhum de vós seja endurecido pelo engano do pecado.

Quando não acreditamos não fazemos o que Deus diz para fazer. Isto é, pecamos. Veja, por exemplo no versículo 18:

E contra quem jurou que não entrariam no seu descanso [isto refere-se aos israelitas que andaram no deserto por quarenta anos e não entraram na terra prometida. Para nós a terra prometida é o Reino de Deus. É o descanso simbolizado pelo sábado], senão contra os que foram desobedientes [os israelitas desobedientes não entraram na terra prometida]?

Vemos, pois, que não puderam entrar por causa da incredulidade.

São desobedientes porque não acreditam, têm a incredulidade. Vejam também no capítulo 4 versículo 3:

Nós, porém, que cremos [que acreditamos, que temos fé. Porque Deus é fiel e acreditamos que ele é fiel e então], entramos no descanso [vamos entrar na terra prometida que para nós é o Reino de Deus que é simbolizado pelo sábado semanal, o descanso], conforme Deus tem dito: Assim, jurei na minha ira: Não entrarão no meu descanso.

Embora, certamente, as obras estivessem concluídas desde a fundação do mundo.

Porque, em certo lugar, assim disse, no tocante ao sétimo dia: E descansou Deus, no sétimo dia, de todas as obras que fizera.

E novamente, no mesmo lugar: Não entrarão no meu descanso.

Mais uma vez, faz-se analogia do sábado que aponta. O que para nós, é o reino milenial. Versículo 9:

Portanto, resta um repouso [sabático ou sabatismo], para o povo de Deus.

Por isso, o povo cristão ainda tem que guardar o sábado do sétimo dia que é simbólico e aponta para o descanso eterno e para os israelitas, a terra prometida, para nós (cristãos) o reino de Deus. A vida eterna. Por isso, resta para nós a guarda do sábado semanal.

Aqui vê-se que o escritor de Hebreus, acredita-se que seja Paulo, é outro assunto e pode-se provar. Continuando no versículo 11:

Esforcemo-nos [temos que nos esforçar para entrar no reino de Deus que é simbolizado, numa metáfora, pelo sábado semanal que temos que guardar], pois, por entrar naquele descanso, a fim de que ninguém caia [uma vez mais temos o aviso para não cairmos], segundo o mesmo exemplo de desobediência.

Estamos a obedecer ao sábado semanal ou não? Ou temos desculpas: “oh, não! Agora não é preciso.” Versículo 12:

Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração.

E não há criatura que não seja manifesta na sua presença; pelo contrário, todas as coisas estão descobertas e patentes aos olhos daquele a quem temos de prestar contas.

Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão.

Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; antes, foi ele [Jesus Cristo] tentado em todas as coisas, à nossa semelhança, mas sem pecado.

Acheguemo-nos, portanto, confiadamente, junto ao trono da graça, a fim de recebermos misericórdia e acharmos graça para socorro em ocasião oportuna [quando precisarmos].

Queridos irmãos, isto é importante para nós. Temos que ter esta fidelidade. Veja em Hebreus 6 versículos 4 a 6:

É impossível, pois, que aqueles que uma vez foram iluminados, e provaram o dom celestial, e se tornaram participantes do Espírito Santo,

E provaram a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro,

E caíram, sim, é impossível outra vez renová-los para arrependimento, visto que, de novo, estão crucificando para si mesmos o Filho de Deus e expondo-o à ignomínia.

Precisamos ter cuidado que é mesmo diligência. Vejam, por exemplo, a partir do versículo 16:

Pois os homens juram pelo que lhes é superior, e o juramento, servindo de garantia, para eles, é o fim de toda contenda.

Por isso, Deus, quando quis mostrar mais firmemente aos herdeiros da promessa a imutabilidade do seu propósito, se interpôs com juramento,

Para que, mediante duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, forte alento tenhamos nós que já corremos para o refúgio, a fim de lançar mão da esperança proposta;

A qual temos por âncora da alma, segura e firme que penetra além do véu,

Onde Jesus, como precursor, entrou por nós, tendo-se tornado sumo sacerdote para sempre, segundo a ordem de Melquisedeque.

Vemos aqui que Deus nos dá uma promessa que é segura e firme. Ele é fiel à sua palavra. Ele cumpre os seus compromissos. Por isso, temos que ser semelhantes a ele. Temos que imitá-lo. Temos que ser piedosos e não andar para trás. Como diz: “é impossivel, renová-los ao arrependimento.”

Temos que ser piedosos, isto é, dedicados, fiéis aos nossos compromissos e fazer o que é agradável a ele.

Queridos irmãos, satanás deseja que tenhamos um mau entendimento do que é ser piedoso. Sim, porque a piedade pode tornar-se uma forma externa, uma demonstração sentimental. A piedade pode ser externa, demonstração de religiosidade sem valor. Ora, vejam em II Timóteo 3 versículo 5:

Tendo forma de piedade, negando-lhe, entretanto, o poder [Uma forma de piedade que é externa, aparente mas não é a verdade piedade. É uma piedade falsa]. Foge também destes.

