Pregando o evangelho e preparando um povo

Epístolas de Paulo: 1 Tessalonicenses 1:5 - 2:4

Você está aqui

Epístolas de Paulo

1 Tessalonicenses 1:5 - 2:4

Download (Baixar)
MP3 Audio (44.45 MB)

Download (Baixar)

Epístolas de Paulo: 1 Tessalonicenses 1:5 - 2:4

MP3 Audio (44.45 MB)
×

Estudo Bíblico de Tessalonicenses.

Transcrição

Bom dia ou boa tarde queridos irmãos aqui é Jorge Campos.

Aqui neste estudo das epístolas de Paulo nós vimos como Saulo foi um devotado fariseu e como ele perseguiu os cristãos. Vimos também que ele veio a arrepender-se e foi chamado por Deus. Depois da sua chamada ele então reconheceu que a religião dele, a judaica, ou do judaísmo, não era realmente “cristã” (segundo os desejos de Deus).

Quando ele foi chamado para efetuar viagens missionárias, na sua segunda viagem missionária, ele passou por Tessalônica aonde ele ensinou durante o Sábado.

Vemos em AT 17 brevemente que diz assim: “tendo passado por Anfípolos e Apolônia chegaram a Tessalônica onde havia uma sinagoga de judeus e Paulo segundo o seu costume foi procura-los e por 3 Sábados arrazoou com eles acerca das Escrituras.”

Interessante foi no Sábado e que algumas pessoas dizem que: “O Paulo não guardava o sábado” e aqui vê-se que ele depois instruir várias pessoas que não eram judaicas e continuou a pregar a eles no Sábado.

E depois diz assim no v. 3: “expondo e demonstrando ter sido necessário que (primeiro) O Cristo padecesse, (segundo) ressurgisse dentre os mortos (e terceiro) e Este (dizia ele) é O Cristo, o Messias, Jesus que eu vos anuncio”.

Ora vemos aqui esses 3 pontos importantes onde ele anunciou e aqui neste versículo está a nos dar muitas informações importantes destes 3 pontos.

Vê-se aqui que ele está a declarar abertamente que o Messias tinha que sofrer antes da Segunda Vinda, antes de vir para reinar como o Messias.

E Paulo também está a tocar no ensino de anti-cristo, pois declara claramente que Cristo veio na carne e teve que morrer. Olhando para a igreja cristã, o que nós vemos é que estes cristãos inicialmente tiveram pressão dos judeus. Mas também se vê que o problema da igreja primitiva (além dessa pressão dos judeus) foi um que muitas pessoas começaram a virar de uma graça de Deus para uma oportunidade de libertinagem da lei dizendo: “ah é só graça somente.”

 Um problema que existia é que esses judeus estavam a dizer que a justiça, (para serem justos perante Deus,) era necessário obedecerem a Lei e especificamente a Lei das cerimônias que é o cerimonial.

E por isso vemos que estes dois desvios foi o que continuou e que também continua hoje em dia (primeiro) um desvio a essas libertinagens onde dizem que não precisamos da Lei e podemos fazer o que “eu quero e que me apetece e sim o que é correto para fazer” – e está claro que isso não é o que Jesus Cristo disse.

 

E em segundo lugar, é esta intenção das pessoas terem a sua “auto justiça!” Implementarem a sua própria auto justiça. Isto é, que “são justificados pela sua própria justiça.” Pelas suas próprias Leis que eles criam nas suas próprias mentes.

E por isso vemos que quando Paulo estava a instruir aos irmãos aqui em Tessalônica, estava a dizer que Cristo era o Messias e tinha que sofrer antes de ressuscitar; antes de vir pela segunda vez como o Messias.

“então alguns deles (v. 4, judeus) foram persuadidos e unidos a Paulo e Silas e bem como numerosa multidão de gregos piedosos e muitas distintas mulheres”.

E aqui estamos a ver uma numerosa multidão de gregos, isto é, de gentios e por isso quando Paulo estava a ensinar que o Messias tinha que sofrer isso causou a muitas pessoas a abrir os ouvidos e tomarem atenção porque os judeus esperavam que o Messias viesse imediatamente para estabelecer o reino dos judeus mas nós sabemos que quando Jesus Cristo vier de novo virá estabelecer o Reino de Deus sobre todas as nações da terra.

Ora os judeus porém, vê-se aqui no v. 5: “movidos de inveja” (aí está a motivação, a causa, a raiz do problema: esta inveja causou que Paulo tivesse que fugir ou retirar-se dessa área e depois foi para Beréia e depois mais adiante ele foi para Coríntio).

E quando estava em Coríntio ele então recebeu informação através de Timóteo, (quando Timóteo se ajuntou a Paulo), de como os irmãos em Tessalônica estavam a crescer. Então ele escreveu a carta ou epístola 1 TS para os encorajar, isto é, para lhes dar força e corrigir certas ideias pagãs que se estavam a infiltrar na igreja.

E por isso nós começamos a ler em TS e no capítulo 1 vemos que depois de ele introduzir dizendo: “Paulo, Silvano e Timóteo a igreja dos tessalonicenses em Deus Pai e no Senhor Jesus Cristo graça e paz a vós outros” e depois ele diz: “estamos sempre a dar graças a Deus por vocês, por todos vós, mencionando-vos em nossas orações sem cessar”.

