Ajuda para hoje e esperança para o amanhã! 

A Incongruência Temporal Entre a Sexta-Feira Santa e o Domingo de Páscoa

Você está aqui

A Incongruência Temporal Entre a Sexta-Feira Santa e o Domingo de Páscoa

Em Mateus 12:38 Mateus 12:38Então alguns dos escribas e dos fariseus, tomando a palavra, disseram: Mestre, queremos ver da tua parte algum sinal.
Almeida Atualizada×
, lemos que alguns dos líderes religiosos judeus pediram a Jesus um sinal para provar que Ele era o Messias. E assim eles O desafiaram: “Mestre, queremos ver um sinal miraculoso feito por ti” (Nova Versão Internacional).

Mas Jesus respondeu que o único sinal que daria seria o do profeta Jonas: “Pois assim como Jonas esteve três dias e três noites no ventre de um grande peixe, assim o Filho do homem ficará três dias e três noites no coração da terra” (versículo 40, NVI).

A ideia tradicional é incoerente

Mas como podemos encaixar “três dias e três noites” entre a crucificação na sexta-feira, o sepultamento pouco antes do entardecer e uma ressurreição no amanhecer do domingo? Essa ideia tradicional possibilita que Jesus tenha permanecido no túmulo apenas um dia completo e partes de outros dois dias!

Alguns acreditam que a declaração de Cristo de que Ele estaria "três dias e três noites no coração da terra" não requer literalmente um período de três dias de 24 horas (totalizando 72 horas) ou nem mesmo próximo disso. Eles arrazoam que qualquer parte do dia, mesmo apenas alguns minutos, pode ser considerada como um dia completo.

Assim, uma vez que Jesus morreu à tarde e foi sepultado pouco antes do pôr do sol, eles pensam que os últimos minutos da sexta-feira compreendem o primeiro dia, que a noite de sexta foi a primeira noite, que o Sábado foi o segundo dia, que a noite de Sábado foi a segunda noite e que alguns minutos da madrugada e amanhecer do domingo completam o terceiro dia.

Mas onde está a terceira noite? Pois, mesmo que alguns minutos de luz da sexta-feira e outros poucos da manhã do domingo sejam considerados como “dias”, essa interpretação falha em explicar como apenas duas noites — noite de sexta-feira e noite de Sábado — podem, de algum modo, abrangerem as três noites de que Jesus falou.

Além disso, a Escritura diz claramente que Jesus já havia ressuscitado antes que Maria Madalena viesse ao túmulo no domingo de manhã, e ela chegou ali “sendo ainda escuro” (João 20:1-2 João 20:1-2 [1] No primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro. [2] Correu, pois, e foi ter com Simão Pedro, e o outro discípulo, a quem Jesus amava, e disse-lhes: Tiraram do sepulcro o Senhor, e não sabemos onde o puseram.
Almeida Atualizada×
). Portanto, a verdade é que nenhuma parte do dia de domingo poderia ser contada como um dia, pois Jesus já havia ressuscitado bem antes do raiar do dia. Então, essa ideia simplesmente não faz sentido!

A passagem de Jonas 1:17 Jonas 1:17Então o Senhor deparou um grande peixe, para que tragasse a Jonas; e esteve Jonas três dias e três noites nas entranhas do peixe.
Almeida Atualizada×
, que Jesus se referiu, afirma especificamente que “esteve Jonas três dias e três noites nas entranhas do peixe”. Portanto, não temos base bíblica para pensar que Jesus se referia apenas a duas noites e um dia e parte de outro dia. Se Jesus ficou na tumba apenas no espaço de tempo entre o fim da tarde de sexta-feira e o início da manhã de domingo, então Seu sinal para provar que Ele era o Messias profetizado não foi cumprido.

Então, Jesus Cristo estava errado? Ou há algo errado com a ideia tradicional de quando e quanto tempo Ele permaneceu no túmulo? Vamos examinar cuidadosa e detalhadamente os Evangelhos. E, ao fazer isso, vamos descobrir a verdade sobre a história do exato cumprimento das palavras de Jesus, conforme Ele predisse!