O aviso é para nós. Deixar desta maneira de sermos. É fácil de arrastarmos este entendimento incorrecto das nossas religiões antigas. Precisamos de analisar, conforme estamos na igreja. Irmãos, o baptismo é só o primeiro passo. Uma vez que estamos baptizados começamos a aprender mais e mais e mais e a limpar e a aprender a ser mais como Deus é. Aprendemos mais acerca como Deus é fiel, acerca da própria moralidade, virtude, mais conhecimento, mais domínio próprio, mais perseverança, mais fidelidade, piedade – ser igual a Deus para produzirmos frutos como uma ponte.

Irmãos, vejam em I João 3 versículo 22:

E aquilo que pedimos dele recebemos, porque guardamos os seus mandamentos [porque mais que obedecer as leis de Deus, simplesmente não está a dizer só dos dez mandamentos ...] e fazemos diante dele o que lhe é agradável.

O que é agradável a Deus?

Por isso, esta piedade é um grande poder. Porque Deus nos houve quando estamos a fazer a piedade. Vejam em I Timóteo 6 versículo 3:

Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade,

Não concordam com este ensino de Jesus que é a Bíblia, o ensino segundo a piedade de ser fiel como ele é fiel; de ser leal, ser semelhante a ele; se não fazemos isto. Versículo seguinte:

É enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras [são doutores de palavras, são muito inteligentes com as palavras, são grandes filósofos e teólogos], de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas,

Altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro.

“oh, eu quero ser um pastor, quero formar a minha igreja”. Porque é uma fonte de lucro. Não irmãos!

Queridos irmãos, precisamos ter cuidado. Em II Timóteo 2 versículos 15 até :

Procura apresentar-se a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade.

Evita, igualmente, os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade [falta de piedade, falta de fidelidade, lealdade a Deus] ainda maior.

Além disso, a linguagem deles corrói como câncer [se espalha como cancro. É muito perigoso]; entre os quais se incluem Himeneu e Fileto.

Estes dois personagens que está aqui a falar se desviaram da verdade. E o que estavam a falar estava a perverter alguns.

Queridos irmãos, seja o que for que faz com que as pessoas se desviam da verdade, precisamos ter cuidado. Alguns estão a perverter a fé.

Queridos irmãos, isto é muito importante. Se lemos mais um bocadinho adiante, esta aplicaçã da piedade, no versículo 23:

E repele as questões insensatas e absurdas, pois sabes que só engendram contendas [de palavras].

Ora, é necessário que o servo do Senhor não viva a contender, e sim deve ser brando para com todos, apto para instruir, paciente,

Disciplinando com mansidão os que se opõem, na expectativa de que Deus lhes conceda não só o arrependimento para conhecerem plenamente a verdade,

Mas também o retorno à sensatez, livrando-se eles dos laços do diabo, tendo sido feitos cativos por ele para cumprirem a sua vontade.

Queridos irmãos, vejam que as pessoas não entendem o mistério da piedade. Este mistério da fidelidade de Deus e de Jesus Cristo. Veja em I Timóteo 3 versículo 16:

Evidentemente, grande é o mistério da piedade: Aquele [Theós] que foi manifestado na carne foi justificado em espírito, contemplado por anjos, pregado entre os gentios, crido no mundo, recebido na glória.

Queridos irmãos, o mistério da piedade é demonstrado pelo exemplo de Jesus Crsito, da sua fidelidade de fazer cumprir os seus compromissos, embora lhe tenha custado a vida. Por que? Para que nós possámos ter a vida eterna e na natureza de Deus. Nós somos a obra de Deus, então, qual é o resultado final do mistério da fidelidade de Jesus Cristo? É que viremos a ser filhos e filhas de Deus na Família de Deus. Por isso, nós temos que demonstrar a mesma fidelidade, o mesmo compromisso à nossa promessa que nós fizemos quando fomos baptizados e fizemos esta promessa, nesta nova aliança com Deus. Temos que demonstrar a nossa fidelidade!

Por isso, vemos que é importante entendermos o que é a piedade. Por isso é que diz em Apocalipse 17 versículo 14:

Pelejarão eles contra o Cordeiro, e o Cordeiro os vencerá, pois é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os chamados, eleitos e fiéis [foram leais até ao fim] que se acham com ele.

Irmãos, o que é a piedade? A piedade é uma dedicação, uma fidelidade constante e rigorosa com as obrigações e responsabilidades consideradas naturais e fundamentais para com Deus. A piedade é o desempenho fiel destas responsabilidades e acções que são necessárias por causa desta fidelidade, assim fazendo o que é agradável diante de Deus. Por isso é parte do nosso desenvolvimento do carácter de Deus. Esta dedicação fiel aos nossos compromissos para com Deus. Esta piedade é uma fidelidade que Deus tem para conosco. E a piedade é na direção do amor, da fraternidade, carinho e amor de Deus (ágape). Não é em contenda de palavras. É uma contenda de sermos leais a nova aliança que fizemos ou que vamos fazer quando fomos ou seremos baptizados. É crescer na graça e no conhecimento de nosso Senhor Jesus Cristo.

Na verdade, é esforçarmo-nos fielmente para sermos como Deus é. É desenvolvermos o carácter santo e justo de Deus até ao fim.

Queridos irmãos, precisamos praticar a piedade, a fidelidade, a verdadeira lealdade para podermos ser parte do reino de Deus, da Família de Deus.