E por isso vê-se aqui que Paulo agradeceu a eles como vemos aqui no v. 3:  ”recordando-nos diante de nosso Deus Pai a operosidade (as vossas obras) da vossa fé, da vossa abnegação, do vosso amor pelo trabalho e da firmeza (a paciência) da vossa esperança em Nosso Senhor Jesus Cristo”.

E por isso ele, digamos assim, os cumprimentou e disse: muito bem e agradeceu a eles pela fé, pelo amor e pela esperança que eles estavam a demonstrar.

E depois no último estudo começamos a ler o v. 5 e foi aí onde paramos que diz assim: “que o nosso Evangelho não chegou até vós somente em palavras”; ora que Evangelho era este? E está claro que era o Evangelho que Paulo foi instruído a dar, que era o Evangelho da Boa Nova que Deus instruiu e instrui a nós para proclamarmos!

E não está a dizer que é somente palavras como só dizer coisas más, é uma realidade que virá e qual foi o Evangelho que Paulo pregou? Nós lemos e foi aí onde completamos o estudo bíblico anterior onde nós lemos AT 28 quando ele estava em Roma, isto é, Paulo estava em Roma na prisão e ele estava a dizer assim e vemos aqui em AT 28:23 no meio do versículo estava a dizer: “então desde a manhã até a noite (porque quando Paulo estava na prisão mas na sua própria residência) fez exposição do Reino de Deus”!

Esta foi a Boa Nova que ele pregou e que nós pregamos é a Boa Nova do Reino de Deus e “procurando persuadi-los a respeito de Jesus tanto pela Lei de Moisés quanto pelos profetas” e estava tentando convencer a eles que Jesus à primeira vinda é o Messias e Ele teve que sofrer por nós.

Isso foi o que Paulo pregou e estava a pregar e nunca mudou! E nunca muda! Hoje em dia é a mesma coisa, é o Evangelho e a Boa Nova que nós pregamos. É a Boa Nova do mundo do amanhã, e é a Boa Nova do Reino de Deus; a Boa Nova que Deus, através de Jesus Cristo, a quem Ele delegou essa responsabilidade, virá reinar na terra e estabelecendo o governo de Deus e governando sobre seres humanos que serão os nossos filhos, netos e bisnetos que sobreviverão a esses dias terríveis e que virão a viver durante o reino milenial.

E então continuando a ler no v. 5 de 1 TS diz assim: “porque o nosso Evangelho não chegou até vós tão somente em palavras mas sobretudo em poder no Espírito Santo e em plena convicção”.

Em poder no Espírito Santo e em plena convicção e aqui vê-se um ponto muito importante que Paulo está claro com a autoridade como Jesus Cristo falou com autoridade mas aqui está a falar de poder e como palavra grega é DUNAMIS. Daí vêm palavras como dinamite, e dínamo, e dinâmico. Isto quer dizer como uma força dinâmica, mas além disso também quer dizer que o Espírito Santo é o poder de Deus e a força de Deus que é a capacidade que Deus nos dá, a força e energia e dinamismo, entusiasmo. Uma palavra interessante, pois a palavra “entusiasmo” quer dizer “Deus está conosco”.

Mas continuando então a ler Deus, vê-se aqui que Deus é quem nos dá poder e vejam por exemplo no v. 28 também diz assim: “porque de vós repercutiu a palavra do Senhor não só na Macedônia e na Cássia como também em toda a parte se divulgou a vossa fé para com Deus que a tal ponto não temos necessidade de acrescentar alguma coisa”.

Porque este Evangelho foi com força e eles vieram a ter conhecimento com poder, e é Deus quem dá este poder.

Vejam também em AT 1 vê-se aqui que a promessa do Pai era o Espírito Santo e vê-se aqui em AT 1:4: “e comendo com eles, Jesus Cristo, (vê-se aqui no fim do v. 3 que Jesus estava aqui a falar acerca do reino de Deus e por isso é o Evangelho do Reino de Deus) falou-lhes para que não se ausentassem de Jerusalém mas que esperassem a promessa do Pai a qual disse Ele que de Mim ouvistes”.

Isto é, esperem pela promessa do Pai e esta promessa era o poder do Espírito Santo pois vê-se aqui no v. 8: “mas recebereis poder ao descer sobre vós o Espírito Santo” e por isso o Espírito Santo deu a eles poder que é o poder do Espírito Santo e Deus nos dá poder irmãos. E Deus nos dá através do Espírito Santo muitas características e muitas bençãos assim como muitos dons e nos dá fé, poder, o amor de Deus, domínio próprio e está claro que temos que pôr em prática. Mas outro ponto importante que nos dá, é o amor de Deus que é o carinho, o cuidado, uma emanação de nós para com o outro, e isto vem de Deus que é o poder de Deus que Ele nos dá.

Ora o Espírito Santo, por isso digamos assim este “braço espiritual” de Deus é este poder que Deus que nos dá! É esta força. E está bem claro que Deus só nos dá uma certa quantidade (porção) de Seu poder.

Por exemplo o poder de Deus criou os céus e a terra e Ele, não nos dá hoje em dia esse poder (de criar).