Referência a dois Sábados

Observe a sequência de eventos descritos em Lucas 23. O momento da morte de Jesus e o Seu apressado sepultamento por causa da aproximação do Sábado, que começaria ao pôr do sol, são narrados nos versículos 46-53. Quanto àquela tarde em particular, o versículo 54 declara: “Era o Dia da Preparação, e começava o Sábado” (ARA).

Na sociedade judaica daquela época, o ato de cozinhar e limpar a casa eram realizados no dia anterior ao Sábado em preparação para esse dia (ver Êxodo 16:23 Êxodo 16:23E ele lhes disse: Isto é o que o Senhor tem dito: Amanhã é repouso, sábado santo ao Senhor; o que quiserdes assar ao forno, assai-o, e o que quiserdes cozer em água, cozei-o em água; e tudo o que sobejar, ponde-o de lado para vós, guardando-o para amanhã.
Almeida Atualizada×
). Portanto, o dia anterior ao Sábado semanal era um período de preparação. O Sábado bíblico diz respeito ao sétimo dia da semana. E, segundo o cálculo bíblico, os dias começam ao pôr do sol (Levítico 23:32 Levítico 23:32Sábado de descanso vos será, e afligireis as vossas almas; desde a tardinha do dia nono do mês até a outra tarde, guardareis o vosso sábado.
Almeida Atualizada×
; comparar Gênesis 1:5 Gênesis 1:5E Deus chamou � luz dia, e �s trevas noite. E foi a tarde e a manhã, o dia primeiro.
Almeida Atualizada×
, 8, 13). Assim, todos os Sábados semanais começam no pôr do sol da sexta-feira.

Então, baseando-se nesses fatos, muitas pessoas presumem que é o Sábado semanal mencionado aqui, no qual Jesus foi crucificado, seja uma sexta-feira. Mas as Escrituras mencionam dois tipos de "sábados" ou santos dias de descanso — o Sábado semanal regular, que caía no sétimo dia da semana, e os sete Dias Santos anuais (listados em Levítico 23), que também eram Sábados e poderia cair em algum dia útil da semana, ou seja, que não era um dia de sábado semanal.

O dia após a crucificação de Jesus foi um Sábado semanal ou um desses Dias Santos anuais? Existe uma maneira de saber isso?

A passagem de João 19:31 João 19:31Ora, os judeus, como era a preparação, e para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, pois era grande aquele dia de sábado, rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados dali.
Almeida Atualizada×
afirma claramente que esse Sábado que se aproximava “era grande”. Nesse contexto, este termo não se refere ao Sábado semanal (do pôr do sol da sexta-feira ao pôr do sol do Sábado), mas ao primeiro dia da Festa dos Pães Asmos, um dos Dias Santos anuais de Deus (Êxodo 12:16-17 Êxodo 12:16-17 [16] E ao primeiro dia haverá uma santa convocação; também ao sétimo dia tereis uma santa convocação; neles não se fará trabalho algum, senão o que diz respeito ao que cada um houver de comer; somente isso poderá ser feito por vós. [17] Guardareis, pois, a festa dos pães ázimos, porque nesse mesmo dia tirei vossos exércitos da terra do Egito; pelo que guardareis este dia através das vossas gerações por estatuto perpétuo.
Almeida Atualizada×
; Levítico 23:6-7 Levítico 23:6-7 [6] E aos quinze dias desse mês é a festa dos pães ázimos do Senhor; sete dias comereis pães ázimos. [7] No primeiro dia tereis santa convocação; nenhum trabalho servil fareis.
Almeida Atualizada×
). Vários comentários bíblicos, enciclopédias e dicionários confirmam que aqui João não está se referindo ao Sábado semanal, mas sim a um dos Sábados anuais — um "grande dia".