Mas o que Deus nos dá hoje em dia é o poder para nós podermos mudar a nós próprios. Deus nos dá esse poder (do Espírito Santo) para nós usarmos esse poder para com nos ajudar a transformar do “velho eu” ao “novo eu”. Com o poder do Espírito Santo de Deus passamos por esse processo de transformação, este processo de mudança, este processo de mudarmos ou transformarmos ou vencermos a natureza humana e virmos a pôr em prática a natureza divina.

Vejam em 2 PE: 1:2-4 diz assim: “eleitos segundo a presciência de Deus Pai em santificação do espírito para obediência” (a santificação do espírito é nós sermos obedientes para nós termos esta força para vencermos a fraqueza da carne) “e a aspersão do sangue de Jesus Cristo, graça e paz, sejam multiplicadas. Bendito Deus Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo que segundo a sua grande misericórdia nos regenerou para uma viva esperança”.

Como é que somos regerados? Gerados pelo Espírito Santo de Deus!

“mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos para uma herança incorruptível, sem mácula, inacessível e reservada nos céus para vós outros pois sois guardados pelo poder de Deus diante da fé para salvação preparada para revelar-se no último tempo”.

Queridos irmãos, como lemos aqui em 1 PE, também em 2 PE lemos algo semelhante a isto. Vemos aqui em 2 PE 1:3 diz assim: “visto que como pelo seu divino poder nos tem sido doadas todas as coisas que conduzem a vida e a piedade pelo conhecimento completo Daquele que nos chamou para a sua própria glória e pelas quais nos tem sido doadas das sua preciosas muitas grandes promessas para que por elas vos torneis participantes da natureza divina livrando-nos das corrupções e paixões que há no mundo”.

E por isso recebemos o Espírito Santo para santificação e obediência e este é o poder de Deus que é o seu Divino Poder como lemos aqui em 2 PE 1:3 que nos dá todas as coisas espirituais que nós precisamos para vencermos a fraqueza da carne e para nos tornarmos coparticipantes da natureza divina.

E aqui está o poder de Deus! Que Ele nos dá para podermos crescer na graça e no conhecimento do Nosso Salvador Jesus Cristo.

Vejam também aqui nesse 2 PE 1:8: “porque estas coisas vindas em vós e vindo aumentando fazem com que não sejam inativos ou infrutíferos no pleno conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo”.

Como é que podemos crescer no conhecimento do Nosso Senhor Jesus Cristo? Ora leiam estes versículos aqui entre 4 e 8 para verem como é que podemos crescer no conhecimento de Jesus Cristo e começa com associar a vossa “fé, a virtude, com a virtude o conhecimento, com o conhecimento o domínio próprio, o domínio próprio a perseverança, a perseverança a piedade, isto é, ser como Deus é, e a piedade a fraternidade”, isto é, o amor entre irmãos, e “a fraternidade o amor” espiritual que é o amor de Deus.

É assim que crescemos no conhecimento de Nosso Senhor Jesus Cristo e por isso precisamos de crescer na graça, na aplicação, de pôr desta maneira em prática e com carinho, com amor de uns para com outros que é o conhecimento de Jesus Cristo.

Por isso, queridos irmãos, Deus nos dá o poder do Espírito Santo mas precisamos diariamente de pedir a Deus como lemos por exemplo em TG 1:5 diz: “se você precisa de sabedoria peça a Deus que vai dar isso liberalmente” e vemos também em MT 7:7 que também diz: “bata e aporta se abrirá” portanto peçam a Deus e por que? Pelo pão diário o pão cotidiano, o pão de cada dia e qual é este pão? O pão diário fisicamente o é pois é comida mas espiritualmente é o Espírito Santo de Deus que é o Pão da Vida através que Deus nos dá por Jesus Cristo que é o Pão da Vida.

Queridos irmãos nós precisamos de pedir isto diariamente e como? Pelas nossas orações, pelo nosso estudo bíblico, pelo nosso jejum ocasional, pela nossa meditação, pela nossa prática e de vencermos, a pôr domínio próprio com a ajuda do Espírito Santo, a vencer! E conforme vamos praticando, como em AT 5:32 se lê: “Deus nos dá mais do seu Espírito”.

E por isso continuando a ler aqui em 1 TS 1:5 vê-se que diz assim: “porque o nosso evangelho não chegou a vós somente em palavras mas sobretudo em poder do Espírito Santo e em plena convicção”.

Queridos irmãos convicção é mais do que simplesmente convencer pois convicção é estar convicto, é saber que de fato sei e que estou mais do que completamente convencido. Estou completamente comprometido que isto é assim.

É por isto que diz aqui: “em plena convicção”! Ora queridos irmãos, há dois agentes de convicção, dois agentes que nos fazem convictos: que são a Palavra de Deus e o Espírito Santo de Deus.

Não sou eu ou nenhuma pessoa a estar a falar, falar, falar, a tentar colocar coisas na sua cabeça! Uma pessoa pode tentar convencer mas o único que lhe vai convencer de coisas espirituais é o Espírito de Deus e a Palavra de Deus.

Vejam aqui por exemplo em JO 6:63 diz assim: “o Espírito Santo de Deus é o que vivifica e a carne para nada aproveita e as palavras que vos tenho dito são Espírito e são Vida”.

O Espírito Santo é o que nos vivifica e as palavras de Jesus Cristo que é a Palavra de Deus e a Bíblia são Espírito e Vida.

Queridos irmãos, vê-se aqui por exemplo nas palavras de Jesus Cristo, que basicamente é: a Bíblia e o Espírito Santo! Estes são (digamos assim) igualados e comparados ao mesmo nível, que são Espírito e Vida.

Vejam também em JO 16:7-8 diz assim: “mas eu vos digo a verdade pois convém-vos que eu vá (isto é, Jesus Cristo a dizer: “que convém que Eu vá para o lado do Pai”) porque se Eu não for, o Consolador (isto é, o Espírito Santo de Deus, o conselheiro e o ajudador) não virá para vós outros, porém se Eu for, Eu vos enviarei o Espírito (o Espírito de Deus) e quando Ele vier (isto é quando nós recebermos o Espírito de Deus) convencerá” (a palavra em inglês diz convictará, infelizmente não há essa palavra  em português do verbo “fazer convicto” mas quando o Espírito Santo vier Jesus Cristo diz que nos fará convictos).

O Espírito Santo de Deus é o agente que nos faz convictos e que nos faz completamente comprometidos e entendendo e sabendo que a verdade é o Espírito de Deus e como vimos a palavra Deus é equalizada ao Espírito de Deus porque são Espírito e Vida.

E por isso vemos aqui que os agentes de convicção, os agentes que nos fazem convictos, é o Espírito Santo e a Palavra de Deus.

Por isso queridos irmãos nós temos a Palavra de Deus que tem sido pregada a nós e como diz em RM 10: “e se alguém não vier pregar como é que vamos saber?”

Vejam por exemplo aqui em RM 10:14-17 diz assim: “como porém invocarão a quem não creram e como crerão naquele de quem nada ouviram e como virão se não há quem pregue?”

Por isso é necessário haver a pregação, “e como pregarão, se não foram enviados?” (Versículo 15).

Queridos irmãos os ministros de Deus têm que ser enviados pois não se enviam a eles próprios.

Como está escrito: “quão formosos são os pés dos que anunciam o Evangelho de Paz” e como se lê na ACF e por isso irmãos vemos aqui também no v. 17: “e assim a fé vem pela pregação e a pregação pela Palavra de Cristo”.

Queridos irmãos precisamos de receber a Palavra de Cristo, porque isto é o que nos faz convictos pelo Espírito Santo de Deus.

Por isso queridos irmãos o milagre do Poder do Espírito Santo é que o Espírito Santo nos faz convictos e nos abre os olhos para entendermos e abrir os ouvidos para ouvirmos e compreendermos e por isso é como esse véu e esta neblina que faz com que nós não vejamos bem a Verdade seja levantada e então entendemos a Palavra de Deus claramente.

E vejam por exemplo em LC 24:44-45 diz assim: “a seguir Jesus lhes disse: são estas as palavras que falei ainda estando convosco e importava que se cumprisse tudo o que de a Mim está escrito na Lei de Moisés e nos profetas e nos Salmos e então lhes abriu o entendimento para compreenderem as Escrituras”.

Aqui vê-se Jesus Cristo a falar com os discípulos pois depois de ter ressuscitado e esteve a abrir o entendimento deles e tirou este véu para eles entenderem as Escrituras, as profecias, a Lei como apontava a Cristo, os profetas apontavam a Cristo e como os escritos, isto é, os Salmos apontavam a Cristo.

E então eles começaram a entender e esse entendimento é um milagre e então vamos continuar a ler queridos irmãos no v. 5 de 1 TS diz assim: “assim como sabeis ter sido o nosso procedimento entre vós e pelo amor de vós”.

Assim como vocês sabem como nós procedemos e como nós demos um bom exemplo.

O exemplo dos cristãos é um ponto extremamente importante pois as suas ações, o seu exemplo fala mais alto que a sua pregação ou as suas palavras.

Queridos irmãos é muito importante o nosso exemplo e somos de fato pessoas que vivemos e praticamos uma vida pura?

E depois diz no v. 6): “vos tornastes imitadores nossos e do Senhor” (1 Ts 1:6); não há nada de errado em imitar o homem como neste caso, imitar a Paulo, e por que? Porque Paulo estava a imitar Jesus Cristo como lemos em 1 CO 11:1 diz: “imitem a Cristo” e Paulo imitava a Cristo e por isso ele diz: imitem a mim como estou a imitar a Cristo.

E por isso é muito importante irmãos que o nosso exemplo e a nossa vida cristã seja exemplar para ser uma coisa de não ser só um exemplo para outros aprenderem a seguir mas para ser um exemplo para as pessoas dizerem: ah aí vê-se o que é um verdadeiro cristão!

Não é só palavras e ações mas é uma vida.

E por isso nós todos nos beneficiamos pelos exemplos de outros cristãos que estejam de fato a praticar o caminho e por isso que diz: O Caminho vê-se no NT a dizer: O Caminho e a maneira de viver é O Caminho.

v. 6: “com efeito vos tornastes imitadores de Nosso Senhor tendo recebido A Palavra posto em que meio a muita tribulação com alegria do Espírito Santo” (1 Ts 1:6).