Naquele ano, esse grande dia de Sábado anual mencionado aqui cairia em uma quinta-feira (o que significa que começou no pôr do sol da quarta-feira). Podemos confirmar isso olhando os detalhes nos relatos dos Evangelhos, que nos mostram que havia dois dias de Sábado separados — um o “grande dia” e outro o sábado semanal — naquela ocasião. Você pode ver isso na tabela a seguir.

Lucas 23:55-56 Lucas 23:55-56 [55] E as mulheres que tinham vindo com ele da Galiléia, seguindo a José, viram o sepulcro, e como o corpo foi ali depositado. [56] Então voltaram e prepararam especiarias e unguentos. E no sábado repousaram, conforme o mandamento.
Almeida Atualizada×
nos diz que as mulheres, depois de ver o corpo de Cristo sendo colocado na tumba pouco antes do pôr do sol, voltaram e “prepararam especiarias e unguentos" para o preparativo final do corpo. Elas não fariam esse tipo de trabalho em um dia de Sábado, semanal ou anual, pois isso seria considerado uma violação do Sábado. Isso pode ser conferido no relato de Marcos, que afirma: “E, passado o Sábado, Maria Madalena, Salomé e Maria, mãe de Tiago, compraram aromas [que não poderiam comprar num dia de Sábado] para irem ungi-Lo” (Marcos 16:1 Marcos 16:1Ora, passado o sábado, Maria Madalena, Maria, mãe de Tiago, e Salomé, compraram aromas para irem ungi-lo.
Almeida Atualizada×
).

As mulheres tiveram que esperar até que aquele Sábado terminasse para poderem comprar e preparar as especiarias que seriam usadas para ungir o corpo de Jesus. Então, Lucas 23:56 Lucas 23:56Então voltaram e prepararam especiarias e unguentos. E no sábado repousaram, conforme o mandamento.
Almeida Atualizada×
nos diz que, depois de preparar as especiarias e os unguentos na sexta-feira, elas “repousaram, conforme o mandamento” — isso significa que elas também deveriam ter comprado as especiarias antes daquele Sábado em que descansaram. Esse segundo Sábado, mencionado nos relatos do Evangelho, é um Sábado semanal regular, observado do pôr do sol de sexta-feira ao pôr do sol de Sábado.

Quando comparamos os detalhes em ambos os Evangelhos — onde Marcos nos diz que as mulheres compraram especiarias depois do Sábado e Lucas relata que elas prepararam as especiarias antes de descansar no Sábado — podemos ver claramente que a conversa ali era a respeito de dois sábados diferentes.

O primeiro, como nos diz João 19:31 João 19:31Ora, os judeus, como era a preparação, e para que no sábado não ficassem os corpos na cruz, pois era grande aquele dia de sábado, rogaram a Pilatos que se lhes quebrassem as pernas, e fossem tirados dali.
Almeida Atualizada×
, era um “grande dia” — o primeiro dia da Festa dos Pães Asmos — que caíu em uma quinta-feira daquele ano. O segundo era o Sábado, no sétimo dia da semana. Novamente, veja esses eventos detalhados passo a passo no gráfico na página 13.