Receberam A Palavra posto que em meio de muita tribulação.

Queridos irmãos Paulo esteve no meio de muita tribulação, muitos argumentos, muita pressão e muitas dificuldades e esteve debaixo de muito estresse mas manteve-se fiel debaixo desse estresse e dessas dificuldades e aflições e perseguições pois foi batido, apedrejado mas manteve-se fiel como um bom exemplo.

Vejamos então no v. 7: “de sorte que vos tornastes o modelo para todos os crentes na Macedônia e Acaia” (1 Ts 1:7).

Vocês pelo vosso exemplo que é tão bom é o modelo para outros seguirem e você e eu podemos dizer que o nosso exemplo é um modelo para outros?

Quer dizer: estamos a dar uma boa impressão para outros quererem seguir a nós? Ou somos um mau exemplo? Somos verdadeiramente um exemplo que as pessoas a dizer: olha, por exemplo, as pessoas podem ver o seu mau exemplo porque você seja talvez digamos assim um bocado áspero, um bocado duro e outras pessoas dizem: olha isto é ser um cristão? Não quero nada a ver com isto.

Queridos irmãos essa ação de uma pessoa assim está a dar um bom nome a Deus? Está a levar o nome de Deus em vão? Sim porque os 10 mandamentos diz: “não leves o nome de Deus em vão” e muitas pessoas pensam corretamente que isto quer dizer palavras incorretas como palavrões e o que mais. MAS levar o nome de Deus em vão é ser um mau exemplo que por isso através desse mau exemplo estamos a dar uma má impressão pois estamos a levar o nome de Deus de uma maneira incorreta e em vão. MAS por outro lado o nosso exemplo deve ser o modelo.

E dar uma boa impressão, é como se fosse uma estampa, uma coisa que é um modelo que você usa. E depois, por exemplo, põem uma massa lá dentro! E depois põem pressão nesse modelo e depois deixam esse modelo esfriar. Depois de esfriar, abrem e tiram “uma coisa” que foi feita deste modelo. Depois põem outro bocado de massa quente lá dentro. Essa massa está meio macia o moldável e depois fecham o modelo e deixam-no esfriar, e depois de esfriar abrem o modelo, e depois tiram outra cópia do que fez com a massa, usando este modelo, esta impressão, esta estampa.

Queridos irmãos nós somos esse gênero de pessoas, que outras pessoas devem olhar para nós e dar glória a Deus e dizerem: “olhem isto é que deve ser um verdadeiro cristão”. Outras pessoas estão a olhar para você e a dizer “isto é que é um verdadeiro cristão! Eu quero seguir este modelo porque está a me causar uma impressão tão grande”. Ou, em vez disso, as pessoas estão a dizer “eu não quero nada a ver com esta igreja!” E por que? Por causa do exemplo de fulano ou sicrano ou tal.

Queridos irmãos diz aqui: “de sorte que vos tornastes o modelo para todos os crentes!” não só para as pessoas do mundo mas para os crentes seguirem este exemplo!

Para fazer, digamos assim, uma réplica perfeita. Por exemplo o nosso exemplo na empresa onde trabalhamos. Não estou a falar de estar sempre a pregar, pregar, pregar aonde trabalho. Mas estou a falar de ser um exemplo. Ser um exemplo, ser um modelo, ser um exemplar e dar uma boa impressão! E você está a dar uma boa impressão? Você é uma pessoa que se comporta bem? Mesmo debaixo de dificuldades? É um exemplo no seu emprego? Pense nisso. Precisamos de pensar nisso cuidadosamente.

E então continuando a ler no v. 8: “porque de vós repercutiu a Palavra do Senhor não só na Macedônia e na Acaia mas também por toda a parte também se divulgou a vossa fé para com Deus a tal ponto de não termos necessidade de acrescentar coisa alguma”.

Quer dizer que de vós repercutiu, se espalhou! É como se fosse uma trombeta e saiu este som e se espalhou e as pessoas estiveram a falar acerca do seu exemplo, e não com má língua, mas com “boa língua” e dizendo bem: “Olha mas que grande exemplo eles são!”

Por isso através do exemplo deles repercutiu a Palavra do Senhor, não só na Grécia e Macedônia mas pra lá, para outros países!

“mas também por toda a parte se divulgou a vossa fé para com Deus a tal ponto de não termos nada a acrescentar.” Nada mais! Não temos mais nada a dizer! Vocês fizeram tão bem que eu nem preciso de abrir a boca.

E por isso Paulo está a dizer: “bem feito irmãos pois vocês foram um exemplo vivente e um exemplo pela vossa vida, como vocês se comportaram e por isso bem feito, parabéns!”

Continuando a ler no v. 9: “pois eles mesmos perante a nós proclamam a repercussão que tivemos no nosso meio como? Deixando os vossos ídolos convertestes a Deus para servires o Deus Vivo e Verdadeiro”.

E por isso está a dizer aqui acerca deles, o exemplo deles, do que eles fizeram, o vosso impacto foi tal em outras pessoas, que vocês estão a ser um exemplo tão grande, que essas outras pessoas estão a deixar a idolatria. E por que isso era importante? Porque eram gentios e estando a deixar a idolatria, estão a se converter a Deus! Ao verdadeiro Deus! E para serem servos de Deus! Estamos a ver aqui que eram gentios que se arrependeram, mudaram a direção, e demonstraram um exemplo elogioso, um bom exemplo.

Queridos irmãos da maneira que você vive e da maneira que eu vivo, somos da mesma maneira? Somo, digamos assim, como uma trombeta, pela maneira que vivemos e pelo nosso exemplo? Somos esse modelo exemplar e essa réplica exata de Cristo? Somos como os tessalonicenses? Demonstramos um exemplo desses na nossa vida?

Vejam aqui em 1 PE 3:15 diz assim: “antes edificai a Cristo como Senhor no vosso coração estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir em razão da esperança que há em vós”.

O vosso exemplo é tão bom, tão grandioso, tão fantástico? Não é para você andar aí a pregar, pregar, pregar! Mas é que você ser um exemplo tão grande e tão fantástico que pessoas de outras áreas veem esse exemplo e dizem:

“Por que esta mudança? Eu conhecia-te quando eras deste modo e desta maneira, e agora estás completamente diferente, e estás uma melhor pessoa! O que é que se passa? Qual é a razão da esperança que há em você?”

E isso é uma abertura para você dizer um pouco e explicar a razão de sua esperança. E isso é uma oportunidade para você realmente usar! Por causa disso o nosso exemplo, queridos irmãos, este nosso exemplo de como vivemos, é uma grande responsabilidade! E esse exemplo, se for bom, então vai causar as pessoas perguntar-lhe isso.

Então continuamos a ler ao fim do v. 9: “para servirmos o Deus vivo e verdadeiro” (1 Ts 1:9).

Servires! Para serem servos! A palavra grega aqui para servos é “douleuo”, que sim, pode ser traduzida como servir, mas tem um significado original de servir como “escravos”. Isto é um ato completo de servidão, de seremos servidores como que se fossemos escravos, seremos servos de Deus e servir como Jesus Cristo nos serve.

E continuando então no v. 10: “e para aguardardes dos céus o seu Filho a quem Ele ressuscitou dentre os mortos, Jesus que nos livra da ira vindoura” (1 Ts 1:10).

E aqui está uma conclusão deste capítulo, mas é além disso uma conclusão de uma secção do livro de tessalonicenses. E sempre que há uma conclusão duma secção do livro de tessalonicenses, Paulo, nesta epístola, conclui sempre as várias secções com palavras positivas demonstrando a esperança que aguardamos. Por isso cada um dos capítulos da primeira epístola aos tessalonicenses termina ou conclui com umas frases positivas, consoladoras e encorajadoras.

Conclui a dizer que Deus nos vai livrar da ira vindoura. Ora sabemos que a ira vindoura que é O Dia do Senhor, que é esta ira vindoura, e nós vamos ser livrados. O livro de Apocalipse ainda não tinha sido escrito mas já sabiam que Deus ia entregar julgamento ao tempo do fim.

Então continuando no capítulo 2: “vós irmãos sabeis pessoalmente que nossa estada entre vós não se tornou infrutífera” e vocês sabem muito bem que a nossa estada, pois não era uma estadia só de Paulo mas sim de Silvano e Timóteo. E essa estada deu bons frutos, produziram bons frutos e bons exemplos.

Eles então se tornaram outros exemplos; e no v. 2: “mas apesar de maltratados e ultrajados em Filipos” (sim, porque Paulo foi maltratado e ultrajado em Filipos) (2 TS 2:2). Vocês podem ler em AT 16:23-27 que estava na prisão e então depois até o carcereiro veio a ser convertido através desse exemplo. Como vimos, Paulo quando estava em Filipos, teve problemas. Mas Paulo foi um bom exemplo, mesmo perante esses problemas e essas dificuldades, pois quando ele estava a pregar o Evangelho de Deus, como descrito aqui: “maltratados e ultrajados em Filipos como é do vosso conhecimento e devemos usar a confiança em nosso Deus para vos anunciar o Evangelho de Deus”.

O Evangelho do Reino de Deus. Sim foi o Evangelho do Reino de Deus, que foi também o Evangelho que Jesus Cristo pregou. Vocês leiam por exemplo em MC 1:14-15 que o Evangelho do Reino de Deus foi o Evangelho que Jesus Cristo pregou, “o Evangelho de Deus em meio de muita luta, de muitas dificuldades e muitos problemas”.

E continuando então no v. 3: “pois a nossa exortação não procede de engano e nem de impureza e nem se baseia em dolo” (2 TS 2:3).

A nossa exortação, a nossa persuasão, a nossa insistência não é baseada em erro isto é, é baseada na verdade. O problema é que muitas pessoas saem da igreja por causa de desvios de doutrina que são como desvios do tronco da árvore, a doutrina sã. Ora a sã doutrina é o tronco da árvore que não muda e não tem engano! O problema é quando pessoas começam a se desviar, com as suas “ideiazinhas” e dizem (por exemplo): “Olha eu vou sair da Igreja de Deus! Olha eu não quero continuar na igreja! Eu quero fazer a minha própria coisa e quero fazer da minha maneira”.