O sinal do Messias

Depois que descansaram no Sábado semanal regular, as mulheres foram ao túmulo de Jesus no primeiro dia da semana (domingo), “sendo ainda escuro" (João 20:1 João 20:1No primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro.
Almeida Atualizada×
), e descobriram que Ele já havia ressuscitado (Mateus 28:1-6 Mateus 28:1-6 [1] No fim do sábado, quando já despontava o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. [2] E eis que houvera um grande terremoto; pois um anjo do Senhor descera do céu e, chegando-se, removera a pedra e estava sentado sobre ela. [3] o seu aspecto era como um relâmpago, e as suas vestes brancas como a neve. [4] E de medo dele tremeram os guardas, e ficaram como mortos. [5] Mas o anjo disse �s mulheres: Não temais vós; pois eu sei que buscais a Jesus, que foi crucificado. [6] Não está aqui, porque ressurgiu, como ele disse. Vinde, vede o lugar onde jazia;
Almeida Atualizada×
; Marcos 16:2-6 Marcos 16:2-6 [2] E, no primeiro dia da semana, foram ao sepulcro muito cedo, ao levantar do sol. [3] E diziam umas �s outras: Quem nos revolverá a pedra da porta do sepulcro? [4] Mas, levantando os olhos, notaram que a pedra, que era muito grande, já estava revolvida; [5] e entrando no sepulcro, viram um moço sentado � direita, vestido de alvo manto; e ficaram atemorizadas. [6] Ele, porém, lhes disse: Não vos atemorizeis; buscais a Jesus, o nazareno, que foi crucificado; ele ressurgiu; não está aqui; eis o lugar onde o puseram.
Almeida Atualizada×
; Lucas 24:1-3 Lucas 24:1-3 [1] Mas já no primeiro dia da semana, bem de madrugada, foram elas ao sepulcro, levando as especiarias que tinham preparado. [2] E acharam a pedra revolvida do sepulcro. [3] Entrando, porém, não acharam o corpo do Senhor Jesus.
Almeida Atualizada×
). Devemos notar que, em João 20:1 João 20:1No primeiro dia da semana Maria Madalena foi ao sepulcro de madrugada, sendo ainda escuro, e viu que a pedra fora removida do sepulcro.
Almeida Atualizada×
, a palavra “dia” não está nos manuscritos gregos, mas foi adicionada por tradutores. Portanto, deve ser lido “E, no primeiro da semana...”. Portanto, quando usamos o método hebraico de calcular o tempo, nenhuma parte do que entendemos como luz do dia do domingo entra no período de tempo do relato de João.

Portanto, Jesus não ressuscitou ao nascer do sol do domingo de manhã. Quando Maria Madalena chegou ao túmulo enquanto ainda estava “escuro”, ela encontrou a pedra removida e o túmulo já vazio!

Quando analisamos os detalhes em todos os quatro relatos dos Evangelhos, a imagem fica clara. O dia da preparação em que Jesus foi crucificado caiu em uma quarta-feira. E Ele foi sepultado no fim da tarde, pouco antes de o Sábado começar, ao pôr do sol. No entanto, “era grande [aquele] dia de Sábado”, que abrangia o pôr do sol de quarta-feira até o pôr do sol de quinta-feira daquela semana. Este dia não era um Sábado semanal regular, que durava do pôr do sol de sexta até o pôr do sol de Sábado.

Embora ninguém tenha testemunhado o momento da ressurreição de Jesus (uma vez que ocorreu dentro de uma tumba selada), para estar em conformidade com Suas palavras e com as evidências bíblicas, esse evento precisava acontecer em três dias e três noites a partir do entardecer de quarta-feira, um Sábado anual, até o momento de Jesus deixar Seu túmulo no pôr do sol do fim do Sábado semanal.

Essa linha do tempo acomoda perfeitamente três noites (noite de quarta-feira, noite de quinta-feira e noite de sexta-feira) e três períodos de luz do dia (quinta-feira, sexta-feira e Sábado). Este é o único período de tempo que se encaixa na profecia de Jesus a respeito de quanto tempo Ele ficaria no túmulo. E, como temos visto, isso se encaixa perfeitamente com todos os detalhes registrados nos Evangelhos.

Assim, podemos assegurar que o período de tempo no sepulcro que Jesus apresentou como prova de Sua messianidade teve a exata duração predita por Ele.

Por não entender os Dias Santos bíblicos observados por Jesus Cristo e Seus seguidores, a maioria das pessoas falham em compreender os detalhes cronológicos preservados com tanta precisão nos Evangelhos!

Descubra mais

Há muito mais coisas na história sobre como os Dias Santos bíblicos foram substituídos pelo Domingo de Páscoa, pelo Natal e por outras festividades que existiam muito antes do cristianismo. Você precisa ler nosso guia de estudo bíblico gratuito Feriados Religiosos ou Dias Santos: Será Que Importa Quais Dias Observamos? Um exemplar gratuito está esperando por você!