Queridos irmãos, isso é arrogante, é uma soberba! Temos que fazer da maneira que Deus quer e da maneira que Deus manda. Queridos irmãos, temos que olhar para a doutrina que é direta da Bíblia e ter cuidado de não nos desviarmos.

E outro ponto aqui diz assim: “nem de impureza”. Quer dizer, tem que ser de uma maneira de viver que é pura! Não é uma pessoa que tenha má reputação e que vive de uma maneira incorreta, e por causa disso, dizem mal dele ou dela, deste modo: “olha ele fez isto ou aquilo com aquela moça” ou coisa assim.

Queridos irmãos, isso é uma impureza e não devia de ser assim na igreja. Mas infelizmente as pessoas são humanas  e pessoas pecam. Mesmo assim, tem que se arrepender e, Deus perdoa!

Mas não devia de ser assim irmãos pois devemos seguir um caminho de pureza e por isso Paulo estava aqui a dizer: “a nossa exortação não procede de engano” pois nós não estamos a exortar ou dar uma persuasão ou a encorajar ou a insistir que vocês sigam este caminho. Não é por erro ou por impureza mas é a coisa certa, e é a coisa correta, e não há engano, como não há falsificação! Por isso que diz: “nem se baseia em dolo”.

Isto quer dizer que não se baseia em exceção ou engano e nós devemos usar a palavra de Deus exatamente corretamente e sem falsificações. Assim como  por exemplo, usando um exemplo físico de falsificar pesos: “olha isto pesa 2 kg mas vou tirar um bocadinho e olha estou a te vender 2 kg de carne mas tirei algumas gramas e por isso não estou de fato a vender 2 kg mas 1.800 gramas e estou a cobrar como se fossem 2 kg.” Isso, por exemplo, é dolo, isso é decepção, isso é engano!

Vejam em 2 CO 4:2 diz assim: “pelo contrário rejeitamos as coisas que vergonhosas se ocultam e nem andando com astúcia e nem adulterando A Palavra de Deus”!

Não estamos a dar nenhum engano, não estamos a dar nenhuma decepção, não estamos a dar nenhuma ilusão falsa, não estamos a adulterar a Palavra de Deus, não estamos a incluir algum sincretismo ou coisas incorretas com a Palavra de Deus (a Bíblia).

“antes nos recomendamos a consciência de todo o homem na presença de Deus e pela manifestação da verdade”.

Da pura verdade! De A a Z é verdade! E esse é o nosso desejo irmãos.

Então continuando a ler em 1 TS 2:4 diz assim: “pelo contrário vimos que fomos aprovados por Deus a ponto Dele nos confiar o Evangelho de que falamos não que agrademos a homens mas sim a Deus prova o nosso coração”.

Um versículo muito grande e muito importante pois está a dizer aqui: “visto que pelo contrário fomos aprovados por Deus” e depois ao fim do versículo diz assim: “Deus que prova o nosso coração”. Pois a palavra aprovados, prova, é basicamente a mesma palavra em grego dokimazo, palavra 1381 que quer dizer para “testar, examinar, provar, escrutinar, prever se uma coisa é genuína ou não,” como os metais para analisar se é genuíno ou não, se é ouro ou não, esta aprovação para escrutinar e por isso é que diz: “pelo contrário fomos aprovados por Deus; fomos examinados, fomos escrutinados e fomos testados por Deus a ponto de Ele nos confiar o Evangelho.  Igualmente falamos, não para que agrademos a homens mas sim a Deus, que prova, que escrutina, que examina, que vai testando os nossos corações”.

Isto é um ponto muito importante aqui irmãos e por isso vemos aqui que é aprovado para testar, para reconhecer como genuíno após o exame! Assim como provar, considerar se é digno e é isso que Paulo está a dizer fomos aprovados por Deus e é porque Ele testa, prova os nossos corações. E para que? Para ver se somos genuínos, após este exame! E isso prova [a Deus] para ver se somos dignos! Para estarmos de pé diante do Senhor no Dia do Senhor e por isso é que lemos em LC 21 diz assim: “vigiai e orai para que sejam considerados dignos” para escaparem destas coisas e estarem de pé perante o Dia do Senhor, perante ao Senhor na Sua vinda.

Queridos irmãos, Deus está a testar os nossos corações tal como Ele testou ou provou o coração de Paulo. Assim determinou se Paulo era fiel ou não. E Deus está a determinar a você: se és fiel ou não! Ou você tem alguns testes e provações então você diz: “Olha que eu não quero continuar na igreja porque as coisas na igreja são muito difíceis e isto pra mim, não quero, e vou fazer da minha maneira!

Queridos irmãos, o que isso está a dizer a Deus acerca do seu coração?

Queridos irmãos, Paulo foi provado e nós temos que ser provados, e ainda mais os ministros de Deus somos provados, pois o ministério de Deus tem que ser aprovado por Deus!

É Deus que nos põe no ministério, depois de sermos provados. E não é nossa escolha e nem nossa decisão!  

Não é a nossa decisão de: “Olha eu vou seguir a profissão de pregador, vou ser um ministro, vou ser um pastor! E olhem eu fiz agora um examezinho e tenho um certificado, e vim aqui para esta escola de teologia, e fiz este curso, e eu agora sou um pastor!” É isso assim???

Que quer dizer ser escolhido?? Por Deus? Ou eu escolhi a mim mesmo???

Deus tem que chamar você para estar na igreja, porque diz que muitos são chamados e poucos são escolhidos ou eleitos ou selecionados e ainda menos são fiéis até o fim!

Mas como tal membros da igreja são chamados e existe ainda outra chamada. Um padrão ainda mais alto existe, que é para ser chamado para o ministério de Jesus Cristo.

Por isso ser um membro da Igreja de Deus é uma chamada. Mas não é a mesma chamada que a chamada para ser um ministro de Jesus Cristo. Pois isso é uma chamada adicional acima disso.

Veja aqui em HB 5:4. Aqui está a falar de Jesus Cristo e o princípio é o mesmo pois está a falar de Jesus Cristo como sumo sacerdote e diz assim: “ninguém pois toma esta honra para si mesmo se não quando chamado por Deus como aconteceu com Arão” e todos os sacerdotes que foram dessa linhagem. Outra pessoa de uma outra linhagem não podia dizer sou um sumo sacerdote! Pois tinham que ser dessa linhagem a qual foi a linhagem chamada e escolhida.

E igualmente Jesus Cristo foi escolhido e chamado pelo Pai e vejam em AT 9: 15 diz assim quando Paulo estava a caminho de Damasco: “mas o Senhor lhe disse vai porque para mim este é um instrumento ESCOLHIDO para levar o Meu Nome perante os gentios e reis bem como perante os filhos de Israel”. E está aqui Ananias a ser informado pelo Senhor que disse: “vai porque este, [isto é, Paulo,] é para mim um instrumento escolhido” – pois ele foi escolhido pelo Senhor – pois ele não se auto denominou um apóstolo e sim foi escolhido por Jesus Cristo e “para levar o nome de Jesus Cristo:

1º perante os gentios

2º perante os reis

3º perante os filhos de Israel”

Vejam em AT 13:2 diz assim: “e servindo eles ao Senhor jejuando disse o Espírito Santo: separai agora Saulo e Barnabé para a obra que os tenho chamado”!

Deus através de Jesus Cristo e através do Espírito Santo instruiu a eles para separarem Barnabé e Saulo porque foram chamados para a obra e não foram eles que se chamaram a si próprios.

Vejam 1 TM 1:12: “sou grato, isto é, Paulo falando a Timóteo, para Aquele que me fortaleceu, Cristo Jesus e Nosso Senhor que me considerou fiel designando-me para o ministério”!

Paulo foi considerado fiel e assim designado para o ministério!

Por isso Paulo não estava a fazer coisas para agradar a homens como lemos em 1 TS 2: “pois assim pelo contrário visto que fomos aprovados por Deus a ponto Dele nos confiar o Evangelho assim falamos não para que agrademos a homens mas sim a Deus”; e por isso Paulo não estava a agradar homens e estava a fazer o que era agradável a Deus.

Vejam aqui por exemplo em JO 12 quando várias pessoas estavam a ouvir o que Jesus Cristo dizia nos v. 42-43 diz assim: “contudo muitos dentre as próprias autoridades creram Nele, isto é, em Cristo mas por causa dos fariseus não confessaram para não serem expulsos da sinagoga porque amaram mais a glória dos homens do que a glória de Deus”.

Não confessavam e não admitiam a Verdade por que? Porque queriam agradar a homens e por isso vemos que Paulo foi fiel e vimos aqui e porque foi fiel vemos aqui em 1 TS 2:4: “pelo contrário fomos aprovados por Deus” e por que? Porque não estavam a tentar agradar a homens, a agradar a pessoas, pois estavam a agradar a Deus e foram chamados e aprovados por Deus a ponto de Deus confiar a eles o Evangelho. E no nosso caso (hoje em dia) ao ponto de Deus nos confiar o Evangelho. Por isso é claro que o ministério de Jesus Cristo é uma chamada especial! Paulo foi chamado e Deus confiou a Paulo! Hoje, igualmente, Deus confia aos ministros de Jesus Cristo o Evangelho.

Queridos irmãos isto é uma confiança sagrada que vem de Deus e vem do Pai.

Queridos irmãos isto é um ponto importante: uma confiança sagrada!

Como é que é o nosso exemplo? Estamos a fazer as coisas e a dar um exemplo de uma maneira que todo mundo esteja a ver que é um bom exemplo? E estamos a dar um exemplo tão bom que Deus está a dizer: “Posso dar-te a ti (esta confiança sagrada) e posso te chamar como ministro de Jesus Cristo porque tenho confiança em ti, uma confiança sagrada de Deus!” Deus está a confiar aos Seus ministros a PALAVRA DE DEUS!

Queridos irmão eu espero e eu oro que todos nós venhamos a ser fiéis e não só da maneira que vivemos mas no exemplo e na demonstração que damos a outros para que os nossos corações sejam provados perante Deus para que a nós nos seja dada esta confiança sagrada.

Queridos irmãos mantenham-se fieis até o fim para que Deus possa confiar em você e para Deus lhe dar esta confiança sagrada.